• 0 aluno universitário e suas questões

      Marini,Janete Ap. Silva (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2005-06-01)
    • ‘Excluir’, ‘Xingar’, ‘Bater’: sentidos de violência na escola segundo estudantes da Paraíba

      Cruz,Fatima Maria Leite; Maciel,Milena Ataíde (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-08-01)
      Resumo Apresentamos resultados da pesquisa ‘Representações Sociais de violência na escola’ que analisou as repercussões do fenômeno nas interações da realidade escolar. A escola foi lócus do estudo porque é um espaço de diversidade, pluralidade e pela cotidianidade torna-se, também, local de expressões de conflitos/encontros. Participaram 203 estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental de escolas públicas municipais da Paraíba. A abordagem plurimetodológica ocorreu em duas etapas sucessivas e interligadas: a compreensão estrutural das representações com a Técnica de Associação Livre de palavras (TAL) e a devolutiva das primeiras análises e aprofundamento da compreensão dos resultados em grupos focais. Na análise do TAL, usamos o Software EVOC, e nas falas, análise temática de conteúdo. Os estudantes objetivaram a violência em aspectos físicos como bater, xingar, e ancoraram os sentidos simbólicos em aspectos sociais e afetivos, expressivos de preconceitos e discriminação em relação às diferenças.
    • “Na essência somos iguais, na diferença nos respeitamos”: Estágio em Psicologia Escolar

      Chaves,Jéssica Regina; Silva,Priscila Ferreira da; Cavalcante,Ana Célia Sousa (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-12-01)
      Resumo Este artigo relata uma experiência de estágio em Psicologia Escolar, envolvendo alunos de Educação Infantil em uma escola da rede privada de ensino da cidade de Teresina, Piauí. A partir das observações participantes e escuta ativa dos atores envolvidos no processo ensino-aprendizagem, percebeu-se a necessidade de trabalhar - em uma perspectiva de promoção de saúde e orientação - a temática da educação inclusiva e diferenças individuais. Para tanto, foram realizadas quatro atividades de caráter lúdico, juntamente a roda de conversa, preconizando pela linguagem adequada à idade destas. Ao final foi possível perceber uma produção de sentidos e troca de experiências a partir das potencialidades e conhecimentos trazidos pelos alunos.
    • “Não é assim de graça!”: Lei de Cotas e o desafio da diferença

      Moura,Maria Rosimére Salviano de; Tamboril,Maria Ivonete Barbosa (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-12-01)
      Resumo O estudo, de cunho qualitativo, investigou a experiência de escolarização vivenciada por um grupo de estudantes cotistas, de um Campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), por meio de grupos focais. Os estudantes tratam as cotas como fruto de um direito, em função do processo de desigualdade social vivenciado historicamente pelos grupos aos quais pertencem e apontam a manutenção do princípio meritocrático nas cotas, a partir de uma perspectiva de atribuição do mérito, na qual as diferenças são consideradas. O critério étnico-racial das cotas, especificamente quanto ao estabelecimento de cotas para negros, revela que os discursos tensionados existentes na sociedade brasileira sobre a temática também se manifestam entre os estudantes. Defende-se que Psicologia tem muito a contribuir no processo de inserção de estudantes beneficiários de políticas de ações afirmativas, alicerçando seu trabalho na análise da dinâmica da inclusão/exclusão que se estabelece nas instituições.
    • A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e educadores

      Bock,Ana Mercês Bahia (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2007-06-01)
      A adolescência tem sido tema de interesse na sociedade e, conseqüentemente, a Psicologia tem dedicado a ela espaço importante, tanto no campo da Psicologia do Desenvolvimento quanto nas áreas de Psicologia da Educação e Psicologia Social. Livros, revistas e publicações têm sido produzidos para levar aos pais e educadores um saber mais técnico sobre a adolescência. O interesse de nosso estudo se colocou exatamente na concepção de adolescência apresentada nestas publicações e se propôs a uma análise crítica, indicando as conseqüências de concepções naturalizantes, tanto na prática educativa quanto na fragilidade das políticas públicas neste setor. Com base na perspectiva sócio-histórica em Psicologia, pretendeu-se contribuir para a divulgação e desenvolvimento de uma concepção de adolescência como produção social, indicando possibilidades de novas práticas e subsídios para a construção de políticas públicas para a juventude, levando-se em consideração a adolescência a partir de sua natureza histórica.
    • A afetividade na sala de aula: um professor inesquecível

