• A deficiência em sua radicalidade ontológica e suas implicações éticas para as políticas de inclusão escolar

      Pagni, Pedro Angelo (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2017-12-30)
      Neste ensaio apresento os resultados parciais da pesquisa Biopolítica, ética da diferença e educação: outro olhar sobre a inclusão escolar - retratos da positividade da deficiência, apoiada pelos editais de Auxílio à Pesquisa da FAPESP, de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e de Bolsa Produtividade em Pesquisa do CNPq A deficiência em sua radicalidade ontológica e suas implicações éticas para as políticas de inclusão escolar Resumo: Este ensaio propõe conceber a deficiência como uma forma ética de vida que se funda em uma radicalidade ontológica e discute os seus efeitos políticos em instituições como a escola. A partir da ontologia do acidente, objetivamos contribuir para o delineamento das bases particulares das formas de vida deficientes e interpelar a sua associação a um devir que consiste no convívio com os efeitos dos acidentes sobre a vida humana. Argumentamos que esse devir comum conduz aos deficientes e ao seu entorno comunitário a transformações, cuja discussão, no caso ficcional e nas duas crônicas selecionadas, sugere que os efeitos políticos dos acidentes lancem essas vidas a uma improvisação existencial ou as façam descobrir que o improviso já estava determinado em sua existência pelos estados de dominação vigentes. Assim, propomos uma inclusão pautada na alteridade com esse ethos e no encontro dos demais atores com seu devir comum na escola.Palavras-chave: Ontologia do acidente; Deficiência; Ética; Inclusão escolar. The disability in your ontological radicalism and its ethical  implications for school inclusion policies Abstract: This essay proposes looking at disability as an ethical way of life is based on an ontological radicalism and discusses their effects in political institutions such as the school. Drawing from the ontology of the accident, we aim to contribute to the delineation of particular bases of disabled life forms and to question their association to a becoming common that is living with the effects of acidentes on human life. We argue that this becoming common leads to disabled people and their surroundings, whose transformations community discussion, in the fictional case and the two selected chronicles, suggests that the political effects of acidentes launch those lives to existential improvisation or to do find that improvisation was already determined in his existence by the states of current domination.  We therefore propose an inclusion based on otherness with this ethos and the meeting of other actors with his becoming common in school. Keywords: Ontology of the accident; Disabilities; Ethics; School inclusion. La discapacidad en su radicalidad ontológica y sus implicaciones  éticas de las políticas de inclusión en la escuela Resumen: Este  ensayo  se  propone  a  mirar  la  discapacidad  como  una  forma  de vida que se apoya en una radicalidad ontológica y a analizar sus efectos políticos en las instituciones como la escuela. Desde la ontología de accidente, nuestro objetivo es contribuir a la delimitación de las bases particulares de esas formas de vida e indagar su asociación a un devenir de aquellos que conviven con los efectos de los accidentes en la vida humana. Sostenemos que ese devenir común conduce a las personas con discapacidad y su entorno comunitario a transformaciones, cuya discusión, en el caso ficticio y las dos crónicas seleccionadas, sugiere que los efectos políticos de accidentes lanzan esas vidas a la improvisación existencial o les hacen descubrir que tal improvisación ya fue determinada en su existencia por los estados actuales de dominación.  Por lo tanto, proponemos una inclusión basada en la alteridad con este ethos y en lo encuentro de los demás actores con sudevenir común en la escuela.Palabras clave: Ontología del accidente; Discapacidad; Ética; Inclusión en la escuela. Data de registro: 17/05/2017 Data de aceite: 04/12/2016
    • A essencialidade da autoeficácia na aprendizagem autorregulada

      Lourenço, Abílio Afonso; Paiva, Maria Olímpia Almeida (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2017-04-27)
      A essencialidade da autoeficácia para a aprendizagem autorregulada Resumo: No contexto educativo, a perspetiva sociocognitiva concebe a autoeficácia para a aprendizagem como a percepção do aluno acerca das suas capacidades para aprender ou concretizar comportamentos escolares a um nível ambicionado, interpretando-a como uma componente fundamental no processo autorregulatório. Suportado nos racionais teóricos da autoeficácia de Bandura e nos processos autorregulatórios da aprendizagem de Zimmerman, este texto tem como objetivo fazer uma abordagem teórica e de reflexão sobre a importância das percepções de autoeficácia dos alunos na autorregulação das suas aprendizagens. Estas teorias realçam que os alunos, que normalmente consideram que são capazes de executar as atividades escolares sugeridas, usam mais estratégias cognitivas e metacognitivas no seu desempenho escolar, definem metas mais desafiantes, persistem mais na tarefa e alcançam níveis mais altos de realização. São apresentadas algumas sugestões para a prática pedagógica.Palavras-chave: Autoeficácia; Autorregulação da aprendizagem; Rendimento escolar. The essentiality of self-efficacy in self-regulated learning Abstract: In a school content, the socio-cognitive perspective frames self-efficacy as the students’ perception on both their learning skills and behavior concepts at the desired level within a specific range unraveling it as a fundamental component in a self- regulated procedure. Based both on the Bandura’s theoretical selfefficacy reasoning and Zimmerman’s self-regulated learning procedures, the current text has as its purpose a theoretical and reflexive approach on the students’ self-efficacy apprehension upon learning self-regulation. The underlying theoretical information to both patterns emphasizes the role of students who usually consider themselves to be able to carry out the implied schooling activities. These students are acknowledged for using more cognitive and meta-cognitive strategies in their school performance together with a definition of more challenging goals. Some suggestions for pedagogical practice are presented.Keywords: Self-efficacy; Self-regulated learning; School performance. La esencialidad de la auto-eficacia en el aprendizaje auto-regulado Resumen: En el contexto educativo, la perspectiva socio-cognitiva concibe la autoeficacia como la percepción de los estudiantes acerca de sus capacidades para aprender o poner en práctica comportamientos escolares, el nivel de ambición em un campo específico, interpretándolo como un componente fundamental en el proceso de auto-regulación. Con el respaldo de la teoría de la auto-eficacia de Bandura y de los procesos auto-regulatorios de aprendizaje de Zimmerman, el presente trabajo tiene como objetivo hacer una aproximación teórica y la reflexión sobre la importancia de la percepción de auto-eficacia de los alumnos en la autorregulación de su aprendizaje. La literatura que subyace en los dos modelos teóricos hace hincapié en que los estudiantes suelen considerar que no es capaz de realizar las actividades escolares sugeridas, utilizan estrategias cognitivas y meta-cognitivas más en su desempeño escolar, establecer metas más desafiantes, persiste más tempo en la tarea cuando se enfrentan dificultades y alcanzar mayores niveles de logro. Se presentan algunas sugerencias para la practica pedagógica.Palabras clave: Auto-eficacia; Auto-regulación del aprendizaje; Rendimiento escolar. Data de registro: 04/11/2014 Data de aceite: 17/02/2016
    • A filosofia e a filosofia da educação em elo recursivo

