Show simple item record

dc.contributor.authorJorge Adelino Costa
dc.contributor.authorAntónio Neto-Mendes
dc.contributor.authorAlexandre Ventura
dc.date.accessioned2019-10-25T05:30:13Z
dc.date.available2019-10-25T05:30:13Z
dc.date.created2017-09-25 09:39
dc.date.issued2009
dc.identifieroai:redalyc.org:34912395005
dc.identifierhttp://www.redalyc.org/articulo.oa?id=34912395005
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/20.500.12424/1346258
dc.description.abstractAs explicações, não obstante tratar-se de uma actividade ainda na sombra, constituem hoje um fenómeno crescentemente globalizado, cujas dimensões económico-financeiras, políticas e pedagógicas se encontram ainda longe de uma análise e reflexão suficientemente sustentadas. Se o recurso por parte dos alunos ao apoio particular (familiares, colegas, amigos, ou mesmo professores) sempre constituiu uma realidade presente nos processos de aprendizagem, o desenvolvimento exponencial que o mercado das explicações atingiu nas últimas décadas infligiu-lhe contornos bem diferentes, com o "explicador doméstico" tradicional a ceder lugar à empresa, ao grupo económico e às variadíssimas situações de franchising que se multiplicam por milhares de centros espalhados por todo o mundo. Neste artigo, pretendemos apresentar alguns dados da investigação que temos vindo a desenvolver sobre o assunto, nomeadamente os resultados de questionários aplicados a alunos do 12º ano das escolas do ensino secundário de uma cidade portuguesa, a Cidade Aquarela. Problematizaremos, ainda, esta questão através das repercussões que o fenómeno introduz no quadro das políticas educativas e suas implicações nos resultados escolares dos alunos. Se, nos anos sessenta, Bourdieu e Passeron nos apresentaram os "herdeiros", hoje, estaremos perante "novos herdeiros", pois estes alunos, para além da detenção do tal capital cultural de que falavam os autores, usufruem, simultaneamente, de mais aprendizagens requeridas pela escola que oficialmente frequentam, através de estratégias privadas complementares que fazem valer como vantagem competitiva na concorrência com os seus colegas menos favorecidos pela dupla herança familiar.
dc.format.mediumapplication/pdf
dc.languagept
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
dc.relation.ispartofhttp://www.redalyc.org/revista.oa?id=349
dc.rightsRevista Lusófona de Educação
dc.sourceRevista Lusófona de Educação (Portugal) Num.13
dc.subjectEducación
dc.subjectExplicações
dc.subjectmercado
dc.subjectescolas
dc.subjectsucesso
dc.subjectherdeiros
dc.titleAs explicações em estudo de caso: alguns dados da cidade de Aquarela
dc.typeArtículo científico
ge.collectioncodeOAIDATA
ge.dataimportlabelOAI metadata object
ge.identifier.legacyglobethics:11329960
ge.identifier.permalinkhttps://www.globethics.net/gel/11329960
ge.lastmodificationdate2017-09-25 09:39
ge.lastmodificationuseradmin@pointsoftware.ch (import)
ge.submissions0
ge.oai.exportid149403
ge.oai.repositoryid3008
ge.oai.streamid2
ge.setnameGlobeEthicsLib
ge.setspecglobeethicslib
ge.linkhttp://www.redalyc.org/articulo.oa?id=34912395005


This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record