      Leite,Sérgio Antônio da Silva; Tagliaferro,Ariane Roberta (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2005-12-01)
      A presente pesquisa teve como objetivo descrever as práticas pedagógicas desenvolvidas por um professor em sala de aula, aqui denominado Professor M, identificando os seus possíveis efeitos na futura relação que se estabeleceu entre os alunos e os objetos de conhecimento (conteúdos escolares). Os dados foram coletados a partir de entrevistas com seis ex-alunos do Professor M que relataram as experiências vivenciadas em sala de aula e os possíveis efeitos destas em suas vidas. Discutem-se as dimensões afetivas dessas relações
    • A angústia no ofício de professor

      Zibetti,Marli Lúcia Tonatto (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2004-12-01)
      O presente estudo de caso analisa os registros diários realizados por uma professora alfabetizadora em início de carreira em seu diário de classe. Trechos relativos à sua angústia de ensinar foram destacados e problematizados sob uma perspectiva freudiana. As análises realizadas revelaram a importância do diário de classe como uma referência tanto para a compreensão do trabalho docente quanto para a formação pedagógica e pesquisa. São apontadas algumas contribuições da psicanálise para uma melhor compreensão do trabalho pedagógico e para a formação de professores.
    • A aprendizagem escolar e o sentido pessoal na Psicologia de A. N. Leontiev

      Calve,Tiago Morales; Rossler,João Henrique; Silva,Graziela Lucchesi Rosa da (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2015-12-01)
      Resumo: Este estudo é resultado de uma pesquisa conceitual e toma como objeto a aprendizagem escolar e a atribuição desentido pessoal na atividade de estudo, sob os fundamentos da Psicologia Histórico-Cultural. O objetivo reside em explicitar desdobramentos da Psicologia de Leontiev para as reflexões e as práticas educativas escolares, no que se refere às relações entre os processos de aprendizagem escolar e a produção do sentido pessoal. Para tanto, aborda o conceito de atividade objetivada, por meio do qual se pretendeu aclarara dinâmica psicológica entre o significado social e sentido pessoal, como elementos estruturantes da consciência, e sua relação com a aprendizagem escolar. Concluindo, foram abordados alguns desdobramentos dessa análise para a educação escolar, com destaque para a importância da escola e do professor na condução da atividade dos estudantes, garantindo a estes um sentido pessoal na apropriação de conteúdos que enriqueçam a sua atividade de estudo e, consequentemente, a sua personalidade.
    • A apropriação de conceitos científicos no contexto escolar e as pedagogias do aprender a aprender

      Monteiro,Patricia Verlingue Ramires; Silva,Graziela Lucchesi Rosa da; Rossler,João Henrique (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2016-12-01)
      Resumo O artigo objetiva discutir teoricamente como a escola atua na apropriação de conceitos científicos e como essa atuação pode se alienar. Justifica-se este estudo por trazer acréscimos à Psicologia e à Educação, evidenciando o pensamento por conceitos como elemento cognitivo essencial do processo de elaboração do conhecimento. A partir da Psicologia Histórico-Cultural evidencia-se o papel da escola na mediação do desenvolvimento dos conceitos espontâneos e científicos no sistema interfuncional da consciência. Além disso, como este papel mediador e este desenvolvimento podem se alienar por conta das tendências pedagógicas atuais, como as Pedagogias do Aprender a Aprender, consideradas a expressão ideológica da materialidade da sociedade de classes contemporânea. Por último, defende que a escola deve se ater ao conhecimento sistematizado e não ao conhecimento espontâneo; ao conhecimento fruto da prática e da teorização histórico-social humana e não ao conhecimento pragmático e construído individualmente; ao saber totalizante e não ao saber fragmentado.
    • A atividade criadora do psicólogo escolar na educação superior

