• Concepções sobre Assimilação Solidária num curso universitário

      Silva,Maria Regina Gomes da (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      O presente artigo é parte de uma tese de doutorado (Silva, 1997). A pesquisa foca as possibilidades, conseqüências e reflexões epistemológicas da implantação de uma proposta pedagógica alternativa ao ensino tradicional vigente (ETV) na disciplina Cálculo I, do Curso de Licenciatura em Matemática, Unesp, Câmpus de Bauru, durante o ano de 1995. Partindo do Contrato de Trabalho, segundo a Assimilação Solidária (cf. Baldino, 1995a), tematiza a articulação do funcionamento das regras do Contrato com a avaliação e o trabalho em grupo. Ao lado do prêmio ao saber, é considerado o justo prêmio ao trabalho coletivo produzido em sala de aula. A investigação, de ordem qualitativa, localiza-se na vertente Pesquisa-Ação (cf. Thiollent, 1992), na qual o professor-pesquisador tematiza sua própria sala de aula, além de contextualizar os sujeitos no seu meio sócio-histórico-político-cultural.
    • O ensino de conteúdos de História e Filosofia da Ciência

      Bastos,Fernando (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      O presente trabalho de pesquisa consistiu em duas etapas: (i) produção de um Guia de Estudos em que a história das pesquisas sobre a febre amarela (1881-1903) foi usada como subsídio para a discussão de alguns importantes aspectos do processo de produção de conhecimentos na ciência; (ii) realização de experiência pedagógica em que o Guia de Estudos foi aplicado junto a alunos do ensino médio. Os resultados obtidos forneceram evidência da viabilidade do uso da História da Ciência no Ensino de Ciências.
    • Globalização, qualidade de ensino e formação docente

      Tancredi,Regina Maria Simões Puccinelli (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Neste texto pretendo analisar alguns impasses na formação e na atuação dos professores, contrapondo essa formação/atuação a dois temas relacionados: as necessidades educativas da população para viver no mundo moderno e dele participar, e a realidade escolar, que dificulta atingir a qualidade de ensino necessária para essa vivência e participação.
    • A Nova Lei de Diretrizes e Bases e a formação de professores para a educação básica

      Carvalho,Djalma Pacheco de (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Este artigo mostra os dispositivos legais inclusos na Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), visando identificar, compreender e avaliar a intencionalidade de suas propostas para a adoção de posturas pertinentes. Contém observações que possam ser consideradas nos estudos e reflexões sobre os rumos dos cursos e programas de formação de professores para a educação básica.
    • Ciência e ética: alguns aspectos

      Cardoso,Clodoaldo Meneguello (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      A discussão sobre ciência e ética, se colocada em nível radical, necessita previamente passar pela concepção filosófica de 'ser humano', 'ética' e 'ciência'. Na perspectiva existencialista, o homem é um ser capaz de autodeterminação, ou seja, ser sujeito do conhecimento e da ação. Em conseqüência, no campo ético, tudo aquilo que tira ou diminui essa dimensão de sujeito é considerado violência. Por sua vez, a ciência moderna ocidental contém em si um amplo projeto de dominação: da natureza, de si mesmo e do outro. Portanto, uma ciência ética só é possível a partir de uma nova postura diante da própria ciência e dos valores da sociedade construída sob seu signo.
    • Conteúdos de química em livros didáticos de ciências

      Tiedemann,Peter W. (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      São apresentadas algumas tendências modernas do ensino de química, em termos de ensino no contexto, treinamento de habilidades profissionais e construção da cidadania. São discutidos alguns problemas nos conteúdos de química, principalmente dos livros de ciências de 8a série, mostrando-se que alguns assuntos são impróprios para alunos dessa faixa etária e outros envolvem apenas a memorização, contribuindo para o afastamento dos alunos do estudo de ciências. Finalmente, são apontados diversos equívocos conceituais, comuns em livros didáticos, que dificultam a aprendizagem.
    • O processo evolutivo: uma análise semiótica

      Caldeira,Ana Maria de Andrade; Silveira,Lauro Frederico Barbosa (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Esta pesquisa é uma Análise Semiótica da Biologia Evolutiva, utilizando-se para tanto o quadro categorial de Charles S. PEIRCE (1853-1914). Questões como Diversidade, Acaso e Relações Ambientais são discutidas através de relações sígnicas.
    • A História da Ciência iluminando o ensino de visão

