Revista Brasileira de Educação Médica publishes debates, analyses and results of investigations into issues considered relevant for medical education.

News

The Globethics.net library contains articles of Revista Brasileira de Educação Médica as of vol. 30(2006) to current.

Recent Submissions

  • Uma Proposta Educativa para Abordar Objeção de Consciência em Saúde Reprodutiva durante o Ensino Médico

    Darze,Omar Ismail Santos Pereira; Barroso Júnior,Ubirajara (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-12-01)
    RESUMO OBJETIVO Este estudo procurou avaliar a técnica do role-playing na abordagem da objeção de consciência no currículo médico, estimulando o raciocínio ético e a habilidade de comunicação, competências necessárias a um maior conforto na alegação de recusa por parte do profissional. MÉTODOS Estudo de intervenção que envolveu 120 acadêmicos de Medicina no momento em que encerravam o internato em Perinatologia. Os estudantes responderam a um questionário autoaplicável, antes e depois da intervenção, contendo variáveis demográficas e questões sobre a anuência de conduzir ou não situações em saúde reprodutiva, como abortamento legal, orientação contraceptiva a jovens adolescentes e prescrição da pílula do dia seguinte. O grau de conforto dos estudantes ao conduzirem estes casos e os conhecimentos éticos sobre o tema também foram questionados. Recolhidos os questionários, os alunos assistiram a três filmes de curta-metragem, um tratando da recusa de um médico a realizar um abortamento previsto em lei; outro sobre orientação contraceptiva a uma jovem de 13 anos e sem o consentimento dos pais; e um terceiro, acerca da prescrição da pílula do dia seguinte a uma jovem que teve uma relação desprotegida no 14º dia do ciclo. Encerrada esta etapa, se estimulou uma discussão sobre os seguintes tópicos: aspectos legais sobre o tema, direito à objeção de consciência do médico, violação da autonomia da paciente e prejuízo à saúde do solicitante decorrente da recusa por parte do médico. Encerrada esta fase preparatória, formaram-se subgrupos de três alunos que simularam os três casos clínicos, havendo um revezamento entre os papéis de médico, paciente e observador. Após a dramatização, os estudantes foram estimulados a discutir as inter-relações nos papéis de médico e paciente, a objeção de consciência do médico, o efeito da recusa ao tratamento no paciente e a capacidade de comunicação do médico. Ao final, foi reaplicado o mesmo questionário, com as mesmas questões sobre a anuência ou não da condução dos casos clínicos, o conforto ou não ao conduzi-los, como também as perguntas referentes aos conhecimentos éticos sobre objeção de consciência. Os dados foram analisados pelo teste do X2, teste t e teste de McNemar, com nível de significância de 5%. RESULTADOS A alteração do conforto do estudante na condução do abortamento previsto em lei, após a intervenção, foi significativa (p < 0,001). O mesmo foi observado na orientação contraceptiva a jovens adolescentes (p < 0,001) e na prescrição da contracepção de emergência (p = 0,002). A mudança de opinião quanto à objeção ao abortamento legal foi significativa (p = 0,003) e também quanto à orientação contraceptiva a jovens adolescentes (p = 0,012). Não se observaram diferenças na prescrição da pílula do dia seguinte (p = 0,500). CONCLUSÕES A aplicação dessa metodologia no grupo participante tornou mais confortável a condução dos casos discutidos e forneceu um conteúdo técnico, legal e ético para melhor embasamento de suas opiniões.
  • O Cuidado Empático: Contribuições para a Ética e Sua Interface com a Educação Moral na Formação em Saúde

    Mayernyik,Marcelo de Almeida; Oliveira,Fabio Alves Gomes de (Associação Brasileira de Educação Médica, 2016-03-01)
    RESUMO O presente artigo apresenta alguns pontos essenciais do pensamento do filósofo Michael Slote em sua obra &#8220;The ethics of care and empathy&#8221;. Situamos a sua produção no contexto em que a ética do cuidado foi desenvolvida e problematizada, evidenciando, sobretudo, a questão de gênero que atravessa essa perspectiva ética. Assim, convocamos autores e autoras que dialogam estreitamente com as questões levantadas por Slote como interlocutores fundamentais para se pensar a empatia como componente fundamental da ética do cuidado. Em sequência, resgatamos o sentido ontológico do cuidado e da responsabilidade, correlacionando-os com a prática do cuidado em saúde. Ao final, apresentamos um caso paradigmático para um debate concreto da ética do cuidado e empatia no âmbito da educação moral, destacando sua importância no processo de formação dos profissionais de saúde no Brasil.
  • Pedagogical Preparation for Physicians and their Performance in the Medical Course