      Martinazzo, Celso José (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2017-04-30)
      A filosofia e a filosofia da educação em elo recursivo Resumo: O presente texto tem como objetivo refletir sobre os vínculos que interligam a Filosofia, enquanto reflexão sobre a realidade toda, com a Filosofia da Educação na sua tarefa específica de pensar o âmbito da formação humana. O foco da reflexão incide sobre um viés de compreensão que, historicamente, a Filosofia tem assumido e cujos reflexos demarcam e orientam o processo educacional. A análise da questão visa a demonstrar que a Filosofia, ao se exercer na forma de Filosofia da Educação, tem a tarefa, dentre outras, de servir de suporte para as questões epistemológicas do processo educacional. Sob este ângulo de reflexão a Filosofia da Educação pode ter seu potencial ampliado e ressignificado a partir de uma mudança paradigmática, ou seja, quando inspirada numa epistemologia complexa. Sob a ótica da complexidade a Filosofia e a Filosofia da Educação, enquanto campos de conhecimento distintos, podem ser entendidos, ao mesmo tempo, como áreas que se religam, se confundem e se intercomplementam, formando um anel recursivo entre si. Concluímos apontando algumas implicações da epistemologia complexa para o campo da Filosofia e da Filosofia da Educação.Palavras-chave: Filosofia; Filosofia da educação; Epistemologia; Racionalidade complexa. Philosophy and education philosophy in recursive link Abstract: The current text aims a reflection about the links that connect the Philosophy, as a reflection about the whole reality, with the Education Philosophy in its specific task of thinking the extent of human formation. The reflection focus concerns on comprehension bias which, historically, Philosophy has assumed and whose reflexes demarcate and guide the educational process. The question analysis intends to demonstrate that Philosophy, when practiced in the form of Education Philosophy, has the task of, among others, providing support to the epistemological issues of the educational process. From this angle of reflection the Education Philosophy may have its potential enlarged and reframed by means of a pragmatic change, that is, when inspired by a complex epistemology. Under the complexity viewpoint, Philosophy and Education Philosophy, as distinct fields of knowledge, may be understood, at the same time, as areas which can reconnected, con(fused) and complemente each other, creating a recursive ring between them. It is possible to conclude pointing out some complex epistemological implications to the Philosophy and Education Philosophy fields.Keywords: Philosophy; Education philosophy; Epistemology; Complex rationality. La filosofía y la filosofía de la educación, un vínculo recursivo Resumen: El presente texto, tiene como objetivo reflexionar en torno a las inter ligaciones generadas entre la Filosofía, puesto que esta posibilita reflexionar sobre toda la realidad, y la Filosofía de la Educación, en su tarea específica de pensar en el ámbito de la formación humana. El análisis em cuestión visa a demostrar que la Filosofía tiene la tarea, entre otras, de servir como soporte y fundamento para las cuestiones epistemológicas del processo educacional. Conforme este ángulo de reflexión la Filosofía de la Educación puede resignificar su potencial a partir de un cambio paradigmático, es decir, inspirada en una epistemología compleja. En esa óptica la Filosofía y la Filosofía de la Educación, como campos de conocimientos distintos, pueden ser entendidas como áreas que se ligan para formar un eslabón y se intercomplementan. De esta manera, se concluye aportando algunas implicaciones de la Epistemología Compleja para el campo de la Filosofía y de la Filosofía de la Educación.Palabras clave: Filosofía; Filosofía de la educación; Epistemología; Racionalidad compleja Data de registro: 24/08/2015 Data de aceite: 18/05/2016
    • A filosofia erva-daninha como uma proposta para a descolonização de saberes na educação e resistência aos desafios contemporâneos

      Garcia, Amanda Veloso (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2022-06-15)
      Resumo: A educação brasileira está estruturada a partir da colonialidade do saber (QUIJANO, 2005) que permeia a história do nosso território, determinando uma monocultura da mente (SHIVA, 2003) na forma como entendemos o mundo. No entanto, uma educação que tem em seu cerne currículos monoculturais e silencia de diferentes maneiras o pensamento próprio e local, leva a uma relação subalterna com o conhecimento. Diante de enormes desafios que o mundo contemporâneo em crise tem imposto, é necessário que repensemos os currículos escolares a fim de promover uma educação mais significativa para o mundo que está por vir. Com este artigo, temos como objetivo apontar caminhos para lidar com as diferenças no contexto escolar, ressignificando o que de fato é “daninho” para o mundo de hoje. Analisaremos a relação entre a monocultura da mente e do solo e a colonialidade do saber, apontando o potencial dos saberes não hegemônicos para resistir à colonialidade e suas consequências. Traremos como proposta uma filosofia erva-daninha que procura aprender com aquilo que foi descartado e considerado “daninho” pelo saber hegemônico, e que apresenta saberes e estratégias que nos permitem resistir aos desafios contemporâneos de maneira humanizada.  Palavras-chave: Colonialidade; Diferenças; pluralidade; Direitos Humanos; Monocultura.    The weed philosophy as a proposal for the decolonization of knowledge in education and resistance to contemporary challenges Abstract: Brazilian education is structured based on the coloniality of knowledge (QUIJANO, 2005) that permeates the history of our territory, determining a monoculture of the mind (SHIVA, 2003) in the way we understand the world. However, an education that has monocultural curricula at its core silences own and local thinking in different ways, leads to a subordinate relationship with knowledge. In view of the enormous challenges that the contemporary world in crisis has imposed, it is necessary that we rethink school curricula in order to promote a more meaningful education for the world to come. With this article, we aim to point out ways to deal with differences in the school context, redefining what is in fact “harmful” for today's world. We will analyze the relationship between the monoculture of mind and soil and the coloniality of knowledge, pointing out the potential of non-hegemonic knowledge to resist coloniality and its consequences. We will bring as a proposal a weed philosophy that seeks to learn from what was discarded and considered "harmful" by hegemonic knowledge, and that presents knowledge and strategies that allow us to resist contemporary challenges in a humanized way. Keywords: Coloniality; Differences; Plurality; Human Rights; Monoculture.   La filosofía de la maleza como propuesta de descolonización del saber en educación y resistencia a los desafíos contemporáneos Resumen: La educación brasileña está estructurada en base a la colonialidad del saber (QUIJANO, 2005) que impregna la historia de nuestro territorio, determinando un monocultivo de la mente (SHIVA, 2003) en la forma en que entendemos el mundo. Sin embargo, una educación que tiene currículos monoculturales en su núcleo y silencia de diferentes maneras el pensamiento proprio e local, conduce a una relación subordinada com el conocimiento. Frente a los enormes desafíos que el mundo contemporáneo en crisis ha impuesto, necesitamos repensar los planes de estudio escolares para promover una educación más significativa para el mundo venidero. Con este artículo, nuestro objetivo es señalar formas de lidiar con las diferencias en el contexto escolar, volviendo a significar lo que de hecho es "perjudicial" para el mundo de hoy. Analizaremos la relación entre el monocultivo de la mente y el suelo y la colonialidad del saber, señalando el potencial del saber no hegemónico para resistir la colonialidad y sus consecuencias. Traeremos como propuesta una filosofía de la maleza que busca aprender de lo descartado y considerado “nocivo” por los saberes hegemónicos, y que presenta saberes y estrategias que nos permiten resistir los desafíos contemporáneos de forma humanizada. Palabras clave: Colonialidad; Diferencias; Pluralidad; Derechos Humanos; Monocultivo.
    • A formação política do professor:: um olhar sobre a história

      Ghedin, Evandro; César Macêdo Maciel, Carlos (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2022-01-06)
      A formação política do professor: um olhar sobre a história Resumo: A presente pesquisa tem como finalidade possibilitar uma compreensão do desenvolvimento dos processos de formação política dos professores no âmago de um corpo social capitalista, objetivando fornecer as condições necessárias para repensar o contexto contemporâneo fundamentado na história. Partindo essencialmente da formação de professores, essa compreensão foi relacionada ao cenário político, econômico e social, uma vez que são as influências políticas reinantes no corpo social que sistematizam os processos formativos. A partir disso foram elaboradas observações a respeito dos referenciais teóricos que trabalham a temática; o exame dos contrassensos da formação política no corpo social capitalista; o professor enquanto intelectual orgânico; função política e social do professor no contexto da educação brasileira, assim como o delineamento dessa educação no contexto neoliberal e sua privatização. Tratou-se de uma Pesquisa Bibliográfica, de natureza Qualitativa. Este estudo permitiu compreender que é há a necessidade de discorrer sobre a formação de professores, uma vez que compreendemos que o contexto histórico da formação política do professor já necessitaria ser uma fase conquistada no momento em que objetivamos alcançar uma formação pedagógica de suma importância para todos os sujeitos. Palavras-chave: Formação Docente; Formação Política; História; Educação. Teacher policy education: a look at history Abstract: The purpose of this research is to enable an understanding of the development of teachers' political formation processes in the core of a capitalist social body, aiming to provide the necessary conditions to rethink the contemporary context grounded in history. Starting essentially from teacher education, this understanding was related to the political, economic and social scenario, since it is the reigning political influences in the social body that systematize the formative processes. From this, observations were elaborated about the theoretical references that work the theme; the examination of the countermeasures of political formation in the capitalist social body; the teacher as an organic intellectual; political and social function of the teacher in the context of Brazilian education, as well as the delineation of this education in the neoliberal context and its privatization. It was a Bibliographic Research, of a Qualitative nature. This study allowed us to understand that there is a need to talk about teacher education, since we understand that the historical context of political teacher education would already need to be a stage achieved when we aim to achieve a pedagogical training of paramount importance for all the subjects. Key-words: Teacher Training; Political Formation; Story; Education. La formación política del profesor: una mirada a la historia Résumé: La presente investigación tiene como objetivo permitir una comprensión del desarrollo de los procesos de formación política de los docentes en el núcleo de un cuerpo social capitalista, con el objetivo de proporcionar las condiciones necesarias para repensar el contexto contemporáneo basado en la historia. Fundamentalmente basado en la formación del profesorado, esta comprensión estuvo relacionada con el escenario político, económico y social, ya que son las influencias políticas que prevalecen en el cuerpo social las que sistematizan los procesos de formación. En base a eso, se hicieron observaciones sobre los marcos teóricos que funcionan con el tema; el examen de las contradicciones de la formación política en el cuerpo social capitalista; el profesor como intelectual orgánico; función política y social del docente en el contexto de la educación brasileña, así como el diseño de esa educación en el contexto neoliberal y su privatización. Fue una Investigación Bibliográfica, de carácter Cualitativo. Este estudio permitió comprender que existe la necesidad de hablar de formación docente, pues entendemos que el contexto histórico de la formación política docente ya tendría que ser una etapa alcanzada en la que pretendemos lograr una formación pedagógica de suma importancia para todos los actores. asignaturas. Palabras clave: Formación Docente; Formación Política; Historia; Educación. Data de registro: 03/04/2020 Data de aceite: 20/10/2021
    • A função da imitação no projeto educativo da República e a questão do estilo imitativo dos diálogos de Platão