      Libâneo,Lígia Carvalho; PULINO,LÚCIA HELENA CAVASIN ZABOTTO (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-08-01)
      Resumo O objetivo deste artigo é apresentar uma reflexão teórica sobre a ação profissional do psicólogo escolar como atividade criadora, contextualizando essas reflexões para a prática desse profissional na educação superior. Partimos das produções vygotskyanas sobre atividade criadora e o suplício da criação, o que nos orientou na busca de referências contemporâneas na perspectiva histórico-cultural sobre a temática proposta por Vygotsky. Refletimos sobre o ato criador do psicólogo escolar que atua na educação superior como necessidade ontológica e como compromisso político de transformação das condições sociais de injustiça e de desigualdade. Questionamos as práticas psicológicas de adaptação e de normatização das pessoas ao processo educativo. Propomos a perspectiva histórica, relacional e dialética como possibilidade de transmutação da leitura e da vivência institucionais em intervenção subjetivo-institucional concreta no transcorrer da própria experiência. Por fim, assumimos a potência coletiva da comunidade acadêmica em planejar, projetar e construir suas próprias condições de existência.
    • A atividade lúdica, a criança de 6 anos e o ensino fundamental

      Rocha,Maria Silvia Pinto de Moura Librandi da (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2009-12-01)
      O trabalho aqui apresentado refere-se a uma pesquisa realizada em 2006, com objetivo de compreender os impactos da implementação do Ensino Fundamental de 9 anos em 8 turmas de primeiro ano de escolas da rede municipal de uma cidade no interior de São Paulo. Foram objeto de análise as práticas educacionais mais típicas encetadas nestes espaços educacionais, com especial destaque às condições oferecidas para a atividade lúdica. A metodologia usada foi: observação participante, entrevista (com professoras, mães/pais/responsáveis e alunos de 6 anos) e questionário (para orientadoras pedagógicas das pré-escolas frequentadas pelas crianças em 2005). O material empírico permitiu identificar grandes dificuldades para inserção da atividade lúdica nos contextos escolares. Estes resultados permitem indagar: (i) se as escolas terão condições de incluir as brincadeiras como parte do currículo (como prescrevem os documentos oficiais) e (ii) quais as repercussões desta nova forma de escolarização sobre o desenvolvimento psicológico das crianças brasileiras.
    • A atuação do psicólogo escolar na rede particular de ensino

      Souza,Cláudia Silva de; Ribeiro,Maria José; Silva,Silvia Maria Cintra da (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2011-06-01)
      Os trabalhos encontrados na literatura recente acerca da atuação do psicólogo escolar focam, predominantemente, o âmbito do ensino público. Assim, este estudo investiga a prática deste profissional na rede particular de ensino, fundamentado em pressupostos qualitativos, sob a perspectiva histórico-cultural. Realizamos entrevistas semiestruturadas com doze psicólogos escolares da rede particular de ensino da cidade de Uberlândia/MG e constatamos que a inserção destes no segmento educacional privado reflete, dentre outros fatores, questões históricas relacionadas à constituição da Psicologia Escolar no Brasil, desdobradas na imagem social do psicólogo escolar. As modalidades de trabalho desenvolvidas pelos participantes deste estudo são predominantemente tradicionais, sustentadas por uma formação que revela uma tendência ao ecletismo teórico e dificuldades na apropriação dos avanços científicos mais recentes da área. O estudo aponta a necessidade de um maior investimento das instituições formadoras e dos profissionais atuantes, para ampliar o campo de atuação do psicólogo escolar e possibilitar práticas emancipatórias.
    • A atuação do psicólogo escolar no ensino superior: configurações, desafios e proposições sobre o fracasso escolar