    Oliveira,Teógenes de; Medeiros,Renata Lívia Silva Fonseca Moreira de; Pires,Marina Pereira Brocos; Pinto,Maria Jamily de Macêdo (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-09-01)
    ABSTRACT Qualifying the medical profile to meet the population&#8217;s main health needs is a challenge for contemporary medical schools. In this process, the medical professor has a prominent place, since medical teaching practice is based on the production of models considered valid, previously learned, and the experience of medical practice. One questions, thus, the physician&#8217;s pedagogical aptitude to teach, since the professor-academic relationship occurs differently from the physician-patient relationship, starting from the need to understand which ways professors seek to acquire the teaching-specific skills. Objective To carry out an integrative review on the pedagogical training of physicians in the teaching context. Methods This is a non-observational, descriptive integrative review of the literature. Initially, we searched the databases at the Scientific Electronic Library Online (SciELO), Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (Lilacs), the US National Library of Medicine and the National Institutes of Health (PubMed) and the Cochrane Library with the help of the Boolean operator and the following descriptors: Health Human Resource Training; Faculty, Medical and Education, Medical, Continuing. The inclusion criteria were free, complete articles, published from 2012 to 2016, in Portuguese, Spanish and English. Results The search resulted in 24 articles those discuss the research theme. After exhaustive reading of the articles found, only five converged and answered the guiding question raised in the initial reflection. Teaching strategies and methodologies, as well as the evaluation of clinical supervision processes to construct the students&#8217; technical knowledge appear as important topics on learning and teaching. In addition, these discussions raise professors&#8217; need for continuing education programs, as well as the construction of evaluation tools for professors, tutors and preceptors. Conclusions This study highlights the continuous improvement in the professors&#8217; pedagogical training and the development of permanent education programs and improvement of the faculty by the school.
  • Was there a change in perception of medical students of what good doctors are and what it would take to train them across a 14-year span? A mixed methods panel

    Wahba,Liliana; Lotufo,Francisco (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-09-01)
    ABSTRACT Background Although overall cultural differences exist between individuals from the X and Y generations, to our knowledge few previous studies have contrasted their expectations regarding what good doctors are, and their perceptions on the training processes they undergo. Aims To conduct a study exploring perceptions on what good doctors are and their perceptions about training among a sample of Brazilian medical students at the University of Sao Paulo Medical School, comparing groups from 2000 and 2014. We aimed to provide information that can be used to guide curriculum development in medical schools. Methods We conducted a mixed methods study of a series of open questions asked to medical students from the University of São Paulo, Brazil, in 2000 and 2014. This qualitative analysis focused on uncovering emerging themes related to students&#8217; perceptions regarding what good doctors are and how they see their training process. A subsequent quantitative analysis through Natural Language Processing was undertaken. Results Gender distribution was balanced between the 2000 and 2014 groups, with most students being in the early 20s. Our main emerging concepts involved four themes: Skills and qualities of a good doctor, positive and negative aspects of the curriculum, as well as expectations related to students&#8217; future career. From a qualitative perspective, the 2014 group focused their criticisms on the School of Medicine itself and the study overload, while the 2000 group focused its criticism on the faculty and competition. Therefore, the 2014 group experienced more criticism and less idealization in relation to the School and the medical training process. There were no statistically significant differences between the 2000 and 2014 groups, as well as across genders. Discussion Students in this sample have demonstrated little change over time in relation to their characterization of what good doctors are and how they should be trained. Their preferences for a practical, patient-centered education should guide future curriculum development in medical schools.
  • Ethical Conflicts Experienced by Medical Students

    Menezes,Márcia Mendes; Maia,Luciana Colares; Rocha,Caroline Urias; Sampaio,Cristina Andrade; Costa,Simone de Melo (Associação Brasileira de Educação Médica, 2017-06-01)
    ABSTRACT The current study aimed to identify and analyze the prevalence of ethical conflicts experienced by medical students. This study is a cross-sectional and analytical research that was conducted in a public school in the state of Minas Gerais, Brazil. The instrument used for the data collection was a self-administered questionnaire. The data collected were presented in absolute and percentage values. For the analytical statistical treatment of the data, the level of significance was considered p <0.05. The outcome variables were: Experiences of ethical conflicts in interpersonal relations within the medical course and Ethical conduct in health care. The identification of the prevalence of ethical conflicts in the undergraduate program adopted the perspective of different interpersonal relations (academic-teaching, academic-academic, academic-employee, academic-patient, teacher-teacher, teacher-patient, teacher-employee and employee-patient). (Importance of identifying themselves to the health services user and requesting consent to perform the physical examination, assistance without the supervision of the teacher, issuance of health documents without the signature of the professional responsible and use of social networks to share data Of patient). It was verified the association of the outcome variables with sex, year of graduation and course evaluation. A total of 281 undergraduate students enrolled in all undergraduate courses in Medicine of both sexes, with a predominance of female (52.7%). The students reported having experienced conflicting situations in interpersonal relations with teachers (59.6%), provided assistance without proper supervision of a teacher (62.6%), reported having issued health documents without the accompaniment of teachers (18, 5%). The highest frequency was observed among those enrolled in the most advanced years of the undergraduate program (p <0.05). The use of social networks for the purpose of sharing patient data (25.1%) was prevalent in the most advanced years of medical graduation and among those who evaluated the course as regular (p <0.05). It is concluded that undergraduate medical students experienced ethical conflicts during their medical training, with a prevalence of conflicts in the advanced years of the course. From this perspective, it is necessary to provide a space for discussion and collective reflection on the ethical problems experienced by students, during their graduation in Medicine, in order to build a professional ethical practice.
  • Medical students' knowledge about end-of-life decision-making