      Cecílio, Guilherme da Costa Assunção (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2017-08-30)
      A função da imitação no projeto educativo da República e a questão do estilo imitativo dos diálogos de Platão Resumo: O correto entendimento da teoria platônica da imitação – μίμησις – evidencia que o filósofo não tem objeções à imitação em si; muito pelo contrário, ela é um recurso de grande importância para seu projeto educativo e filosófico. Essa compreensão nos possibilita redimensionar a crítica à poesia apresentada na República e também justificar o gênero de sua obra filosófica. Palavras-chave: Platão; República; Imitação; Educação. The role of imitation in the Republic's educational project and the question of the imitative style of Plato's dialogues Abstract: The correct understanding of Plato’s theory of imitation – μίμησις – shows that the philosopher does not have any objection to imitation as such; on the contrary, it is a resource of the utmost importance to his educational and philosophical project. This understanding allows us to grasp the real scope of the critique of poetry presented in his Republic and to justify the style of his own philosophical work.   Keywords: Plato; Republic; Imitation; Education. La funzione dell'imitazione nel progetto educativo della Repubblica e la questione delllo stile imitativo dei dialoghi di Platone Riassunto: La corretta comprensione della teoria platonica dell'imitazione - μίμησις - evidenzia che il filosofo non ha obiezioni sull'imitazione in sé; al contrario, essa è una risorsa di grande importanza per il suo progetto educativo e filosofico. Questa comprensione ci permette di ridimensionare la critica alla poesia presentata nella Repubblica e anche di giustificare il genere della sua opera filosofica. Parole chiave: Platone; Repubblica; Imitazione; Educazione. Data de registro: 19/12/2015 Data de aceite: 18/05/2016
    • A interpretação de Benveniste sobre as Categorias de Aristóteles

      da Silva, Flávia Santos; Chaves-Tannús, Marcio (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2017-08-30)
      A interpretação de Benveniste sobre as Categorias de Aristóteles Resumo: As "Categorias" de Aristóteles, sobre o estudo do termo e dos diferentes gêneros do ser, têm provocado uma série de discussões e interpretações no meio científico, tanto na Filosofia como em outras disciplinas a ela relacionadas. A esse respeito, Émile Benveniste escreve o artigo "Catégories de pensée et catégories de langue", em 1958. Esse texto, por sua vez, foi lido por alguns especialistas da Filosofia e recebeu interpretações. Dentre elas, Lallot e Ildefonse (2002) afirmam que Benveniste defende um tipo de determinismo linguístico e Pellegrin e Crubellier (2007), que a relação entre língua e pensamento é posta por ele apenas em termos gramaticais. Desta maneira, neste trabalho, temos o objetivo de examinar essas duas interpretações, comparando-as com o próprio texto de Aristóteles, a fim de discutir alguns problemas postos pela tradição por oportunidade da leitura desse autor. Palavras-chave: Aristóteles; Benveniste; Categorias; Língua; Mundo. Benveniste's interpretation about Aristotle's Categories Abstract: The book Categories from Aristotle, about the study of the term and the different genres of beings, has caused a series of discussions and academic interpretations, both in Philosophy and in other disciplines related to it. Concerning this point, Émile Benveniste writes an article named Catégories de pensée et catégories de langue in 1958. This text was read by some specialists in the realm of Philosophy and has received some different interpretations. Among them, Lallot and Ildefonse (2002) affirm that Benveniste defends a type of linguistic determinism and Pellegrin and Crubellier (2007) say that the relation between thought and language is conceived by him in terms of grammar. In this article, we aim at analyzing both interpretations, comparing them to Aristotle's book itself in order to discuss some problems promulgated by the tradition. Keywords: Aristotle; Benveniste; Categories; Language; World. L'interprétation de Benveniste sur les Catégories d'Aristote Résumé: Les "Catégories" d'Aristote, sur l'étude du terme et des différents genres de l'être, suscite beaucoup de discussions et interprétations dans le milieu scientifique, dans la Philosophie aussi que dans les autres disciplines qui ont un rapport avec elle. À propos de cela, Émile Benveniste écrit l'article "Catégories de pensée et catégories de langue" en 1958. De son côté, ce texte a été lu par des spécialistes de la Philosophie et il a réçu quelques interprétations. Parmi celles-là, Lallot et Ildefonse (2002) assurent que Benvenise soutient un type de déterminisme linguistique et Pellegrin et Crubellier (2007) disent que la relation entre la langue et la pensée se fait seulement en termes grammaticales chez Benveniste. De cette manière, on a l'objectif de discuter ces interprétations, en les comparant avec le texte même d'Aristote pour faire un examen minutieux de quelques problèmes posés par la tradition, présents au moment de la lecture de cet auteur. Mots-clés: Aristote; Benveniste; Catégories; Langue; Monde. Data de registro: 19/01/2016 Data de aceite: 26/10/2017  
    • A "bildung" hegeliana ainda nos é uma proposta possível?