      Moura,Fabrício Rodrigues de; Facci,Marilda Gonçalves Dias (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2016-12-01)
      Resumo O Ensino Superior é um campo em que o psicólogo vem ganhando espaço para atuar, principalmente para minimizar o fracasso escolar. Assim, o objetivo deste trabalho é analisar a atuação do psicólogo escolar no Ensino Superior e o posicionamento que este profissional assume diante do fracasso escolar, a partir dos fundamentos da Psicologia Histórico-Cultural. Para compreender esse processo analisamos o quadro atual do Ensino Superior no Brasil, a inserção do psicólogo escolar neste nível de ensino e apresentaremos uma pesquisa realizada com 13 destes profissionais. Por fim, expomos algumas propostas de atuação: intervenção com alunos monitores; na recepção de calouros; com movimentos estudantis e na intervenção com gestores, coordenadores de curso e professores. Concluindo, compreendemos que a atuação do psicólogo escolar no Ensino Superior deve buscar a superação dos modelos tradicionalmente adotados pautados na culpabilização, fragmentação e individualização do fracasso escolar, efetivando práticas que busquem a emancipação dos indivíduos.
    • A atuação do psicólogo no ensino público do Estado do Paraná

      Lessa,Patrícia Vaz de; Facci,Marilda Gonçalves Dias (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2011-06-01)
      Este artigo objetiva apresentar dados da pesquisa que teve como finalidade identificar e analisar as práticas desenvolvidas pelos psicólogos da rede pública do Estado do Paraná frente às queixas escolares. Discorreremos brevemente sobre a constituição histórica da atuação do psicólogo escolar, pautada inicialmente por uma visão tradicional, que foi alvo de críticas por volta de 1980, culminando com uma atuação baseando-se em pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural, fundamentada no marxismo; em seguida, apresentaremos alguns dos dados dos questionários, caracterizando a primeira fase da pesquisa. Dentre os principais resultados, salientamos que os profissionais vivenciam um momento de transição, pois percebemos, ao longo da pesquisa, que existe um movimento de avanço nas práticas e na compreensão das queixas escolares, evidenciadas nas ações que envolvem todo o contexto escolar. Finalizando, destacamos a importância da perspectiva da Psicologia Histórico-Cultural, considerando que ela trabalha em prol do processo de humanização e pode contribuir para auxiliar os psicólogos na compreensão do homem concreto.
    • A autorregulação, avaliação e promoção da aprendizagem por meio da prática de recuperação da memória

      Oliveira,Letícia Horn; Stein,Lilian Milnitsky (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-04-01)
      Resumo Este artigo pretende discutir a avaliação como promotora dos processos de aprendizagem em sala de aula, para além do exame. Para isso, traz a discussão sobre “o efeito de teste” como uma metodologia a serviço da consolidação da memória nos processos de ensino e autorregulação do estudo pelos estudantes. Testar com frequência conteúdos aprendidos pode otimizar o ensino e modificar a forma como hoje são conduzidos os processos em sala de aula. O conhecimento de estratégias metacognitivas de aprendizagem leva a um maior empoderamento dos alunos na gestão do aprendizado, consolidando o papel do professor como um mediador do conhecimento.
    • A avaliação psicológica da atividade voluntária a partir da Psicologia Histórico-Cultural: os instrumentos desenvolvidos no México

      Vieira,Ana Paula Alves; Leal,Záira Fátima de Rezende Gonzalez; Solovieva,Yulia (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2018-08-01)
      Resumo Uma das queixas que chegam ao psicólogo escolar/educacional é referente à falta de controle de comportamento expressa pela criança. Diante disso, cobra-se do profissional a realização de avaliação psicológica para diagnóstico das dificuldades, porém muitas dessas avaliações realizam um diagnóstico de forma que rotula a criança sem, contudo, contribuir para seu desenvolvimento. Considerando que o aparato teórico-metodológico da psicologia histórico-cultural permite a compreensão do desenvolvimento humano como de ordem social, buscamos discutir como o psicólogo poderia avaliar as crianças de uma forma condizente com essa teoria. Dessa forma, este artigo, que é parte de uma dissertação de mestrado, apresenta um instrumento de avaliação psicológica no que se refere à atividade voluntária, desenvolvido pela Maestría en Diagnóstico y Rehabilitación Neuropsicológica (Benemérita Universidad Autónoma de Puebla - Puebla, México) à luz da neuropsicologia e psicologia histórico-cultural. Espera-se instrumentalizar psicólogos escolares/educacionais a enfrentar os crescentes diagnósticos estigmatizantes, bem como auxiliar futuras pesquisas.
    • A ciência do desenvolvimento humano: para além de uma Psicologia do Desenvolvimento

