O periódico Cadernos de História da Educação tem periocidade quadrimestral, com publicação de aproximadamente quarenta e cinco artigos anualmente. Os autores são pesquisadores brasileiros e estrangeiros da área de História da Educação, vinculados a diferentes instituições universitárias no país e no exterior. O periódico está classificado no estrato A2 do Qualis/Capes (Área de Educação, 2013-2016). O fluxo de recebimento de propostas é contínuo, com possibilidade de submissão de originais redigidos em português, inglês, espanhol, francês e italiano, com foco específico na área de História da Educação. O conteúdo publicado no periódico interessa principalmente aos estudiosos e pesquisadores brasileiros e estrangeiros vinculados à temática da História da Educação, mas, também, a todos aqueles que se preocupam em conhecer os avanços do conhecimento no âmbito das Ciências Humanas. O periódico não cobra qualquer valor dos autores para submissão, processamento e publicação dos artigos.

News

The Globethics.net library contains articles of the Cadernos de História da Educação as of vol. 2(2003) to current.

Recent Submissions

  • El Museo Pedagógico en Argentina: nacimiento y avatares de una Institución renovadora (1883-1940)

    María Cristina Linares (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    Los museos pedagógicos surgieron a partir de mediados del siglo XIX acompañando la formación de maestros y la construcción de los sistemas educativos nacionales. Eran centros que comprendían una biblioteca con obras de educación, legislación y otro tipo de documentos, como también mobiliario escolar y colecciones de materiales para la enseñanza. Abonaron a la circulación de ideas, prácticas y materiales escolares. Tenían un carácter prospectivo e instituyente de las nuevas metodologías, utillaje, política y estructura escolar, y la intención expresa de construir identidades nacionales. En la Argentina, la iniciativa de crear un museo pedagógico en el ámbito del Consejo Nacional de Educación, el Museo Escolar Nacional, anexo a la biblioteca y dirigido a la enseñanza primaria, fue entendida como motor para la renovación pedagógico-política y material de la educación. El museo era uno más de los mecanismos estatales dentro del sistema educativo para llevar a la sociedad, paulatinamente, a un nivel de “civilización”.
  • El Museo Pedagógico Nacional y la renovación educativa en España (1882-1941)

    Pedro Luis MORENO MARTÍNEZ (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    El Museo Pedagógico Nacional, fundado en 1882 con el nombre, inicialmente, de Museo de Instrucción Primaria de Madrid, fue creado a propuesta de la Institución Libre de Enseñanza como parte de su proyecto pedagógico y político para lograr la modernización y la transformación social del país. La iniciativa se vinculaba a la necesidad de acometer las reformas necesarias para mejorar las condiciones de la primera enseñanza tomando como referencia la experiencia museística internacional. El Museo, tal y como fue concebido por su primer director Manuel Bartolomé Cossío (1857-1935), tenía que ser la puerta por la que se introdujeran en España todos los adelantos que en la primera educación se verificaran en los demás países. Sus principales líneas de actuación irían encaminadas a la formación docente, la reforma del mobiliario escolar y el material de enseñanza, así como convertirse en el centro de información, estudio, renovación y difusión pedagógica más importante del país.
  • Experiências Formativas não Escolares: História & Teoria da Educação

    Schirlei Russi von Dentz (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A proposta do ebook “Experiências formativas não escolares: história & teoria da Educação”, lançado em 2021, é colocar em evidência outras instituições que promovem a educação não legitimada, como é o caso da instituição escolar, mas que contribuem para a formação dos indivíduos, das suas subjetividades. Essas outras instituições são: o Estado, a medicina, o meio de comunicação jornalístico impresso, os livros, instituições religiosas, o meio social, como a família, a vizinhança etc. O ebook está dividido em três partes, com sete capítulos, onde os autores/pesquisadores corroboraram com a temática principal de pensar a educação e sua história a partir de lugares comuns, ou seja, fora da escola. Organizado pelo historiador, pesquisador e professor Matheus da Cruz e Zica, que tem estudado a “formação” dos indivíduos nos mais diferentes espaços, este ebook apresenta justamente este aspecto formativo das subjetividades em lugares inimaginados.
  • Museu Pedagógico Nacional – Pedagogium, uma vitrine comercial (Rio de Janeiro, Brasil / 1890-1919)