      Nicolau, Marcos Fábio Alexandre (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2016-03-21)
      *Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Assistente do Curso de Filosofia e Colaborador no Mestrado Profissional em Saúde da Família da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).A bildung hegeliana ainda nos é uma proposta possível?Resumo: Meu intuito neste artigo é saber se a Bildung, em seu matiz hegeliano, pode ser ainda uma proposta válida e fornecedora de valores capazes de viabilizar uma alternativa a problemas do âmbito educacional. Isso porque o ideal da Bildung em Hegel não deixa de ser marcado pela esperança de um progresso, de um aperfeiçoamento, que alguns descartam por não poder tomá-lo como algo efetível, realizável ou concretizável, além de estabelecer um necessitarismo formativo que constrange os indivíduos a um determinado tipo de formação. A partir de uma leitura pedagógica da obra hegeliana, almejo apresentar elementos que ainda tornam sua proposta formativa válida na contemporaneidade, rebatendo algumas críticas quanto a sua viabilidade.Palavras-chave: Bildung. Aperfeiçoamento. Reconhecimento. Educação contemporânea.A bildung hegeliana ainda nos é uma proposta possível?Abstract: My purpose in this article is to know if the Bildung in its Hegelian hue, can still be a valid tender and provider of values that are capable to enable an alternative to problems of the educational context. That’s because the ideal of Bildung in Hegel does not let not be marked by the hope of a progress, an improvement that some cast off because they can not take it as something effective, achievable or realizable, besides to establish a formative need which constrains individuals a specific kind of training. From a pedagogical reading of Hegel’s work I intend to introduce elements that still make his formative proposal valid in the con­temporary society, rebutting some criticism regarding its viability.Keywords: Bildung. Improvement. Acknowledgement. Contemporary education.Data de registro: 26/03/2014Data de aceite: 21/01/2015Referências:ARISTÓTELES. Metafísica – Livros I e II. São Paulo: Abril Cultural, 1974 (Coleção Os Pensadores).BARBOSA, R. A formação pela ciência: Schelling e a ideia de universidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.GADAMER, H.-G. Verdad y método. Salamanca: Sígueme, 1984.GUR-ZE’EV, I. A Bildung e a teoria crítica na era da educação pós-moderna. Linhas Críticas, Brasília, V. 12, n. 22, p. 5-22, jul./dez. 2006.HEGEL, G. W. F. Correpondance I – 1785-1812. Tradução de Jean Carrère. Paris: Gallimard, 1962._____. Fenomenologia do espírito. V. I. Tradução de Paulo Meneses com colaboração de Karl-Heinz Efken. Petrópolis: Vozes, 2001._____. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio III: filosofia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. São Paulo: Loyola, 1995._____. Rede zum Schuljahrabschluss am 14. September 1810. In: MOLDENHAUER,E.; MICHEL, K. M. (Org.). Hegel Werke in 20 Bänden – V. 4 – Nürnberger und Heidelberger Schriften: 1808-1917. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996._____. Lições sobre a história da filosofia. Tradução Joaquim Nabuco. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os Pensadores)._____. Filosofia do direito. Tradução de Paulo Meneses, et al. São Paulo: Edições Loyola, 2010.HOUAISS. A; VILLAR, M. de S; FRANCO, F. M. de. M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.HUIZINGA, J. Homo ludens. Tradução de Eugenio Imaz. Madrid: Alianza Editorial, 2007.LESSING, G. E. Escritos filosóficos y teológicos. Tradução Augustin Andreu Rodrigo. Madrid: Editora Nacional, 1982.QUINTALE NETO, F. Para uma interpretação do conceito de Bildungsroman.Pandemonium Germanicum, São Paulo, v. 8, n. 9, p. 185-205, Out. 2005.SCHMIED-KOWARZIK, W. Pedagogia dialética: de Aristóteles a PauloFreire. São Paulo: Brasiliense, 1988._____. Hegel e a pedagogia. In: DALBOSCO, C.A.; FLICKINGER, H.G.(Org.). Educação e maioridade: dimensões da racionalidade pedagógica.São Paulo / PassoFundo: Cortez / Ed. da Universidade de Passo Fundo, p.153-179, 2005.SPEIGHT, A. Hegel, Literature and the problem of agency. Cambridge:Cambridge University Press, 2001. https://doi.org/10.1017/CBO9780511612831SUAREZ, R. Nota sobre o conceito de Bildung (formação cultural). Kriterion, Belo Horizonte, n. 12, p. 191-198, Dez. 2005.VATTIMO, G. Da Nietzsche a Huntington, como evitare lo scontro de civiltà nella Babbel postmoderna: Solo l’estetica ci puó salvare. La Stampa, 31 de Ottobre 2001, p. 32. Disponível em: <http://www.archiviolastampa.it/component/option,com_lastampa/task,search/mod,libera/action,viewer/Itemid,3/page,32/articleid,0346_01_2001_0300_0032_3091573/anews,-true/>. Acesso em: 02 Dez. 2014. 
    • A 'Orfandade' da Filosofia - Funções e uso da imagem na República

      de Pina, Maria da Graça Gomes (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2010-12-20)
      Com este atributo pretendemos analisar o conteúdo metafórico de algumas imagens importantes do livro da Republica, tentando mostrar o alcance epistemico das mesmas na construção de um discurso sobre a formação paidêutica do filósofo.
    • A ABORDAGEM REFLEXIVO-DIALÓGICA NA FORMAÇÃO DE FORMADORES ON-LINE: POSSIBILIDADES E DESAFIOS

      Nunes, Lina Cardoso; Garfinkel, Mirian (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2008-03-27)
      O presente aritgo aborda as peculiaridades e diferentes estratégias que o mundo on-line requer na práxis cotidiana transitanto por conceitos como cibercultura, interaitvidade, hipertexto, autonomia, entre outros. Assim sendo, a formação de formadores precisa se voltar para uma perspecitva dialógico-reflexiva capaz de estimular vínculos que facilitem aconstrução de redes de conhecimento e saberes. São de inestimável valor as contribuições teóricas de Freire, Habermas, Bakhting, Buber, Shon e Levy. O espaço para que a educação on-line, atinja sua plenitude precisa estar em sintonia com o saber saber, saber fazer e saber aprender.
    • A Alfabetização de adultos. In.: Ação Cultural para a liberdade e outros escritos - Paulo Freire

      Tannus, Márcio Chaves- (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2009-04-28)
    • A aprendizagem filosófica na formação de professores: : proposta de um Ateliê Filosófico Transdisciplinar

      Marques, Alexsandro da Silva (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2021-10-29)
      A aprendizagem filosófica na formação de professores: proposta de um Ateliê Filosófico Transdisciplinar 1 Resumo: Este artigo é uma reflexão sobre a criação de um Ateliê Filosófico Transdisciplinar para fazer-pensar a formação de professores e a aprendizagem filosófica, a partir de oficinas didático-formativas que possibilitem aos estudantes de diferentes cursos de licenciaturas a experienciarem em seus processos formativos a prática da meditação como possibilidade didática para o desenvolvimento da aprendizagem filosófica do autoconhecimento. Busca-se fortalecer e promover experiências que estimulem a reflexão, o cuidado com a alteridade, a comunicação dialógica e a ética, a partir de uma visão complexa, fenomenológica, transdisciplinar e polilógica. A formação institucional tradicional é tensionada a repensar o papel da filosofia na formação de professores para além de uma disciplina monológica, específica de conteúdos da tradição canônica, porém sem discriminá-los, mas fazer vê-los emergir das inquietudes humanas dos sujeitos educadores em transformação. Palavras-chave: Ateliê Filosófico; Aprendizagem Filosófica; Autoconhecimento; Formação de Professores.   Philosophical learning in teacher education: proposal of a Transdisciplinary Philosophical Workshop Abstract: this article is a reflection on the creation of a Transdisciplinary Philosophical Workshop to make teacher education and philosophical learning think-through, from didactic-formative workshops that enable students from different undergraduate courses to experience their formative processes. The practice of meditation as a didactic possibility for the development of philosophical learning of self-knowledge. We seek to strengthen and promote experiences that stimulate reflection, care for otherness, dialogical communication and ethics, from a complex, phenomenological, transdisciplinary and polylogical view. The traditional institutional formation is tensioned to rethink the role of philosophy in the formation of teachers beyond a monological discipline, specific of canonical tradition contents, but without discriminating them, but seeing them emerge from the human concerns of the changing educating subjects. . Keywords: Philosophical Studio; Philosophical learning; Self knowledge; Teacher training. Aprendizaje filosófico en la formación docente: propuesta de un taller filosófico transdisciplinario Resumen: Este artículo es una reflexión sobre la creación de un Taller Filosófico Transdisciplinario para reflexionar sobre la formación docente y el aprendizaje filosófico, a partir de talleres didáctico-formativos que permiten a los estudiantes de diferentes cursos de pregrado experimentar sus procesos formativos. La práctica de la meditación como una posibilidad didáctica para el desarrollo del aprendizaje filosófico del autoconocimiento. Buscamos fortalecer y promover experiencias que estimulen la reflexión, el cuidado de la otredad, la comunicación dialógica y la ética, desde una visión compleja, fenomenológica, transdisciplinaria y polilógica. La formación institucional tradicional está tensada para repensar el papel de la filosofía en la formación de docentes más allá de una disciplina monológica, específica de los contenidos de la tradición canónica, pero sin discriminarlos, pero al verlos emerger de las preocupaciones humanas de las materias educativas cambiantes. Palabras clave: Philosophical Studio; Aprendizaje filosófico; Conocimiento de sí mismo; Formación de profesores. Data de registro: 05/10/2019 Data de aceite: 22/09/2021 1 O presente trabalho foi realizado com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) –Brasil –Código de Financiamento 001
    • A APROPRIAÇÃO DE ARISTÓTELES POR JOHN DEWEY