    Pinheiro,Anielli; Nakazone,Marcelo Arruda; Leal,Fernanda Silva; Pinhel,Marcela Augusta Souza; Souza,Dorotéia Rossi Silva; Cipullo,José Paulo (Associação Brasileira de Educação Médica, 2011-06-01)
    The influence of medical students' knowledge concerning end-of-life care, considering ethical theories and clinical practice, remains controversial. We aimed to investigate medical students' knowledge of bioethical concepts related to moral kinds of death (euthanasia, disthanasia, and orthothanasia) and to analyze the influence of their clinical experience on practicing such approaches in a tertiary hospital in the state of São Paulo, Brazil. We interviewed 180 medical students [distributed in Group 1 (G1) - first to third- year students, and Group 2 (G2) - fourth to sixth-year students] to evaluate the influence of the course on "medical ethics" on ethical theories and clinical practice, using a closed questionnaire. The course on "medical ethics" did not distinguish the groups (P=0.704) in relation to bioethical concepts. Neologisms such as "cacothanasia" and "idiothanasia" were incorrectly viewed as bioethical concepts by 28% of the interviewees. Moreover, 45.3% of the sample considered health care professionals incapable of managing terminally ill patients, especially G2 (29%) as compared to G1 (16.5%, P=0.031). The concept of euthanasia was accepted by 41% of sample, as compared to 98.2% for orthothanasia. Among medical students that accepted ways to abbreviate life (22.9%), 30.1% belonged to G1, and only 16.1% to G2 (P=0.049). These medical students were unfamiliar with common bioethical concepts. Moreover, they considered healthcare professionals incapable of managing terminally ill patients. The ethical ideal of the "good death" reflects better acceptance of orthothanasia by medical students, suggesting a tendency to apply it in their future clinical practice.
  • Ensino da deontologia, ética médica e bioética nas escolas médicas Brasileiras: uma revisão sistemática

    Dantas,Flávio; Sousa,Evandro Guimarães de (Associação Brasileira de Educação Médica, 2008-12-01)
    A relevância da educação em ética médica na formação do profissional de Medicina tem sido cada vez mais reconhecida em todo o mundo. No Brasil, a Resolução 08/1969 do Conselho Federal de Educação tornou obrigatório o ensino da deontologia nas escolas médicas. Com o objetivo de avaliar a evolução do ensino da ética em escolas médicas brasileiras, foi realizada uma revisão sistemática dos levantamentos nacionais sobre o ensino da disciplina de deontologia, ética médica ou bioética, publicados nos últimos 30 anos. Foram localizados três estudos, publicados em três diferentes décadas, que mostraram estagnação no número de disciplinas específicas para a ética médica ao longo do tempo, baixa carga horária reservada ao seu ensino e reduzido número de professores exclusivos, em sua maioria vinculados à especialidade de medicina legal. Os temas de responsabilidade profissional e segredo profissional foram os mais abordados, sendo o conteúdo ministrado principalmente em aulas expositivas e discussão de casos. A importância da educação em ética médica nos cursos de graduação exige o seu ensino, em todos os períodos, por docentes com vivência profissional e conhecimentos na área de ciências humanas, de forma integrada com outras instâncias responsáveis por aspectos éticos nas instituições, com o objetivo de for-mar profissionais eticamente competentes para o melhor exercício da ciência e arte da medicina.
  • Análise da Produção Bibliográfica sobre Problem-Based Learning (PBL) em Quatro Periódicos Selecionados

    Cavalcante,Ana Neiline; Lira,Geison Vasconcelos; Cavalcante Neto,Pedro Gomes; Lira,Roberta Cavalcante Muniz (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Trata-se de uma revisão integrativa que analisa as características bibliométricas da produção científica empírica sobre PBL em periódicos de referência em educação médica no Brasil e no mundo, de 2005 a 2014, e recomenda direcionamentos para futuras pesquisas. Dos artigos do corpus, foram extraídos os seguintes dados: ano de publicação, cenário do estudo, objetivos do estudo, tipo de estudo, principais conclusões e diretrizes para pesquisas futuras assinaladas pelos autores. Os artigos publicados nos três periódicos internacionais tiveram por cenário escolas médicas de todos os continentes, sendo que seis estudos são multicêntricos. Os estudos nacionais se concentram nos estados das regiões Sul e Sudeste. Quanto aos objetivos dos estudos analisados, há predominância da busca da efetividade do PBL, ou seja, dos resultados, em termos de desempenho dos alunos, seja na formação ou na prática médica, comparando seu desempenho com o de alunos submetidos aos métodos tradicionais de ensino. Quanto à tendência da quantidade de artigos sobre PBL publicados nos últimos dez anos, observou-se uma significativa redução da quantidade de artigos publicados nos três periódicos internacionais de 2005 a 2010. No caso do periódico nacional, os dados sugerem que a produção científica sobre PBL no Brasil ainda é incipiente. No que se refere aos métodos de pesquisa utilizados nos estudos publicados nos quatro periódicos selecionados, houve predominância dos métodos quantitativos, com predomínio do survey (n = 26). As principais conclusões dos estudos seguem a mesma linha dos objetivos. Elas mostram os resultados positivos do PBL tanto na formação médica quanto em suas repercussão na prática profissional. Quanto às diretrizes para futuras pesquisas, há uma inclinação para a realização de mais estudos que investiguem a efetividade do PBL, assim como mais estudos comparativos. Conclui-se que a pesquisa sobre PBL é incipiente, sendo preciso realizar mais estudos que busquem responder a questões teórico-metodológicas e epistemológicas do método. Isto sem deixar de observar a qualidade das pesquisas que estão sendo conduzidas, pois, quanto mais qualidade tiverem, melhor irão subsidiar a tomada de decisões. Um dado promissor é que o PBL tem despertado o interesse de pesquisadores mundo afora. Isto mostra que o método, apesar de seus rigorosos passos, pode se adaptar a diversas culturas e contextos educacionais. Este estudo apresenta limitações, pois, para viabilizar a pesquisa, as buscas se reduziram a alguns periódicos e a um corte temporal de dez anos. Dessa forma, recomenda-se efetuar pesquisas que englobem mais periódicos e um espaço de tempo maior, para que se possa traçar um panorama mais completo das publicações sobre PBL.
  • A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada

    Maeyama,Marcos Aurélio; Calvo,Maria Cristina Marino (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
    RESUMO Em 2007, o Ministério da Saúde, com o objetivo de desenvolver ações de apoio às equipes de atenção básica por meio da educação permanente e de tecnologias virtuais, instituiu o Programa Telessaúde Brasil, mais tarde denominado Telessaúde Brasil Redes. Inicialmente, no projetopiloto, foram constituídos nove Núcleos de Telessaúde no Brasil, sendo um deles em Santa Catarina, vinculado à Universidade Federal de Santa Catarina e posteriormente com parceria da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Um dos serviços ofertados pelo Núcleo de Telessaúde de Santa Catarina é a teleconsultoria, que se trata de consulta registrada e solicitada por profissionais de saúde com o fim de esclarecer dúvidas sobre procedimentos clínicos, de gestão e processo de trabalho, realizada por meio de telecomunicação bidirecional à distância. Embora o serviço esteja disponível desde sua implantação, seu uso sempre foi numericamente pequeno, ao passo que há grande quantidade de encaminhamentos desnecessários à atenção especializada com possibilidade de manejo na atenção básica. Este trabalho relata a experiência da implantação de fluxo compulsório de teleconsultoria antes do encaminhamento às especialidades, ocorrida no Núcleo de Telessaúde de Santa Catarina. O estabelecimento do fluxo compulsório demonstrou que grande parte dos casos apresenta sugestão de manejo na atenção básica, com diminuição importante do número de encaminhamentos às especialidades envolvidas e consequente diminuição do tempo de espera para consulta com o especialista. Além disso, nestes casos de sugestão de encaminhamento, a teleconsultoria possibilita a classificação de risco, a solicitação prévia de exames e o manejo compartilhado, qualificando, desta forma, o acesso à especialidade e o próprio cuidado ao usuário. A teleconsultoria potencializa ainda a qualidade da comunicação entre os pontos de atenção, pois ela passa a ser estratégica na definição do fluxo do usuário, tanto para a referência, quanto para a contrarreferência, com aprendizado mútuo e funcionamento que de fato caracteriza uma rede de cuidados. Quanto à compulsoriedade da teleconsultoria, ainda que cause alguns desconfortos no início do processo, o uso incipiente do serviço quando da modalidade espontânea, o número de encaminhamentos desnecessários às especialidades e a quantidade de teleconsultorias com possibilidade de manejo na atenção básica justificam a decisão como propósito de gestão. Esse conjunto de aspectos tem impacto positivo no cuidado do usuário, que tem suas necessidades atendidas e acompanhadas, seja na atenção básica ou na atenção especializada, em tempo, situação e local oportunos.
  • Narrativas e Memórias de Docentes Médicos sobre o Ensino Baseado na Comunidade no Sertão Nordestino

    Vieira,Rebeca Maria de Medeiros; Pinto,Tiago Rocha; Melo,Lucas Pereira de (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO O ensino baseado na comunidade trata-se de uma abordagem educacional voltada à inserção de estudantes em cenários de prática real desde os anos iniciais dos cursos, principalmente em comunidades urbanas e/ou rurais e em serviços da atenção primária à saúde, em que o planejamento, a execução e a avaliação das ações desenvolvidas partem das necessidades de saúde local e, idealmente, inclui a participação de pessoas da comunidade, das equipes de saúde e da própria universidade em todas as suas etapas. Este estudo problematizou o processo de implementação de um currículo baseado no ensino em comunidade em uma escola médica criada no âmbito do Programa Mais Médicos, no sertão nordestino. Para isto, trabalhou-se com interlocuções teóricas entre narrativas, memória e currículo. Teve-se por objetivo compreender como docentes médicos vivenciam o ensino baseado na comunidade, tendo em vista suas memórias da formação médica. Trata-se de estudo qualitativo, nos marcos da história oral. Para a produção das narrativas e contextualização dos sujeitos, utilizaram-se observações participantes, questionários socioeconômicos e entrevistas individuais semiestruturadas. As informações foram analisadas pela técnica de codificação temática. Os resultados são apresentados e discutidos por meio de duas categorias temáticas: &#8220;eles serão médicos dentro de uma comunidade&#8221;: currículo, memória e formação médica; e &#8220;na hora em que eu cheguei lá, quis ir embora&#8221;: atuação docente no ensino baseado na comunidade. As narrativas desvelaram as disparidades e incongruências entre uma formação médica modelada nas prescrições do currículo &#8220;tradicional&#8221; e as expectativas de atuação docente num currículo &#8220;inovador&#8221;, caracterizado pela centralidade do estudante e das necessidades de saúde locais que produzem arranjos pedagógicos diversos próprios do ensino baseado na comunidade. Nesse panorama, imbricam-se desafios, dificuldades e gratificações num movimento ainda amorfo e num espaço ainda com muitos vazios que esperam para serem preenchidos, descritos, narrados com futuras histórias de vida que poderão elucidar como se aprendeu a ser docente nesse horizonte que se espraia a nossa frente. Cumpre destacar a polissemia do termo &#8220;comunidade&#8221; no contexto estudado e as dificuldades vivenciadas no início da carreira docente, o que evidencia a necessidade de investimentos em desenvolvimento docente nos cursos médicos, em geral, e nos recém-criados, em particular.
  • Estratégia Educacional em Saúde Mental para Médicos da Atenção Básica