      Marinho-Araujo,Claisy Maria (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2006-06-01)
    • A concepção de educadores sobre violência doméstica e desempenho escolar

      Pereira,Paulo Celso; Williams,Lúcia Cavalcanti de Albuquerque (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2008-06-01)
      Como parte de um estudo que caracterizou o desempenho escolar da criança vítima de violência doméstica, as respectivas professoras e as diretoras das escolas onde estudavam crianças vitimizadas foram convidadas a participar da pesquisa. O objetivo de tal participação foi identificar as concepções das educadoras sobre violência doméstica e desempenho escolar da criança vitimizada. Participaram do estudo 18 professoras e 10 diretoras que responderam, na escola, a uma entrevista semi-estruturada, versando sobre questões pertinentes ao objetivo do trabalho. Os dados obtidos revelaram que as educadoras possuem noções sobre violência doméstica e como devem proceder com as vítimas. O número de casos de crianças vitimizadas identificados na escola foi expressivo. Tal identificação deve-se tanto à observação das educadoras, como ao relato espontâneo do aluno (vítima). Mesmo com suas limitações, a escola se apresenta como um espaço de segurança para a criança vitimizada, podendo ser considerada um local de proteção para essas.
    • A consciência na obra de L. S. Vigotski: análise do conceito e implicações para a psicologia e a educação

      Lordelo,Lia da Rocha; Tenório,Robinson Moreira (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2010-06-01)
      O objetivo deste artigo teórico é analisar o conceito de consciência na obra de L. S. Vigotski. Partimos dos pressupostos de que Vigotski não só via o conceito de consciência como central em suas reflexões filosófico-metodológicas e em sua proposta de psicologia, como possuía, além das importantes contribuições dentro da Psicologia do Desenvolvimento e dos processos de aprendizagem, um valor fundamental enquanto pensador da Psicologia como ciência. Primeiramente, dedicamo-nos à transformação do conceito, desde um viés reflexológico até um caráter mais semiótico. A seguir, analisamos uma metáfora utilizada por Vigotski em um de seus textos, em que compara a consciência a um objeto refletido num espelho e faz uma analogia entre este processo e a ciência psicológica, seus pressupostos epistemológicos e metodológicos de investigação. Finalmente, a partir dessas reflexões, concluímos com a discussão de alguns possíveis impactos do estudo do conceito vigotskiano de consciência na Psicologia e na Educação.
    • A construção da Identidade, Auto-conceito e Autonomia em Adultos Emergentes

      Andrade,Cláudia (Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2016-04-01)
      Resumo A adultez emergente implica a resolução de algumas tarefas desenvolvimentais clássicas para se poder construir, progressivamente, um projeto pessoal, num quadro de autonomia psicológica e social. A construção da identidade e o desenvolvimento do auto-conceito vão integrar vivências pessoais e prolongam-se além desta fase desenvolvimental, dando sentido ao percurso de vida do indivíduo. No presente estudo procuramos explorar o modo como o exercício de uma atividade profissional pode influenciar a construção da identidade, o auto-conceito e a separação psicológica das figuras parentais em adultos emergentes que estudam no ensino superior e adultos emergentes que já exercem uma atividade profissional. O estudo comparou 361 adultos emergentes universitários e 348 adultos emergentes profissionais. Os resultados encontrados suportam a presença de diferenças entre grupos nas três dimensões desenvolvimentais escolhidas para o estudo.