      As pesquisas que originaram este trabalho foram subsidiadas pelo Conselho Nacionalde Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).; Pimenta de Araújo, Rita de Cássia; da Cunha, Marcus Vinicíus (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2011-07-20)
      * Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista e Professora Adjunto da Universidade Federal do Piauí.** Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista e Professor de Filosofia da Educação e História da Educação do Curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.As pesquisas que originaram este trabalho foram subsidiadas pelo Conselho Nacionalde Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).A apropriação de aristóteles por john deweyResumo: Este artigo analisa as relações entre as filosofias de John Dewey e Aristóteles, tomando como objeto de estudo o livro Logic: the theory of inquiry. Nesse livro, publicado em 1938, Dewey conclui suas reflexões sobre a teoria lógica apresentadas principalmente em Como pensamos, obra que mostra a relevância desse tema para a educação. A primeira parte do artigo é composta por um breve histórico da lógica, desde Aristóteles até o início do século XX; as duas partes seguintes apresentam o argumento do autor acerca da lógica aristotélica; a quarta parte expõe a teoria proposta por Dewey e as duas últimas seções analisam como Dewey vê Aristóteles, considerando a via interpretativa oriunda da escolástica e o movimento contemporâneo de revisão das ideias aristotélicas. No intuito de oferecer contribuições para futuros estudos, o trabalho também discute a apropriação de Aristóteles por Dewey e sugere algumas hipóteses sobre esse tema.Palavras-chave: John Dewey. Aristóteles. Lógica. Teoria da Investigação.Abstract: This article analyses the relationship between John Dewey’s and Aristotle’s philosophies, adopting as reference the book Logic: the theory of inquiry. In this book, published in 1938, Dewey concludes his reflexions about logic theory, specially presented in How we think, a work that shows the relevance of this theme for education. The first part of the article is composed by a brief history of logic, since Aristotle until the early 1950s; the two subsequent parts explain the author’s arguments about Aristotelian logic; the fourth presents the theory proposed by Dewey and the last two analyses how Dewey sees Aristotle, considering the interpretative way originated from scholastic and also the contemporary movement that review the Aristotelian ideas. In order to offer contributions to future studies, the article also discusses the appropriation of Aristotle by Dewey and suggests some hypothesis about this theme.Keywords: John Dewey. Aristotle. Logic. Theory of Inquiry.Referências:ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.ARAÚJO, R. C. P. Lógica, investigação e democracia no discurso educacional de John Dewey. 2009. 180f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2009.ARAÚJO, R. C. P. & CUNHA, M. V. Lógica e educação em John Dewey. In: PAGNI, P. A. (Org.). II Simpósio Internacional em Educação e Filosofia. Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp, 2008. CD-ROM.ARISTÓTELES. Órganon. Tradução Edson Bini. Bauru/SP: EDIPRO, 2005.______. Metafísica. Tradução Edson Bini. Bauru/SP: EDIPRO, 2006.BERTI, E. Aristóteles no século XX. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 1997._______. As razões de Aristóteles. Tradução Dion Davi Macedo. 2 edição. São Paulo: Loyola, 2002.CHAMBLISS, J. J. The influence of Plato and Aristotle on John Dewey’s philosophy. Lewinston: The Edwin Mellen, 1990.COPI, I. M. Introdução à lógica. 2. ed. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Mestre Jou, 1978.BINI, E. Dados biográficos. In: ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Bauru: EDIPRO, 2002. p. 9-15.CUNHA, M. V. John Dewey: uma filosofia para educadores em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1994.______. Comunicação e arte, ou a arte da comunicação, em John Dewey. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 86, n. 213/214, p. 9-20, maio/dez. 2005a.______. Recontextualização e retórica na análise de discursos pedagógicos. In: SOUZA, R. F. & VALDEMARIN, V. T. (Orgs.). A cultura escolar em debate: questões conceituais, metodológicas e desafios para a pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2005b. p. 179-207.______. John Dewey, o dragão cético. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 45-63, jul./dez. 2006.______. O conhecimento e a formação humana no pensamento de Aristóteles. In: PAGNI, P. A. & SILVA, D. J. (Orgs.). Introdução à filosofia da educação: temas contemporâneos e história. São Paulo: Avercamp, 2007a. p. 60-84.______. História da Educação e Retórica: ethos e pathos como meios de prova. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 37-60, jul./dez. 2007b.______. Leituras e desleituras da obra de John Dewey. In: BENCOSTA, M. L. (Org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007c. p. 357-378.CUNHA, M. V; RIBEIRO, A. P. & RASSI, N. A presença de Aristóteles no livro Como pensamos de John Dewey. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 46, p. 83-107, dez. 2007.CUNHA, M. V; SACRAMENTO, L. F. Os gregos nas estratégias argumentativas de John Dewey. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 12, n. 35, p. 278-289, maio/ago. 2007.DA COSTA, N. Ensaio sobre os fundamentos da lógica. São Paulo: HUCITEC/Universidade de São Paulo, 1980.DEWEY, J. Logic: the theory of inquiry. Nova York: Henry Holt and Company, 1938.______. Como pensamos. 2. ed. Tradução Godofredo Rangel. São Paulo: Nacional, 1953.______. Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo (uma reexposição). 4. ed. Tradução Haydée Camargo Campos. São Paulo: Nacional, 1959a.______. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 3. ed. Tradução Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Nacional, 1959b.______. The early works (1882-1898). v. 3: 1889-1892. Carbondale: Southern Illinois University, 1969.DUTRA, L. H. A. Oposições filosóficas: a epistemologia e suas polêmicas. Florianópolis: UFSC, 2005.GARRISON, J. Introdução à teoria do raciocínio prático de Dewey. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 13-43, 2006.GOMES, P. Notas. In: ARISTÓTELES. Organon. v. 3. Tradução Pinharanda Gomes. Lisboa: Guimarães Editores, 1986. p. 247-253HAACK, S. Filosofia das lógicas. Tradução Cezar A. Mortari e Luiz Henrique de A. Dutra. São Paulo: UNESP, 2002.LLOYD, G. E. R. Aristotle: the growth and structure of his thought. Cambridge: Cambridge University, 1999.MEYER, M. Prefácio. In: ARISTÓTELES. Retórica das paixões. Tradução Isis Borges B. da Fonseca. São Paulo: Martins Fontes, 2000. p. 17-51MORTARI, C. A. Introdução à lógica. São Paulo: UNESP, 2001.PARODI, D. Knowledge and action in Dewey’s philosophy. In: SCHILPP, P. A. & HAHN, L. E. (Orgs.). The philosophy of John Dewey. The library of living philosophers, vol. I. 3. ed. Carbondale: Southern Illinois University, 1989. p. 227-242PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.PORCHAT PEREIRA, O. Ciência e dialética em Aristóteles. São Paulo: UNESP, 2001.RANDALL Jr., J. Dewey’s interpretation of the history of philosophy. In: SCHILPP, P. A. & HAHN, L. E. (Orgs.). The philosophy of John Dewey. The Library of Living Philosophers, vol. I. 3. ed. Carbondale: Southern Illinois University, 1989. p. 75-102REALE, G. História da filosofia antiga. vol. II. 2. ed. Tradução Henrique C. de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 2002.Data de Registro: 16/09/2009Data de Aceite: 08/08/2010
    • A ARTE DA PERSUASÃO: RETÓRICA E MODOS CORRETOS DE FALAR E ESCREVER NA COMPANHIA DE JESUS NO SÉCULO XVI