      Barros,Marcelo Alves; Carvalho,Anna Maria Pessoa de (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Nosso objetivo neste artigo é discutir as contribuições da História da Ciência para o ensino de Física. Apontaremos duas maneiras de se utilizar a História da Ciência em sala de aula: por uma lado, servindo de instrumento para auxiliar o professor a compreender as dificuldades dos estudantes e, por outro, promover uma reflexão sobre a própria natureza da Ciência.
    • A história da ciência no ensino de física

      Neves,Marcos Cesar Danhoni (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Neste artigo procura-se mostrar a necessidade de um ensino de física contextualizado em sua história, frisando a sua não linearidade e as diferentes leituras que dela podemos ter. Diferentes aspectos da história da ciência e de sua aplicabilidade em sala de aula são apresentados, na forma de exemplos concretos possíveis para um ensino não-formal. Alguns resultados de pesquisas em conceituação espontânea a partir de situações específicas (especialmente sobre a Terra e sua posição no universo), são apresentados num contexto de possíveis mudanças conceituais e planejamentos de atividades em sala de aula. O uso da história da ciência e, em especial, da cosmologia, é abordado como possibilidade de definir rumos para a pesquisa básica e para mudar paradigmas vigentes.
    • Distorções conceituais dos atributos do som presentes nas sínteses dos textos didáticos: aspectos físicos e fisiológicos

      Monteiro Júnior,Francisco Nairon; Medeiros,Alexandre (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      As pesquisas em ensino têm mostrado que os livros didáticos exibem uma tendência reducionista e, ao mesmo tempo, distorcida na apresentação dos diversos conteúdos da física clássica. Com base na busca de distorções desta natureza, centramos nossa investigação na catalogação e análise das apresentações das qualidades fisiológicas do som por textos didáticos do ensino fundamental e médio. Em tal pesquisa constatamos, no processo de transposição didática, distorções conceituais sob vários aspectos, existindo ainda uma forte negligência no tratamento dos aspectos fisiológicos presentes na apresentação dos conceitos de altura, intensidade e timbre.
    • Desenvolvimento e aprendizagem: reflexões sobre suas relações e implicações para a prática docente

      Meira,Marisa Eugênia Melillo (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Este texto aponta alguns elementos que podem contribuir para a reflexão sobre a importância de uma adequada compreensão do desenvolvimento humano e de suas articulações com a aprendizagem e com as relações sociais, para a construção, no espaço físico e social da sala de aula de um processo pedagógico qualitativamente superior.
    • Os programas de pesquisa de Lakatos: uma leitura para o entendimento da construção do conhecimento em sala de aula em situações de contradição e controvérsia

      Laburú,Carlos Eduardo; Arruda,Sérgio de Mello; Nardi,Roberto (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Este trabalho faz uma analogia entre os programas de pesquisa de Lakatos e a dinâmica das idéias dos estudantes em situações de sala de aula. Esta analogia revelou-se uma maneira produtiva de análise do desenvolvimento das concepções dos estudantes durante um processo de discussão. Com as condições de inteligibilidade, plausibilidade e frutibilidade de Posner et alii (1982), pudemos enriquecer a análise baseada previamente nos programas. Mostramos com um exemplo videogravado durante uma aula que a nossa abordagem pode ser efetivamente usada como um instrumento analítico para ajudar o professor a entender e melhorar os processos de ensino e de aprendizagem.
    • Um estudo sobre formação de conceitos algébricos

      Paulovich,Leonardo (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Neste artigo relatamos uma investigação sobre a formação dos conceitos algébricos iniciais realizada com estudantes de uma classe de 7ª série de uma escola estadual de ensino fundamental e médio. Como suporte teórico para esta investigação, foi empregada a teoria de formação de conceitos elaborada por Lev Semenovich Vygotsky e descrita no seu livro Pensamento e Linguagem.
    • O escrito e o oral: uma discussão inicial sobre os métodos da História

      Garnica,Antonio Vicente Marafioti (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      O artigo procura discutir os métodos utilizados pela História, apresentando argumentos que advogam pela legitimidade do aproveitamento das fontes orais, contra a hegemonia das chamadas "fontes primárias". Argumenta sobre o equívoco de julgar as fontes escritas como mais seletivas ou menos tendenciosas que as orais, justificando como fundamental para as Ciências da Educação essa nova abordagem à História.
    • Realismo e anti-realismo na ciência: aspectos introdutórios de uma discussão sobre a natureza das teorias