    Pereira,Alexandre de Araújo; Andrade,Daniela Correia Leite (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Introdução: A Estratégia de Saúde da Família e a Reforma da Assistência Psiquiátrica Brasileira têm trazido contribuições importantes para a melhora da atenção em saúde no País. Ambas defendem os princípios básicos do Sistema Único de Saúde (SUS) e propõem uma mudança no modelo de assistência à saúde, privilegiando a descentralização e a abordagem comunitária/familiar em detrimento do modelo tradicional, centralizador e voltado para o hospital Objetivos: Este artigo objetiva fornecer elementos práticos que poderão servir de modelo para a implantação de estratégias educacionais em saúde mental, para médicos que atuam na atenção básica, no contexto da realidade brasileira. Métodos: Trata-se de um estudo de investigação educacional, de enfoque qualitativo, construído com base na metodologia de triangulação de dados, colhidos em revisão da literatura, aplicação de questionários e grupos focais. O estudo foi conduzido na cidade de Sobral (CE) e contou com a participação de 26 médicos, lotados em 28 Unidades Básicas de Saúde, além de três docentes de escolas médicas brasileiras. Resultados: A maioria dos médicos de família se sentiu despreparada para o atendimento das demandas de saúde mental e identificou falhas importantes na formação durante a graduação médica. Segundo eles, os temas de saúde mental foram insuficientes, de cunho eminentemente hospitalar, curativo e fora do contexto da atenção comunitária. Em alguns casos, a formação ocorreu de maneira bastante negativa, reforçando preconceitos e tabus em relação ao atendimento psiquiátrico e criando barreiras que dificultaram o interesse e a disponibilidade desses médicos para atender pacientes portadores de transtornos mentais. A estratégia educacional resultante deste estudo oferece às equipes de saúde e às instituições formadoras de recursos humanos referências conceituais, práticas e metodológicas para a elaboração de programas de qualificação em saúde mental, no contexto da atenção básica à saúde. Conclusões: As ferramentas de identificação de necessidades de aprendizado em saúde utilizadas neste estudo mostraram-se úteis na elaboração de programas de educação permanente junto aos profissionais da rede básica. Para maior validação da proposta, recomenda-se sua aplicação e avaliação em outros municípios brasileiros.
  • Estilos de Pensamento na Escolha da Especialidade Médica e Sua Correlação com as Políticas de Provimento para a Atenção Básica à Saúde - Um Estudo de Caso

    Maeyama,Marcos Aurélio; Ros,Marco Aurélio Da (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
    RESUMO A publicação das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Medicina, em 2001, iniciou um processo de mudança nos cursos de Medicina, buscando atender às necessidades do Sistema Único de Saúde no que diz respeito à formação para a atenção básica. Uma das maiores dificuldades encontradas para a consolidação da atenção básica reside na na carência de profissionais em quantidade e qualidade. Nesse contexto, o objetivo desta pesquisa, de cunho qualitativo, foi identificar os aspectos que envolvem a escolha da especialidade médica em alunos egressos da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) que tiveram participação efetiva durante a graduação em projetos na atenção básica. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, e a análise de dados foi executada por meio da categoria Estilo de Pensamento, desenvolvida por Ludwik Fleck. Os resultados demonstraram a hegemonia de um estilo de pensamento com características voltadas para a especialidade focal e com visão mercantil sobre a profissão, porém com visão ampliada para abordagem dos problemas, denominado, dessa forma, Estilo de Pensamento Flexneriano Ampliado. De modo contrahegemônico, também foi identificado um estilo de pensamento voltado à prática generalista integral, com caráter eminentemente público, aqui chamado de Estilo de Pensamento da Atenção Básica. A hegemonia do Estilo de Pensamento Flexneriano foi justificada especialmente pela força dos acoplamentos neoliberais, corroborados também pela estrutura curricular majoritariamente flexneriana. As complicações vivenciadas por alguns entrevistados no trabalho de atenção básica também foram consideradas impedimentos importantes que dificultam a consolidação do Estilo de Pensamento da Atenção Básica e, consequentemente, sua escolha como campo de trabalho. Os tráfegos intercoletivos também apresentaram importância no processo de escolha da especialidade médica, porém ainda hierarquizados pelos acoplamentos. Em que pesem estas escolhas, a aproximação com a atenção básica demonstrou ser bastante importante na construção da contra-hegemonia e na formação de matiz com visão ampliada do Estilo de Pensamento Flexneriano clássico, ambos importantes para a mudança do modelo de atenção.
  • Evaluation of Residency Admission Exams