      Capes e Fapemig; de Faria*, Marcos Roberto (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2014-09-24)
      * Doutor em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com Bolsa Sanduíche (CAPES) pelo Dipartimento di Filosofia da Università degli Studi di Udine – Itália (2008-2009). Professor de História e Filosofia da Educação no Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Alfenas – MG. E-mail: marcosfaria07@yahoo.com.brResumoO objetivo deste artigo é apresentar a relação entre retórica e os modos corretos de falar e escrever, a partir de documentos do período de fundação da Companhia de Jesus. O artigo aponta que, assim como ocorreu nos séculos XII e XIII, os jesuítas combinaram a arte de escrever cartas com a de fazer discursos. Herdada da tradição retórica, a formalidade do discurso contido nas missivas jesuíticas dá-lhes credibilidade. Para verificar como se dava a arte da persuasão pela fala, o artigo faz uso de algumas cartas jesuíticas que demonstravam as técnicas usadas pelos inacianos para se aproximarem dos nativos da América portuguesa, a fim de que a pregação da doutrina fosse assimilada por eles. Por fim, o texto apresenta algumas missivas que determinaram os modos corretos de escrever no início da organização da Companhia de Jesus.Palavras-chave: Retórica. Contra-Reforma. Companhia de Jesus.AbstractThis paper explains the relationship between rhetoric and the correct ways of speaking and writing, based on documents from the time when the Society of Jesus was founded. It shows that, as happened in the twelfth and thirteenth centuries, the Jesuits combined the art of writing letters and making speeches. Inherited from the rhetorical tradition, the formality of discourse contained in Jesuit letters lent them credibility. To investigate the art of persuasion through speech, this paper makes useof some Jesuit letters demonstrating the techniques used by the Jesuits to build relationships with Portuguese-speaking Latin Americans so the doctrine they preached was assimilated by them. Finally, the paper presents some letters that establish the correct ways to write in the early day of the Society of Jesus.Keywords: Rhetoric. Counter-Reformation. The Society of Jesus.Apoio: CAPES e FAPEMIGReferênciasADVERSE, Helton. Maquiavel: política e retórica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.BARROS, Maria Candida Drumond Mendes. “O ofício de falar: o perfil do ‘Língua’ (intérprete) no Brasil do século XVI”. In: NEGRO, Sandra; MARZAL, Manuel M. (Org.). Un Reino en la frontera: las missiones jesuitas en la América Colonial. Lima: Fondo Editorial de la Pontificia Universidad Católica del Perú, 1999.BROUWER, Desclee de. Ignace de Loyola: Écrits. Collection Christus, n. 76. Paris, 1991.CARVALHO, L. R. de. Descartes e os ideais de uma pedagogia moderna. Revista de História. São Paulo, São Paulo, v. 5, n. 12, p. 449-453, out./dez. 1952.CASTELNAU-L’ESTOILE, C. Operários de uma vinha estéril: os jesuítas e a conversão dos índios no Brasil – 1580-1620. Bauru: Edusc, 2006.EISENBERG, J. As missões jesuíticas e o pensamento político moderno: encontros culturais, aventuras teóricas. Belo Horizonte: UFMG, 2000.GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.HAMILTON, D. Notas de lugar nenhum: sobre os primórdios da escolarização moderna. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, v.1, n. 1, p. 45-73 , jan./jun. 2001.HANSEN, J. A. Ratio studiorume política católica ibérica no século XVII. In: VIDAL, Diana G.; HILSDORF, Maria Lúcia S. (Org.). Tópicas em história da educação. São Paulo: Edusp, 2001a.______. A civilização pela palavra. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b.______. Educando príncipes no espelho. In: FREITAS, Marcos Cezar; KUHLMANN JR., Moysés (Org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.______. A escrita da conversão: Anchieta e a poesia em tupi. Revista Estudos, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 11-41, Mar. 2003.______. A sátira e o engenho: Gregório de Matos e a Bahia do século XVII. 2. ed. rev. Campinas: Ateliê Editorial; Editora da Unicamp, 2004.LEITE, S. da S. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1938 – 1949. v. 10.LONDOÑO, F. T. Escrevendo cartas. Jesuítas, escrita e missão no século XVI. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 22, n. 43, p.11-32, Jul. 2002.LOYOLA, I. de. Constituciones de la Compañia de Jesus. In: ______.Obras completas de San Inácio deLoyola.Madri: Biblioteca de Autores Cristianos, 1963.MONUMENTA IGNATIANA: Epistolae et Instructionest. I. Roma: Monumenta Historica Societatis Iesu, 1903.O’MALLEY, J. W. Os primeiros jesuítas. Bauru: Edusc, 2004.PÉCORA, A. Cartas à Segunda Escolástica. In: NOVAES, A. A outra margem doocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.SKINNER, Q. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.SOARES, C. S. I. Arte de retórica: três livros extraídos sobretudo de Aristóteles, Cícero e Quintiliano. Tradução de Silvério Augusto Benedito (mimeog.). Parte integrante da dissertação de mestrado em literaturas clássicas – área de literatura latina, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, 1995.Data de registro: 22/06/2012Data de aceite: 21/08/2013
    • A articulação entre infância, cidadania e história: uma questão para a pedagogia

      Veríssimo, Maria Rúbia Alves Marques (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2008-10-30)
    • A Atlandida e os ciclos em Vico

      dos Santos, Vladimir Chaves (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2010-05-11)
      A teoria ciclica da historia tem muitas variantes. Em Vico a teoria ciclica é adaptada a teoria do progresso.
    • A ATUAÇÃO DA CONGREGAÇÃO DO SAGRADO CORAÇÃO DE MARIA DE BERLAAR EM MINAS GERAIS, BRASIL (1907-1971): APONTAMENTOS HISTÓRICOS E HISTOGRÁFICOS DA EDUCAÇÃO A PARTIR DE ARQUIVOS E FONTES

      Apoio: CNPq. FAPEMIG.; Lima, Geraldo Gonçalves de; Gatti Júnior, Décio (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2016-11-08)
      Resumo:  O intuito da presente exposição consiste em abordar as evidências disponíveis para os pesquisadores que pretendem investigar a chegada e a atuação da Congregação do Sagrado Coração de Maria de Berlaar na educação católica, considerando o período entre a chegada das missionárias ao Brasil (1907) e a publicação da Lei nº. 5692/1971 (Reforma de 1º e 2º graus), com destaque para as seguintes fontes, dispostas em arquivos: documentos eclesiais, legislações, manuais, registros (cadernos; boletins; livros de atas; diários; correspondências). Consistem em documentação de grande importância para o entendimento da educação católica ao longo do século XX, destacadamente em Minas Gerais. A fundação da Congregação das irmãs do Sagrado Coração de Maria de Berlaar ocorre em 1845, na Bélgica, no contexto de renovação e de propagação eclesial missionária católica, destacando-se a educação como forma de difusão doutrinária. Em Minas Gerais, a expansão escolar da congregação abrange destacadamente cidades como Montes Claros, Araguari, Patrocínio, Pará de Minas e Belo Horizonte.Palavras-chave: Educação. História da Educação. Educação Católica. Fontes e arquivos. Congregação das Irmãs do Sagrado Coração de Maria de Berlaar.THE PERFORMANCE OF THE CONGREGATION OF THE SACRED HEART OF MARY BERLAAR IN MINAS GERAIS, BRAZIL (1907-1971): HISTORICAL NOTES AND EDUCATIONB HISTORIOGRAPHICAL FROM THES FILES AND SOURCESAbstract:  The aim of this exhibition is to address the evidence available to researchers intend to investigate the arrival and the work of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar in catholic education, considering the period between the arrival of the missionaries to Brazil (1907) and the publication of Law n. 5692/1971 (Reform 1st and 2nd degrees), with emphasis on the following sources, arranged in files: church documents, laws, manuals, records (books, newsletters, books of minutes, diaries, correspondence). Consist of documentation of great importance for the understanding of catholic education throughout the twentieth century, notably in Minas Gerais. The foundation of the sisters of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar occurs in 1845, in Belgium, in the context of ecclesial renewal and missionary catholic propagation, emphasizing education as a form of doctrinal dissemination. In Minas Gerais, the school expanding congregation covers prominently cities like Montes Claros, Araguari, Patrocínio, Pará de Minas and Belo Horizonte.Keywords: Education. History of Education. Catholic Education. Sources and archives. Congregation of the Sisters of the Sacred Heart of Mary Berlaar.La actuación de la Congregación del Sagrado Corazón de María de Berlaar en Minas Gerais, Brasil (1907-1971): apuntes históricos e historiográficos de la Educación a partir de archivos y fuentesResumen:  El objetivo del presente trabajo consiste en comprender la actuación de la Congregación del Sagrado Corazón de María de Berlaar en el campo educativo, a partir de fuentes sistematizadas y dirigidas hacia la Historia de las Instituciones Escolares (JULIA, 2001) y, destacadamente, para la Historia de las Disciplinas Escolares (CHERVEL, 1990). Como recorte temporal, se consideró el periodo entre la llegada de las misionarias (1907) y la publicación de la Ley nº 5.692/1971. Las fuentes disponibles del acervo son documentos eclesiásticos, legislaciones, manuales, periódicos, iconografía, registros manuscritos y/o impresos. El tratamiento de las fuentes corrobora la relevancia del entendimiento de la actuación educativa católica a lo largo del siglo XX, teniendo en vista que la referida Congregación fue influenciada por el contexto de renovación y de propagación eclesial misionera, entendida la educación como forma estratégica de difusión doctrinaria. En Minas Gerais (Brasil), la expansión escolar de la congregación abrazo los municipios de Montes Claros, Araguari, Patrocinio, Pará de Minas e Belo Horizonte.Palabras clave: Educación. Historia de la Educación. Educación Católica. Fuentes y archivos. Congregación de las Hermanas del Sagrado Corazón de María de Berlaar.Apoio: CNPq. FAPEMIG.
    • A atuação da Congregação do Sagrado Coração de Maria de Berlaar em Minas Gerais, Brasil (1907-1971): apontamentos históricos e histográficos da educação a partir de arquivos e fontes: The performance of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar in Minas Gerais, Brazil (1907-1971): historical notes and educationb historiographical from thes files and sources