      Silva,Marcos Rodrigues da (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      Este artigo apresenta, de forma sistemática, a discussão entre realismo e anti-realismo na ciência, tendo como objetivos principais a reconstrução e a crítica de ambas teorias.
    • A realidade do mundo da ciência: um desafio para a história, a filosofia e a educação científica

      Barra,Eduardo Salles O. (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      O esclarecimento e a justificação dos modos pelos quais as teorias científicas apreendem e não apreendem o mundo real são tratados como problemas pertinentes à história e filosofia da ciência. Pretende-se que estes sejam também desafios próprios da educação científica. A defesa de uma concepção realista das teorias científicas é mostrada como uma maneira adequada e consistente de enfrentar esse desafio.
    • Fragmentos da construção histórica do pensamento neo-empirista

      Nascimento Júnior,Antônio Fernandes (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 1998-01-01)
      O presente trabalho procura identificar as idéias principais na construção histórica do pensamento neo-empirista a partir da visão mecânica do mundo e do método hipotético-dedutivo de Descartes. O método indutivo moderno é apresentado por Bacon e os empiristas ingleses colaboram na questão do pensamento “a posteriori”. No século XIX surge o positivismo que exclui a metafísica e considera a explicação dos fatos apenas como relações de sucessão e similidade. É nesse âmbito que se constroem as bases do método experimental moderno. No início do século XX, se desenvolve a ciência neoempirista cujas principais proposições são (1) a idéia da verificabilidade como forma de conferir a veracidade das teorias a partir da indução e das probabilidades e (2) o crescimento contínuo e acumulativo do conhecimento científico. Popper apresenta a impossibilidade de se obter grandes teorias oriundas da indução e sugere a substituição da indução pela dedução e da verificabilidade pela falseabilidade. Kuhn afirma que o conhecimento científico depende de paradigmas convencionais e Lakatos explica que a ciência não é uma sucessão temporal de períodos normais e revoluções, e sim sua justaposição.
    • O trabalho em grupos no laboratório didático: reflexões a partir de um referencial psicanalítico

      Barolli,Elisabeth; Villani,Alberto (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 2000-01-01)
      As especificidades que observamos no modo com que alguns grupos de estudantes conduziam seu trabalho num laboratório didático de ensino superior, nos fizeram refletir sobre a possibilidade de compreender a articulação da dinâmica dos grupos, a partir de elementos que se encontravam além do alcance da cognição. Em analogia à visão de W. R. Bion, acerca do funcionamento dos grupos terapêuticos, pudemos dar significado a esses elementos e interpretar o trabalho dos estudantes no laboratório didático, a partir de uma perspectiva mais integrada, por assim dizer, uma vez que procuramos aproximar o campo da subjetividade do campo da cognição. Mais especificamente, a condução e a sustentação da dinâmica dos grupos de estudantes, do ponto de vista da construção do próprio contexto experimental, foram explicitadas com base no interjogo sobre o qual um grupo se estrutura: de um lado as estratégias não conscientes, compartilhadas anonimamente e, de outro, os objetivos conscientes, intenções e esforços dos indivíduos em trabalhar a partir de sua tarefa mais objetiva.
    • Corpo, comunicação e educação

      Bertolli Filho,Claudio; Obregon,Raquel Lange (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 2000-01-01)
      O objetivo deste artigo é discutir as dificuldades de comunicação de conteúdos relacionados ao corpo humano, no contexto dos processos de ensino e de aprendizagem na escola fundamental e média. Através da exposição das necessidades dos alunos e das reticências dos professores, apresenta-se algumas teorias sociais como estratégia mediadora e viabilizadora do melhor desempenho da ação pedagógica e da contribuição escolar para a constituição do educando enquanto sujeito social.
    • A natureza da ciência e a instrumentação para o ensino da física

      Medeiros,Alexandre; Bezerra Filho,Severino (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., 2000-01-01)
      O propósito deste artigo é o de examinar as convicções filosóficas que dão suporte aos comportamentos de alguns professores de física ao lidarem com o ensino da Física no contexto de um laboratório. Entrevistas foram feitas com professores de "Instrumentação para o Ensino da Física", normalmente apresentadas nos currículos desses cursos, assim como com professores secundários que tivessem previamente feito tal curso. As questões foram formuladas de tal modo que os sujeitos pudessem ser envolvidos numa conversa sobre como ensinar alguns assuntos da física e até que ponto seria importante apelar para a experimentação. Os resultados desta pesquisa revelaram perspectivas diferentes sobre o tema entre os sujeitos, principalmente posições indutivistas e realistas ingênuas, as quais são comentadas neste artigo.