    Aragão,Júlio César Soares; Casiraghi,Bruna; Coelho,Otávio Cabral; Sarzedas,Amanda Rangel Macedo; Peloggia,Stéfanie Maria Moura; Huguenin,Tássio de Faria (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
    ABSTRACT Introduction: Residency admission exams, although not intended to evaluate medical training, do so in an indirect way. The evaluation of the quality of the medical residency tests allows, among other things, to re-evaluate the training process itself and the skills expected of the candidates. Objective: To evaluate first phase exam tests of different medical residency programs in the largest Brazilian urban centers. Method: We evaluated 500 questions of residency admission exams in the states of São Paulo, Rio de Janeiro and Minas Gerais. The items were evaluated in terms of their origin, geographical location, area of knowledge, contextualization, context scenarios and complexity by Bloom's taxonomy. Results: Most of the questions presented contextualization (64.4%, n = 322), with predominant scenarios of high complexity and in hospital environment. The predominant taxonomic category was identified as recognition (41.60%, n = 208), the second most frequent was judgment, in 26% of the questions (n = 130), followed by synthesis (15%, n = 75), analysis (7.60%, n = 38), comprehension (6%, n = 30) and application (3.8%, n = 19). Considering the dichotomization between questions of theoretical and clinical reasoning, we found a balance between both (clinical reasoning: 48.9%, n = 243; theoretical reasoning: 51.4%, n = 257). The association of contextualization with clinical reasoning was high, with the relative risk of an item requiring clinical reasoning in the presence of contextualization of 26.31 (CI 11.06 &#8211; 62.59). Final considerations: The scenario outlined by the present research demonstrates that the different selective processes for medical residency in Brazil differ greatly in relation to the selection profile, with hospital-centered focus, favoring scenarios of high complexity in a hospital environment. Although much has been done and discussed in order to promote changes in medical education in Brazil, the selection process for Medical Residency still fails to reflect the changes advocated since the end of the last century and consolidated in the public policies of the beginning of this century. If we consider that the selected professionals are likely to remain at that institution after the end of their undergraduate studies, then we can have some understanding of the feedback cycle that is created in the programs.
  • Neurophobia in Brazil: Detecting and Preventing a Global Issue

    Santos-Lobato,Bruno Lopes; Magalhães,Átila Barros; Moreira,Diego Goes; Farias,Fredison Pinheiro; Porto,Lara Khaled; Pereira,Rodrigo Bentes; Custódio,Sávio Sérgio; Braga,Tiago Kiyoshi Kitabayashi (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    ABSTRACT Neurophobia is a global issue known as a fear of Neurology and Neurosciences by medical students and physicians, and it may contribute to a reduced number of trained neurologists and a global misunderstanding of neurological diseases among physicians. To date, there are no studies that address the issue of Neurophobia in Brazil. The present study aimed to evaluate the perception of Neurology and Neurosciences among Brazilian medical students. Students from four medical schools in the state of Pará, in the second (pre-clinical phase), fourth (clinical phase) and sixth (internship) years of the course, were submitted to a self-administered and written questionnaire divided into two sections: the first section included questions assessing their perceived level of interest, level of knowledge, degree of difficulty, confidence in examining patients, quality of teaching in medical school and likelihood of pursuing the career, concerning different clinical specialties (Cardiology, Endocrinology, Gastroenterology, Nephrology, Neurology, Respiratory Medicine and Rheumatology). In the second section, there were questions about possible reasons why Neurology was perceived as a difficult subject and possible ways to improve neurological education. A total of 486 questionnaires were completed. Neurology was perceived as the most difficult clinical specialty (mean score 4.00; p < 0.001), in which students feel least confident about conducting physical examinations (mean score 2.97; p < 0.001), and with the worst quality of teaching (mean score 3.12; p < 0.001). The main cause of Neurophobia was the need to know neuroanatomy and neurophysiology (very important reason for 39.4% of students), and the most frequently suggested method to improve neurological education was through more and better bedside tutorials (very important factor &#8212; 53.3%). Students developing extracurricular activities, women and older students had more unfavorable opinions about Neurology. Neurophobia is also present in Brazil, and new educational approaches must be proposed to improve the misperception of Neurology by medical students. The Medical Education Commission of the Brazilian Academy of Neurology should propose guidelines on Neurology teaching at undergraduate level.
  • O Ensino da Patologia e Sua Influência na Atuação de Patologistas e Infectologistas no Rio de Janeiro

    Pereira,Patricia Fonseca; Souza,Claudia Teresa Vieira de; Hora,Dinair Leal da; Possas,Cristina de Albuquerque; Menezes,Rodrigo Caldas (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Estudos sobre o ensino da patologia no Brasil são escassos e mostram um cenário desmotivador para estudantes e professores. Embora essa disciplina seja fundamental à formação médica, o distanciamento entre o seu ensino e o das demais disciplinas clínicas leva ao não reconhecimento, por parte dos estudantes, da importância da patologia para a formação profissional, especialmente na área de doenças infecciosas. O objetivo deste estudo foi investigar o processo de formação e produção do conhecimento em patologia em três faculdades de Medicina com ensino tradicional no Estado do Rio de Janeiro e seu impacto na atuação de patologistas e infectologistas. Trata-se de um estudo qualitativo com utilização da técnica do discurso do sujeito coletivo em entrevistas semiestruturadas. Foram entrevistados sete professores de patologia de duas faculdades públicas e de uma particular e dez médicos - cinco patologistas que atuavam no Rio de Janeiro e cinco infectologistas de um centro de referências em doenças infecciosas no Rio de Janeiro. A disciplina de patologia é oferecida de forma descontextualizada em períodos específicos. Professores reconhecem que aulas descontextualizadas não estimulam o interesse pela especialidade nem preparam estudantes para interação com patologistas e serviços de anatomia patológica. Para infectologistas, falta percepção da importância da patologia na graduação, o que para patologistas gera dificuldades na interação com infectologistas, resultando em preenchimento incompleto de solicitação de exames histopatológicos, dificuldade na interpretação de laudos e envio inadequado de amostras. Infectologistas e patologistas acreditam que mais aulas práticas, maior integração com a clínica e a presença do patologista em outros cenários de aprendizagem aumentem o interesse pela patologia. Todos os professores, infectologistas e patologistas pesquisados reconheceram a existência de lacunas no ensino-aprendizagem na disciplina de patologia na graduação médica e a necessidade de reformulação para torná-la uma especialidade mais interessante e alinhada à realidade profissional.
  • Projeto Sérgio Arouca: Relato de Experiência