      Lima, Geraldo Gonçalves de; GATTI JÚNIOR, DÉCIO (EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2016-11-08)
      *Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (Uberaba/ MG). ** Doutor em Educação: História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Titular de História da Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Apoio: CNPq. FAPEMIG. A atuação da Congregação do Sagrado Coração de Maria de Berlaar em Minas Gerais, Brasil (1907-1971): apontamentos históricos e histográficos da educação a partir de arquivos e fontes Resumo: O intuito da presente exposição consiste em abordar as evidências disponíveis para os pesquisadores que pretendem investigar a chegada e a atuação da Congregação do Sagrado Coração de Maria de Berlaar na educação católica, considerando o período entre a chegada das missionárias ao Brasil (1907) e a publicação da Lei nº. 5692/1971 (Reforma de 1º e 2º graus), com destaque para as seguintes fontes, dispostas em arquivos: documentos eclesiais, legislações, manuais, registros (cadernos; boletins; livros de atas; diários; correspondências). Consistem em documentação de grande importância para o entendimento da educação católica ao longo do século XX, destacadamente em Minas Gerais. A fundação da Congregação das irmãs do Sagrado Coração de Maria de Berlaar ocorre em 1845, na Bélgica, no contexto de renovação e de propagação eclesial missionária católica, destacando-se a educação como forma de difusão doutrinária. Em Minas Gerais, a expansão escolar da congregação abrange destacadamente cidades como Montes Claros, Araguari, Patrocínio, Pará de Minas e Belo Horizonte.  Palavras-chave: Educação. História da Educação. Educação Católica. Fontes e arquivos. Congregação das Irmãs do Sagrado Coração de Maria de Berlaar. The performance of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar in Minas Gerais, Brazil (1907-1971): historical notes and educationb historiographical from thes files and sources Abstract: The aim of this exhibition is to address the evidence available to researchers intend to investigate the arrival and the work of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar in catholic education, considering the period between the arrival of the missionaries to Brazil (1907) and the publication of Law n. 5692/1971 (Reform 1st and 2nd degrees), with emphasis on the following sources, arranged in files: church documents, laws, manuals, records (books, newsletters, books of minutes, diaries, correspondence). Consist of documentation of great importance for the understanding of catholic education throughout the twentieth century, notably in Minas Gerais. The foundation of the sisters of the Congregation of the Sacred Heart of Mary Berlaar occurs in 1845, in Belgium, in the context of ecclesial renewal and missionary catholic propagation, emphasizing education as a form of doctrinal dissemination. In Minas Gerais, the school expanding congregation covers prominently cities like Montes Claros, Araguari, Patrocínio, Pará de Minas and Belo Horizonte. La actuación de la Congregación del Sagrado Corazón de María de Berlaar en Minas Gerais, Brasil (1907-1971): apuntes históricos e historiográficos de la Educación a partir de archivos y fuentes Resumen: El objetivo del presente trabajo consiste en comprender la actuación de la Congregación del Sagrado Corazón de María de Berlaar en el campo educativo, a partir de fuentes sistematizadas y dirigidas hacia la Historia de las Instituciones Escolares (JULIA, 2001) y, destacadamente, para la Historia de las Disciplinas Escolares (CHERVEL, 1990). Como recorte temporal, se consideró el periodo entre la llegada de las misionarias (1907) y la publicación de la Ley nº 5.692/1971. Las fuentes disponibles del acervo son documentos eclesiásticos, legislaciones, manuales, periódicos, iconografía, registros manuscritos y/o impresos. El tratamiento de las fuentes corrobora la relevancia del entendimiento de la actuación educativa católica a lo largo del siglo XX, teniendo en vista que la referida Congregación fue influenciada por el contexto de renovación y de propagación eclesial misionera, entendida la educación como forma estratégica de difusión doctrinaria. En Minas Gerais (Brasil), la expansión escolar de la congregación abrazo los municipios de Montes Claros, Araguari, Patrocinio, Pará de Minas e Belo Horizonte. Palabras clave: Educación. Historia de la Educación. Educación Católica. Fuentes y archivos. Congregación de las Hermanas del Sagrado Corazón de María de Berlaar. Data de registro: 17/11/2015 Data de aceite: 25/02/2016 Referências: ARAÚJO, José Carlos Souza. Escolas Normais: sua genealogia e trajetória européias e suas metamorfoses no Brasil. In: COLÓQUIO CEM ANOS DE HISTÓRIA DAS ESCOLAS NORMAIS PAULISTAS, 1., 2011, São Carlos. Palestras... São Carlos: [s.n.], 2011. ARÓSTEGUI, Julio. A pesquisa histórica: teoria e método. Tradução de Andréa Dore. Bauru: Edusc, 2006. CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: refl exões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229. 1990. FERREIRA, Hedmar de Oliveira. Colégio Normal Nossa Senhora do Patrocínio: um instrumento de educação feminina na zona do Alto Paranaíba em Minas Gerais / 1928-1950. 2006. 243f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de História, Direito e Serviço Social. Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Franca, 2006. FERREIRA, José Filipe e Sousa Pessanha de Brito. A evangelização pela educação escolar: embates entre presbiterianos e católicos em Patrocínio, Minas Gerais (1924-1933). 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2004. GATTI JR, Décio. Caminhos da investigação sobre o ensino de História da Educação em Minas Gerais: entre fi nalidades ideais e realizadas pedagógicas. In: CONGRESSO DE PESQUISA E ENSINO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS, 7., 2013, Ouro Preto, Mesa redonda... Ouro Preto: [s.n.], 2013. ______. A situação da pesquisa histórica sobre as instituições educacionais brasileiras. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 10, n. 17, p. 133-140, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www.ufmt.br/revista/arquivo/rev17/his_educ_deciogatti. htm>. Acesso em: 10 set. 2014. JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001. LEÃO XIII. Carta Encíclica Rerum Novarum. 1891. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/leo_xiii/encyclicals/documents/hf_l--xiii_enc_15051891_rerum-novarum_po.html>. Acesso: 20 jun. 2014. LIMA, Geraldo Gonçalves de. A disciplina história da educação na formação de normalistas do Colégio Nossa Senhora do Patrocínio em Minas Gerais (1947-1971). 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Pós-Graduação em Educação. Uberlândia. 2013. Universidade Federal de Uberlândia, 2013. MAGALHÃES, Justino. Tecendo nexos - história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004. ______. Um apontamento metodológico sobre a história das instituições educativas. In: CATANI, Denice B. et al. (Org.). Práticas educativas, culturas escolares, profissão docente. São Paulo: Escrituras, 1998. MOURÃO, Paulo Krüger Corrêa. O ensino em Minas Gerais no tempo do Império. Belo Horizonte: Edição do Centro Regional de Pesquisas Educacionais, 1959. PIO XI. Carta Encíclica Divini Illius Magistri. 1929. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/documents/hf_pxi_enc_31121929_divini-illius-magistri_po.html>. Acesso: 10 abr. 2011. SANTA CRUZ, Afonso de. À sombra da guilhotina... (Pierre Coudrin). Curitiba: Edições Rosário, 1981. SANTOS, Maria Teresa. Percurso e Situação do Ensino de História da Educação em Portugal. In: GATTI JÚNIOR, Décio; PINTASSILGO, Joaquim (Org.). Percursos e desafios da pesquisa e do ensino de história da educação. Uberlândia: EDUFU, 2007. SEGERS, Yves et al. 1845-1995 150 anos Irmãs do Sagrado Coração de Maria de Berlaar servindo em simplicidade. Lovaina: KADOC, Centro Católico de documentação, 1995. SILVA, Michelle Pereira da. Educação da mulher e evangelização católica: um olhar sobre a Escola Normal N. Sra. do Patrocínio. 2005. 198f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2005. Anexo I (inventário documental): CARTAS / CORRESPONDÊNCIAS PIO XII. [carta] Vaticano, 07.05.1949. Carta ao Cardeal do Rio de Janeiro Jaime de Barros Câmara. MARIA JESUà NA, Ir. [carta] Patrocínio, 10/11/1951. Carta ao Ministro da Educação Simões Filho. COLÉGIO NORMAL NOSSA SENHORA DO PATROCà NIO. [carta] Patrocínio, 06/03/1947. Carta ao Deputado Estadual José de Faria Tavares. MARIA GHISLAINE, Ir. [carta] Patrocínio, 21/04/1947. Carta ao Diretor do Ensino Secundário Dr. Haroldo Lisboa da Cunha. Atas: PIO XII [mensaje]. Acta Apostolicae Sedis, 40 (1948) 465 - 468. Mensaje de Su Santidad El Papa Pio XII dirigido por radiotelefonía a los participantes en el III Congreso Interamericano de Educación Católica (La Paz, 6 de octobre de 1948). Legislações: BRASIL. Lei nº 5.692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692impressao.htm>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961.ixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 dez. 1961. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/LEIS/L4024.htm>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 8.777 de 22 de janeiro de 1946. Dispõe sobre o registro definitivo de professores de ensino secundário no Ministério da Educação e Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 jan. 1946. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8777-22-janeiro-1946-416416-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 8.530 de 02 jan. 1946. Lei Orgânica do Ensino Normal. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 4 jan. 1946. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. MINAS GERAIS. Decreto nº 2.400 de 7 de fevereiro de 1947. Mandato para ministrar o Ensino de 2.º ciclo - Colégio Normal Nossa Senhora do Patrocínio. Minas Gerais, Patrocínio, 8 fev. 1947. MINAS GERAIS. Decreto nº 8.225 de 11 de fevereiro de 1928. Aprova os programas do Ensino Normal. Minas Gerais, Belo Horizonte, 12 fev. 1928. MINAS GERAIS. Decreto nº 10.896 de 14 de junho de 1933. Aprova os programas do Ensino Normal (Instruções). Minas Gerais, Belo Horizonte, 15 jun. 1933. MINAS GERAIS. Decreto nº 8.162 de 20 de janeiro 1928. Regulamento do Ensino nas Escolas Normais. Minas Gerais, Belo Horizonte, 21 jan. 1928. Manuscritos: COLÉGIO NORMAL NOSSA SENHORA DO PATROCà NIO. Livro de Registro das inscrições e resultados dos exames e provas (1941-1963). COLÉGIO NORMAL NOSSA SENHORA DO PATROCà NIO. Livro de Atas do Curso Formação (1948-1956). COLÉGIO NORMAL NOSSA SENHORA DO PATROCà NIO. Livro de Atas de reuniões da Congregação docente - Abertura: 15/12/1939. Educação e Filosofia, v.30, n.59, p.23-52, jan./jun. 2016. ISSN 0102-6801 51 Normas, pareceres e regimentos: CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Parecer nº 144 de 20 de novembro de 1968. Responde a consulta do "Centro de Estudos Pedagógicos" da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora, sobre concessão de registro de professor de disciplina optativa de Ensino Normal, Minas Gerais, Belo Horizonte, 1968. COLÉGIO NORMAL NOSSA SENHORA DO PATROCà NIO. Regimento Interno do Curso Normal Segundo Norma da Secretaria da Educação - Ano letivo de 1967. PIZZARDO, José. Normas Directivas de la Ofi cina Central de Enseñanza de la Sagrada Congregación de Seminarios y Universidades de Estudios con ocasión del III Congreso Interamericano de Educación Católica, Roma, 1948. Normas específicas - livro didático: BRASIL. Decreto-lei nº 8.460 de 26 de dezembro de 1945. Consolida a legislação sobre as condições de produção, importação e utilização do livro didático. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 dez. 1945. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8460-26-dezembro-1945-416379-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 6.339 de 11 de março de 1944. Dispõe sobre o livro didático. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 mar. 1944. Disponível em:<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-6339-11-marco-1944-416238-publicacaooriginal-1-pe.html> Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 3.580 de 3 de setembro de 1941. Dispõe sobre a Comissão Nacional do Livro Didático, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 set. 1941. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-3580-3-setembro-1941-413560-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 2.934 de 31 de dezembro de 1940. Dispõe sobre o regime do livro didático e sobre o funcionamento da Comissão Nacional do Livro Didático no ano de 1941. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 jan. 1941. Disponível em:<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2934-31-dezembro-1940-412867-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 1.417 de 13 de julho de 1939.Dispõe sobre o regime do livro didático. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 jul. 1939. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2934-31-dezembro-1940-412867-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 1.177 de 29 de março de 1939: dispõe sobre o funcionamento da Comissão Nacional do Livro Didático no ano de 1939. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 mar. 1939. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1177-29-marco-1939-349194-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014. BRASIL. Decreto-lei nº 1.006 de 30 de dezembro de 1938. Estabelece as condições de produção, importação e utilização do livro didático. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 jan. 1939. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/ decreto-lei-1006-30-dezembro-1938-350741-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 10 set. 2014.
    • A atualidade da crítica de Adorno à indústria Cultural