    Camila Marchi da Silva (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    O Museu Pedagógico Nacional – Pedagogium foi fundado em 1890 e funcionou até 1919, na cidade do Rio de Janeiro. Estabelecido pelo Decreto nº 981, era função da instituição oferecer ao público e aos professores os meios de instrução profissional, a exposição dos melhores métodos e material de ensino inovador, disponibilizando formações de diferentes tipos. Sabe-se de uma parcela da história dessa instituição como centro de formação de professores, porém, além disso, a história dos museus pedagógicos está intimamente ligada às Exposições Universais, já que eles seriam centros difusores de tecnologias educacionais; não raro, museus pedagógicos poderiam ser formados a partir do que era apresentado em exposições. Esta publicação tem por objetivo apresentar variadas facetas entre o Pedagogium e suas relações com feiras universais, comerciais e museus, bem como compreender e analisar a constituição do acervo do Pedagogium, levando em conta as suas afinidades com o comércio e a indústria.
  • O Museu Pedagógico Municipal de Lisboa (Portugal, 1883-1933): Percurso e significado de uma instituição renovadora

    Maria João Mogarro (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    O Museu Pedagógico Municipal de Lisboa foi inaugurado em 1 de julho de 1883, inscrevendo-se num movimento internacional de afirmação de instituições semelhantes. Adolfo Coelho dirigiu o Museu e teve um papel fundamental na sua organização; ele concebeu a sua estrutura e selecionou e comprou os seus materiais e livros. O Museu Pedagógico Municipal de Lisboa, a partir de 1892 designado Museu Pedagógico de Lisboa, ilustrava bem as conceções pedagógicas e as orientações para uma renovação do ensino que marcavam o discurso pedagógico da época. Ele integrava-se na corrente internacional da moderna pedagogia, que considerava os museus pedagógicos como dispositivos fundamentais para o estudo da educação e do ensino e para a formação profissional dos professores. A reconstituição da sua biblioteca confirma o lugar do Museu na rede transnacional de circulação das ideias, nela se encontrando obras de autores de referência da pedagogia mundial, publicadas em diversas línguas.
  • Museu e Biblioteca Pedagógicos: um grande gabinete experimental de ciência popular (Montevidéu / Uruguai, 1889...)

    Vera Lucia Gaspar da Silva; Gabriel Scagliola (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    O Museu Pedagógico do Uruguai foi fundado em Montevidéu em 1889, formando par com a Biblioteca Pedagógica num projeto que buscou interlocução internacional. Agregou em suas funções uma espécie de formação prática de professores primários com laboratórios e instrumentos que permitissem ensaios de práticas, divulgação de ideias pedagógicas e exposição de artefatos que ajudassem a construir socialmente um modelo ideal de escola, bem como apoiava sua comercialização. Alberto Gómez Ruano (1858-1923), seu primeiro diretor, teria tido atuação fundamental na criação dos Institutos Nacionales: Museo y Archivo Histórico Municipal, do Servicio Meteorológico de Uruguay e da Biblioteca y Museo Pedagógicos, um aparato estatal com base científica e modernizadora. A exemplo de congêneres, este museu funcionou como canal de conexão com outros países, promovendo troca de peças para os acervos, de informações sobre gerenciamento e organização, visitas, arranjos para a exposição e comercialização de artefatos.
  • Uma Casa de Educação Literária: o Atheneu Sergipense em perspectiva historiográfica

    Ane Luíse Silva Mecenas Santos; Magno Francisco de Jesus Santos (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    As efemérides constituem relevantes espaços de celebração e de construção de análises que tendem a avaliar as experiências tecidas na malha do tempo. Nos idos de 2020, em pleno contexto dilacerado pelos dilemas da pandemia, ocorreram as celebrações alusivas ao bicentenário da emancipação política de Sergipe e do sesquicentenário da mais longeva instituição educacional do estado, o portentoso Atheneu Sergipense. Infelizmente, em decorrência das necessárias ações de isolamento social, as ruas e os auditórios estiveram vazios, desprovidos de festejos, de eventos e da presença de sujeitos que enfaixam sentidos, vivem e narram as histórias. Entretanto, nem tudo foi silêncio. No dia 19 de outubro, uma live reuniu um considerável número de historiadores da Educação no efusivo lançamento da coleção “Uma Casa de Educação Literária: 150 anos do Atheneu Sergipense”. Trata-se de uma coleção que reúne dez livros que têm como escopo a trajetória da velha instituição de ensino secundário de Sergipe.
  • Escola no Rio Grande do Sul (1889-1950): ensino, culturas e práticas escolares