    Maeyama,Marcos Aurélio; Cutolo,Luiz Roberto Agea; Chaves,Marcos Vinícius; Barni,Rafael dos Santos (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Historicamente, a formação médica encontra-se voltada para o tradicional modelo biomédico. As Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Medicina, aprovadas em 2001, indicam a necessidade de ajustar a formação de recursos humanos ao serviço, seguindo os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS). Em conformidade com tais Diretrizes, o governo federal elabora, em 2005, o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde), com o objetivo de favorecer a formação de profissionais adequados às perspectivas da Atenção Básica. Em 2009, no contexto do Pró-Saúde e inspirados pelo Projeto Rondon, professores do curso de Medicina da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) criam o Projeto Sérgio Arouca, uma iniciativa que visa à atuação na Atenção Básica de municípios carentes do Estado de Santa Catarina. O presente relato baseia-se em participações de acadêmicos de Medicina e objetiva demonstrar o quanto estas experiências foram enriquecedoras para a formação profissional e a construção de uma nova visão da prática médica, enfrentando situações e cenários distintos dos vivenciados no cotidiano na universidade.
  • Incorporando a Competência Cultural para Atenção à Saúde Materna em População Quilombola na Educação das Profissões da Saúde

    Freitas Júnior,Reginaldo Antônio de Oliveira; Santos,Carolina Araújo Damásio; Lisboa,Lilian Lira; Freitas,Ana Karla Monteiro Santana de Oliveira; Garcia,Vera Lúcia; Azevedo,George Dantas de (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
    RESUMO INTRODUÇÃO: A educação das relações étnico-raciais e a história da cultura afro-brasileira, previstas nas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Medicina como temas transversais, representam um desafio para o desenvolvimento curricular no contexto da social accountability, das metodologias de ensino e dos cenários de prática e integração à rede de serviços de saúde. OBJETIVOS: Identificar as necessidades relacionadas à saúde materna em população quilombola, valorizando os valores, conhecimentos, saberes e cultura local. Estabelecer uma estratégia de cuidado, com participação discente, que contemple as necessidades identificadas na comunidade quilombola. Descrever os conhecimentos, habilidades e atitudes necessários ao desenvolvimento de competências culturais relacionadas à saúde materna das mulheres quilombolas. MÉTODOS: Pesquisa-ação para implantação de serviço de atenção interprofissional no pré-natal, com participação discente, tendo por base as necessidades da comunidade quilombola Capoeiras, em Macaíba (RN). Os dados foram analisados qualitativamente, pela técnica de análise de conteúdo temática categorial, com categorias definidas a priori. RESULTADOS: A criação de vínculos (a)efetivos entre usuárias e equipe de saúde e a habilidade de reflexão com ênfase na comunicação se mostraram como principais necessidades para o comportamento culturalmente competente no cuidado à saúde materna quilombola. As oportunidades de o estudante de Medicina conhecer a situação de saúde da população quilombola e vivenciar o trabalho interprofissional se mostraram estratégias efetivas para potencializar o desenvolvimento de competências culturais na formação médica. CONCLUSÕES: A formação de profissionais da saúde hábeis em interagir eficazmente com populações etnicamente diversas requer que estes conheçam os processos que influenciam a saúde e cuidados de saúde das minorias populacionais, além de vivências relacionadas à diversidade cultural, inseridas nos currículos médicos.
  • A Jornada do Acadêmico de Medicina - Um Modelo Simbólico da Formação Médica

    Aragão,Júlio Cesar Soares; Rossi,Henrique Rívoli; Casiraghi,Bruna (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Formar-se médico é reconhecidamente uma tarefa árdua e que envolve grandes desafios, que se iniciam no processo de entrada para a universidade e se estendem durante o longo processo de formação. No presente ensaio, revisita-se o modelo clássico da Jornada do Herói, também conhecido como monomito. Este modelo, proposto pelo antropólogo Joseph Campbell e revisado pelo roteirista cinematográfico Christopher Vogler, foi utilizado para descrever e compreender as diferentes percepções das transformações sofridas pelos acadêmicos de Medicina ao longo do curso. O presente trabalho consiste em um ensaio teórico interpretativo que busca correlacionar a vivência do percurso de formação do estudante de Medicina com a Jornada do Herói. Mesmo considerando que as situações individuais são vivenciadas em sua singularidade, a análise dos aspectos comuns fornece subsídios para identificar aspectos de vivências coletivas. Não se pretende provar nenhum ponto específico, mas justamente discutir como as etapas do monomito se apresentam no cotidiano acadêmico. O que se busca é interpretar a vivência do percurso formativo de um estudante de Medicina na perspectiva do arquétipo do herói, identificando os eventos que definem as etapas ou passos na Jornada, segundo a visão de Campbell. A discussão traz a lume a jornada do acadêmico apresentada segundo os passos propostos inicialmente: quatro atos contendo três passos cada. É importante ressaltar que os estágios não são propostos como etapas fixas ou obrigatórias, mas, sim, como sendo passíveis de embaralhamento, supressão ou acréscimo, sem comprometimento da narrativa. Dessa forma, os principais eventos da trajetória do estudante de Medicina foram confrontados com os eventos previstos do monomito, enfatizando o caráter simbólico da jornada, que é primordial. As similaridades entre a Jornada do Herói e a experiência acadêmica foram analisadas, fornecendo subsídios que fomentem a discussão dos aspectos simbólicos da formação médica, seus impactos nas situações vivenciadas por alunos, professores e profissionais médicos, bem como sua repercussão no relacionamento do médico com a sociedade e consigo mesmo.
  • Percepção de Acadêmicos de Medicina e de Outras Áreas da Saúde e Humanas (Ligadas à Saúde) sobre as Relações entre Espiritualidade, Religiosidade e Saúde