      Silva, Rafael Cordero (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2015-10-06)
    • A AUTONOMIA DO ALUNO NAS CONCEPÇÕES CLÁSSICA E ILUMINISTA DE EDUCAÇÃO

      Mendonça, Samuel; Filho, Armando Lourenço (Edufu – Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2012-07-12)
      Neste artigo, procuramos investigar e discutir a questão da autonomia do educando em dois diferentes momentos históricos: o período clássico e o moderno. O problema do artigo diz respeito à pergunta: Como a questão da autonomia discente foi discutida nos períodos clássico e moderno? Baseamo-nos, sobretudo, nas concepções platônicas acerca da Paidéia e, na concepção educacional pensada por Rousseau e por Kant, no período iluminista, orientada por um novo ideal de formação humana que priorizava o desenvolvimento da razão. Ambas as concepções (clássica e iluminista) apontam para a humanização e para o aperfeiçoamento do homem por meio da educação, destacando, nesse processo, a importância da formação autônoma. O método diz respeito à revisão bibliográfica por se tratar de exame realizado no contexto da filosofia da educação. Como resultados, pudemos perceber que a autonomia constitui-se de base fundamental para a educação clássica e moderna.ReferênciasABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi. Revisão de Ivone Castilho Benedetti. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.BRAGA, Marco. A nova paidéia: ciência e educação na construção da modernidade. Rio de Janeiro: E-papers, 2000.DALBOSCO, Claudio A. Kant & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.________. Educação natural em Rousseau - das necessidades da criança e dos cuidados do adulto. São Paulo: Cortez, 2011.FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2010.GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 2002.JAEGER, Werner Wilhelm. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira, adaptação para a edição brasileira Monica Stahel, revisão do texto grego Gilson Cesar Cardoso de Souza. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é o esclarecimento? Tradução de Luiz Paulo Rouanet. Brasília: Casa das musas, 2008._______. Sobre a pedagogia. Tradução de Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Unimep, 1996.KOHAN, Walter Omar. Sócrates & a Educação: o enigma da filosofia. Tradução de Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.MARROU, Henri Irénée. História da educação na antiguidade. Tradução de Mário Leônidas Casanova. São Paulo: EPU, 1975.MÄRZ, Fritz. Grandes educadores: perfis de grandes educadores e pensadores pedagógicos. Tradução de Edwino A. Royer. São Paulo: EPU, 1987.MORANDI, Franc. Introdução à pedagogia. São Paulo: Ática, 2008.PLATÃO. Apologia de Sócrates. Tradução de Enrico Corvisieri. In: ______. Sócrates: vida e obra. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. 3.ed. São Paulo: Difel, 1979.SAVIANI, Dermeval. História das idéias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2008.WEBER, José Fernandes. Formação (Bildung), educação e experimentação em Nietzsche. Londrina: Eduel, 2011.Data de registro: 16/01/2012Data de aceite: 21/03/2012