    Ariane dos Reis Duarte (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A obra Escola no Rio Grande do Sul (1889-1950): ensino, culturas e práticas escolares (Caxias do Sul, editora Educs, 2020, 476 páginas, e-book), organizada pelo professor e pesquisador José Edimar de Souza evidencia o esforço do seu organizador em contribuir para o campo da história da educação no Rio Grande do Sul. O livro está estruturado em quatro eixos de abordagem, os quais serão explorados no decorrer desta resenha. Ao compor a obra desta forma, o autor nos propicia estabelecer um panorama das produções acadêmicas sobre instituições escolares no estado. Da mesma forma, entendemos que tal organização permite ao leitor perceber os diferentes rumos e segmentos que a pesquisa sobre instituições pode tomar. A obra é prefaciada pelo professor António Gomes Ferreira, da Universidade de Coimbra, cujos estudos se dedicam ao campo da História da Educação, Políticas educacionais e Educação Comparada.
  • A formação docente no Instituto de Educação “Fernando Costa” (1953-1975)

    Jorge Luís Mazzeo Mariano (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A presente obra é fruto de uma dissertação de mestrado defendida em 2017 no Programa de Pós-graduação da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, campus de Marília. Neste livro, Aline de Novaes Conceição pesquisa como o Instituto de Educação (I.E) “Fernando Costa”, instalado em Presidente Prudente/SP, desenvolveu suas atividades, sobretudo, as finalidades previstas no Código de Educação do Estado de São Paulo.
  • Educação não escolar: Religiosidade e modos de fazer de uma curadora

    Adriene Suellen Ferreira Pimenta; Mário Allan da Silva Lopes; Thaís Tavares Nogueira (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A obra é resultado da dissertação de mestrado defendida em 2015 no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará (UEPA). No livro, Márcio Barradas Sousa e Maria Betânia B. Albuquerque analisam os saberes e as práticas educativas cotidianas presentes no atendimento de pessoas submetidas às orações e tratamento de cura realizada por Odinéia dos Santos Barbosa, na comunidade quilombola de Abacatal, em Ananindeua, no Pará. Dona Dionéia, como costumava ser chamada, era conhecida como benzedeira que tratava os males espirituais provocados pelos seres habitantes das matas. Como aporte teórico metodológico os autores buscaram alicerçar-se nos pressupostos da história cultural, cuja abordagem historiográfica volta-se para a vida cotidiana, objetos e temas ligados à vida social dos homens e mulheres no tempo. Além disso, utilizaram-se do método da história oral e da técnica da entrevista semiestruturada, bem como características da pesquisa etnográfica.
  • A destruição de uma arquitetura: da monumentalidade à demolição, o Jardim da Infância de São Paulo (1896-1939)

    Rosana Carla de Oliveira (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    O livro Da Monumentalidade à Demolição: O Prédio do Jardim da Infância anexo à Escola Normal de São Paulo (1896-1939) (2021), de Sandra Aparecida Melro é fruto da sua dissertação de mestrado defendida em 2019, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), sob a orientação da Prof. Mirian Jorge Warde, que prefacia este livro. A dissertação de Melro (2019) compõe um escopo de pesquisas orientadas por Warde, nos últimos 25 anos, acerca da Escola Caetano de Campos, antiga Escola Normal de São Paulo, desde sua criação, mas com atenção no período da Proclamação da República até os anos de 1930, instituição que representa os ideais republicanos para a educação paulista que se tornou modelo nacional.
  • Museus Pedagógicos: diálogos ibero-americanos

    Vera Lucia Gaspar da Silva (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    Com o presente Dossiê vislumbramos explorar vínculos entre diferentes Museus Pedagógicos estabelecidos na América e na Europa nos anos finais do século XIX e em princípios do XX, além de destacar particularidades destas instituições que não tiveram somente os modelos francês e espanhol como referência, mas também, agregaram elementos resultantes de parcerias e diálogos. Assim reunimos estudos que comtemplam o Museu Pedagógico Nacional da Espanha fundado em 1882 na cidade de Madri (abordado por Pedro Luis Moreno Martínez); o Museu Pedagógico de Portugal criado em 1883 na cidade de Lisboa em Portugal (por Maria João Mogarro); o Museu Pedagógico da Argentina criado em 1888 na cidade de Buenos Aires (por María Cristina Linares); o Museo Pedagógico do Uruguai criado em 1889 na cidade de Montevideo (por Vera Gaspar e Gabriel Scagliola) e o Museu Pedagógico Nacional do Brasil criado em 1890 no Rio de Janeiro (por Camila Marchi da Silva).
  • A educação soviética: da escola para poucos à escola para todos

    Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A epígrafe que abre essa resenha foi citada no livro “A educação soviética” de Marisa Bittar e Amarilio Ferreira Junior, lançado em 25 de agosto de 2021 pela EduFSCar. Mostra que para o estudo da escola real construída após a Revolução de 1917, incluindo seus antecedentes situados no Império czarista e os desenvolvimentos posteriores até 1991 com o fim da União Soviética, é necessário situar historicamente as características e princípios que a nortearam. É o que fazem os autores, ao longo de quase 300 páginas oferecendo aos leitores a oportunidade de conhecer não apenas o chão da escola soviética, mas também compreender a gênese do pensamento educacional soviético por meio dos protagonistas das diversas etapas dessa experiência pedagógica radical que percorreu 74 anos da história do século XX. Para enfrentar esse tema, que até então não havia sido tratado nos estudos do campo da educação em língua portuguesa, os autores mobilizaram um rico instrumental teórico e metodológico que foi complementado com conhecimentos adquiridos durante a primeira metade da década de 1980, quando tiveram a oportunidade de estudarem no Instituto de Ciências Sociais de Moscou. Essa estadia de um ano para frequentar um curso teórico e realizar trabalho voluntário fazia parte da política de formação de quadros do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Foi assim que os então professores do ensino secundário público no Brasil puderam conhecer o sistema educacional da Rússia soviética. Tais vivências formam o pano de fundo que contribuiu para elaboração desse livro. Quem ganha com isso é o leitor.
  • Docência e política no jornalismo de Maria Mariá

    Mônica Yumi Jinzenji (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A jovem pesquisadora Hebelyanne Pimentel da Silva, graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Alagoas apresenta, nesse livro, o resultado de um estudo em que analisa aspectos da trajetória de Maria Mariá de Castro Sarmento (1917-1993), professora e jornalista que viveu e atuou na cidade de União dos Palmares, situada ao norte do estado de Alagoas. Apoiando-se na micro-história, especificamente nos estudos de Carlo Ginzburg (2006) e em diálogo com Arlette Farge, Michelle Perrot, Joan Scott e outros, a autora se dedica, por um lado, a contribuir com a construção da história da educação em Alagoas e, por outro, a dar visibilidade a uma personagem que, conforme tantas outras mulheres, tiveram suas ações e a própria existência relegadas ao esquecimento (PERROT, 2018).
  • El sueño de una religiosa hecho realidad

    Estela Socías Muñoz (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    El texto en comento es una obra que ha surgido en honor a los 60 años del Colegio Santa Isabel de Hungría, el cual ha estado al servicio de la Educación Chilena con Carisma Franciscano durante todo ese tiempo, cuya fundadora fue la Madre Teresa Ortúzar Ovalle (1882-1969). La investigación realizada para efectuar este libro se divide en dos partes; la primera realizada con motivo de las bodas de oro del Colegio Santa Isabel de Hungría: 1961-2011 y la segunda con el motivo antes referido. Esta obra consta de prólogo, introducción, 6 capítulos, conclusiones, fuentes de consulta y anexos.
  • A Escola Nova e A New Education Fellowship sob uma nova perspectiva na História da Educação

    Franciele Ferreira França (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-05-01)
    A New Education Fellowship (NEF), conhecida também como Ligue Internationale Pour L’Education Nouvelle, foi criada há 100 anos, em congresso realizado na cidade de Calais, na França. Baillie-Weaver foi nomeado como presidente, Beatrice Ensor assumiu como diretora organizadora, e Elizabeth Rotten e Adolphe Ferrière foram nomeados como diretores (VIDAL; RABELO, 2019). Com sede fixada em Londres, a NEF “emergiu como um movimento internacional desenhado para agregar pessoas de diferentes países em torno da renovação da educação e da escola”, reunindo “tanto educadores e profissionais ligados à educação quanto leigos” (RABELO; VIDAL, 2018, p. 03). Tendo por intuito difundir e promover discussões referentes aos diferentes aspectos da educação nova, a NEF organizou conferências bianuais, realizadas em diferentes países, assim como teve associada a publicação de três revistas: The New Era, editada por Beatrice Ensor, Pour L’Ere Nouvelle, por Adolphe Ferrière e Das Werdende Zeitatter, por Elizabeth Rotten (VIDAL; RABELO, 2019). Essa mobilização a favor da renovação da escola e da educação contribuiu, ou mesmo reafirmou, com o que é denominado na historiografia da educação como o Movimento da Escola Nova.
  • A experiência de produzir fontes orais para a História das Instituições Escolares