    Ferreira,Tassiani Turra; Borges,Maria de Fátima; Zanetti,Guilherme Cia; Lemos,Gustavo Luis; Gotti,Eduardo Souza; Tomé,Janaíne Machado; Silva,Adriana Paula da; Rezende,Elisabete Aparecida Mantovani Rodrigues de (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
    RESUMO Introdução: Alguns autores encontraram relação estreita e positiva da religiosidade e espiritualidade com comportamentos saudáveis, resultando em saúde adequada. Além disso, dados da literatura sugerem que, de modo geral, as pessoas se apoiam em suas crenças para enfrentar momentos de dificuldades pessoais e coletivas. Os profissionais cujas práticas estão ligadas ao cuidado em saúde necessitam se capacitar para atender e respeitar as manifestações e necessidades dos pacientes no que se refere a religiosidade e espiritualidade. Objetivos: Investigar o que pensam os acadêmicos ingressantes no curso de Medicina e de outras áreas da saúde e humanas acerca do tema; identificar o papel e a importância da religiosidade e espiritualidade em suas vidas e futuras práticas profissionais. Metodologia: Trata-se de estudo quantitativo-qualitativo, descritivo, transversal, de amostra intencional. Entre fevereiro e abril de 2014, foi aplicado aos acadêmicos do primeiro período de Medicina, Biomedicina, Enfermagem, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Nutrição, Psicologia e Serviço Social um questionário que avaliou variáveis sociodemográficas e conceitos que envolvem religiosidade e espiritualidade e saúde. A análise dos dados empregou Qui-Quadrado clássico, feita pelo SPSS versão 2.0, e P < 0,05 foi considerado significante. Resultados: Foram selecionados 270 alunos, de 18 a 43 anos; entretanto, 183 preencheram o questionário, sendo a maioria do sexo feminino, de família convencional, cristã/católica, que herdou a religião dos pais; 78,6% (144/183) referiram afiliação religiosa, 43,5% (87/183) a exercem de forma organizacional. A maioria dos indivíduos considerou que a religiosidade e espiritualidade confere sentido a suas vidas, fortalece em momentos difíceis, traz benefícios à saúde, e considera importante a abordagem de temas relacionados em sua formação acadêmica, enquanto 31,4% (57/183) referiram que houve influência da religiosidade e espiritualidade na escolha profissional. Conclusão: Os alunos das áreas estudadas que ingressaram na Universidade Federal do Triângulo Mineiro manifestaram características positivas relacionadas ao tema religiosidade e espiritualidade, e têm expectativa de uma abordagem mais integral e espiritual do homem na grade curricular.
  • A Aprendizagem Baseada em Casos da Atenção Primária à Saúde nas Escolas Médicas Brasileiras

    Chini,Helena; Osis,Maria José Duarte; Amaral,Eliana (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
    RESUMO Este estudo visou conhecer a inserção dos estudantes na comunidade das escolas médicas brasileiras e como essas escolas estão realizando a integração curricular dos conteúdos básicos ao clínico por meio de casos clínicos vivenciados da atenção primária à saúde. Um questionário estruturado, com 26 itens, pré-testado, foi enviado inicialmente por e-mail aos coordenadores de 160 cursos de Medicina reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC), com pelo menos uma turma de egressos. As escolas e os coordenadores foram identificados com base na lista de escolas filiadas à Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), no período de maio a outubro de 2013. O questionário foi respondido por 108 coordenadores das escolas médicas associadas. As respostas foram obtidas por e-mail, entrevista gravada por telefone (telepesquisa) e impressos (face a face), de maio a outubro de 2013, após assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Os dados foram tabulados e analisados por meio de estatística descritiva, com distribuição percentual das variáveis categóricas, utilizando o programa estatístico Epi-InfoTM, versão 7.1.4.Para 88% dos coordenadores entrevistados, a escola prevê a integração curricular entre ciências básicas e clínicas; 58,3% apresentam integração curricular por meio da metodologia da problematização com casos clínicos da atenção primária à saúde;para 43,5% dos entrevistados, os conteúdos estão parcialmente integrados. Todas as escolas seguem as DCN 2001 e 38,9% delas receberam auxílio de políticas indutoras do governo federal. O currículo está norteado pelos agravos mais prevalentes para 63,9% das escolas, e 75,9% consideram os objetivos de aprendizagem relevantes para a população. Um total de86,1% prevê o trabalho com equipe multiprofissional, e 56,5% das escolas integram o médico de família com as demais especialidades. Para 71,3%, as atividades na comunidade aumentam a responsabilidade social dos egressos, e 37% acreditam que essas atividades possam auxiliar na melhor distribuição dos futuros profissionais. De acordo com os coordenadores, a maioria das escolas médicas apresenta integração de conteúdos básico-clínicos, e 67,6% opinaram que as estratégias utilizadas para integração em suas escolas são bem-sucedidas.

View more