    Sônia Maria dos Santos; Marisa Francisca Galdeano Marra (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-03-01)
    Como metodologia de pesquisa, a História Oral se projetou no ramo da história das instituições escolares, seja como guia da pesquisa, seja como forma complementar. Em parte, permite produzir fontes para realidades cujos registros materiais inexistem ou não foram encontrados. Essa metodologia orientou a pesquisa subjacente ao estudo a que este se filia; ou seja, uma dissertação de mestrado sobre uma escola confessional, o Externato Santa Teresinha. Essa metodologia não só ajudou a estruturar e desdobrar a pesquisa, como também ampliar o escopo das fontes. Nesse sentido, este texto relata a experiência de produzir fontes segundo a História Oral para tal pesquisa, por meio de entrevista a cinco colaboradores que participaram da história daquela instituição de ensino. A expectativa é que este relato possa ser pertinente e importante à reflexão sobre problemas que permeiam a produção de fontes orais e que inspire outros a usar a História Oral.
  • Uma cartografia do Ensino Comercial: pesquisas recentes sobre Brasil, Itália, Portugal e Espanha (2008-2017)

    Eduardo Cristiano Hass da Silva; Luciane Sgarbi Santos Grazziotin (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-03-01)
    Este artigo resulta de uma investigação do tipo revisão de literatura, tendo como objetivo produzir uma cartografia sobre o Ensino Comercial, localizando, sistematizando e analisando trabalhos produzidos sobre Itália, Portugal, Espanha e Brasil. Metodologicamente, recorremos à revisão de literatura como uma forma de circunscrever o tema “Ensino Comercial” e analisar algumas das produções que o tematizam. Optamos por selecionar trabalhos que estejam diretamente relacionados ao assunto, fazendo a leitura integral, a sistematização e a análise desses textos. Foram analisados artigos, livros, dissertações e teses brasileiras, bem como estudos produzidos nos/sobre os demais países investigados. Os resultados apontam que, no caso brasileiro, prevalecem produções decorrentes de pesquisas de mestrado, voltadas para instituições específicas, com a ausência de estudos gerais sobre o tema. Em relação aos estudos produzidos em/sobre Itália, Portugal e Espanha, identificamos trabalhos que analisam o Ensino Comercial de forma geral, oferecendo indicações metodológicas e temáticas para os pesquisadores brasileiros.
  • Repercusiones de las guerras civiles en Colombia en el sistema de instrucción pública, siglo XIX

    Roger Pita Pico (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-03-01)
    El propósito de este artículo consiste en examinar el impacto de las guerras civiles decimonónicas en las escuelas y colegios de Colombia a través de la destrucción de las aulas y la ocupación de las tropas, la represión política y el reclutamiento militar de alumnos y profesores y, asimismo, profundizar en el análisis de las repercusiones en la interrupción de las labores escolares y en el ritmo de aprendizaje, además de las marcadas fluctuaciones en los niveles de cobertura. La intención es llenar un vacío historiográfico por cuanto los escasos estudios sobre la educación en Colombia en el siglo XIX se han concentrado en demostrar los avances de este sector en tiempos de paz. Más que describir los estragos de la guerra, este trabajo ha dejado constancia también de los esfuerzos y sacrificios por mantener activos los servicios educativos aun en medio del ambiente de agitación política y de la confrontación militar. En ese sentido, cabe resaltar la iniciativa de ayuda de algunos profesores, el aporte de algunos empleados públicos, la movilización del clero a escala parroquial y los esfuerzos conjuntos de las diferentes instancias del gobierno nacional, provincial y local con miras a asegurar algunos recursos en medio del estado de devastación generalizada.
  • Instituições públicas de formação da juventude campinense (1950-1960): democratização ou elitização?

    Melânia Mendonça Rodrigues; Niédja Maria Ferreira de Lima; Vívia de Melo Silva (Universidade Federal de Uberlândia, 2022-03-01)
    Tratando de duas instituições públicas de ensino secundário de Campina Grande-PB, o Colégio Estadual da Prata (1953) e a Escola Normal Estadual (1960), o artigo   discute o prestígio social das duas instituições, destacando as solenidades de inauguração dos prédios e o alunado de cada uma delas, nas respectivas primeiras décadas de funcionamento. Os achados provêm de matérias veiculadas em jornais do estado, bem como das fichas individuais dos alunos, disponíveis nos arquivos das instituições. A cobertura jornalística e a dimensão política das solenidades de inauguração dos prédios constituem forte indício do prestígio social do Colégio Estadual e da Escola Normal. Já o seu alunado foi constituído de jovens (rapazes e moças) oriundos de família tradicionais da elite campinense e regiões circunvizinhas. Tais achados permitem considerar que a trajetória das instituições, no período aqui analisado, evidencia a tensão entre elitização e democratização do ensino secundário campinense, nas décadas de 1950-1960.

View more