• ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA AO ALUNO DE MEDICINA: O INÍCIO DE UMA EXPERIÊNCIA

      Millan,Luiz Roberto; Barbedo,Marina Fátima (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Resumo: Os autores, responsáveis pelo atendimento dado pelo Grupo de Assistência Psicológica ao Aluno da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, apresentam observações oriundas da atividade inicial com os primeiros e quintanistas. Foram identificadas dificuldades de adaptação ao novo sistema de estudo, em relação ao corpo docente e discente, ao paciente e à instituição.
    • CIRURGIA AMBULATORIAL - EXPERIÊNCIA DA LIGA DE CIRURGIA AMBULATORIAL DO CENTRO ACADÊMICO OSWALDO CRUZ DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

      Rodrigues Jr,Aldo Junqueira; Yamamuro,Elisa; Speranzini,Mauro M.; Speranzini,Manlio B.; Oliveira,Mario Ramos de (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Resumo: O sucesso e a crescente valorização dos Centros de Cirurgia Ambulatorial, nos últimos anos, vem aumentando o elenco de operações passiveis de serem realizadas a nível ambulatorial. Neste contexto, a Liga de Cirurgia Ambulatorial representa uma nova filosofia de ensino aplicável em instituição universitária no sentido de proporcionar ao acadêmico de Medicina, habilidade profissional para solucionar parte considerável das necessidades de sua comunidade. Foram realizadas 169 operações, pela Liga de Cirurgia Ambulatorial, no período de julho de 1986 a março de 1987, coordenada e supervisionada diretamente por docentes da 3a Clinica Cirúrgica do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Serviço do Prof. Mário Ramos de Oliveira). Nesta casuística não se observou nenhuma complicação no ato operatório. 82,24% dos casos operados foram seguidos até a alta ambulatorial. Houve 20 complicações pós-operatórias sendo duas de natureza infecciosa.
    • O ENSINO DA REPRODUÇÃO HUMANA, CONTROLE DA FERTILIDADE E DOS ASSUNTOS POPULACIONAIS NAS FACULDADES DE MEDICINA DOS ESTADOS DE SÃO PAULO E RIO OE JANEIRO

      Canesqui,Ana Maria (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Resumo: O artigo analisa o ensino nas escolas médicas dos seguintes assuntos: reprodução humana, regulação da fertilidade e assuntos populacionais. Ênfase é dada no conteúdo do ensino, origens e alterações e departamentos envolvidos nos programas. Este trabalho é baseado numa pesquisa realizada em 1982 em 32 escolas médicas localizadas nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Efetua uma comparação com resultados de outra pesquisa sobre o mesmo tema reaizada em 1966.
    • CARGAS DEPARTAMENTAIS NA ESTRUTURA CURRICULAR DA GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

      Marcondes,Eduardo (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Resumo: O autor relata algumas características da reorientação curricular do curso de graduação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, apresentando as cargas horárias dos Departamentos que integram a graduação em Medicina. A carga horária total é de 11.040 horas, sendo 8.520 horas (77, 17%) destinadas à Faculdade de Medicina. As áreas fundamentais da formação profissional do aluno (Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Pediatria, Tocoginecologia e Clínica de Moléstias Infecciosas e Parasitárias) detém 50, 72% do total da graduação. Os estágios em emergência somam 900 horas (8,15% da graduação). O autor comenta, também, a carga horária restrita do Departamento de Psiquiatria, bem como das disciplinas oferecidas no Centro de Saúde Escola.
    • UMA PROPOSTA PARA REFLEXÃO DA UNIVERSIDADE SOBRE A EDUCAÇÃO MÉDICA NO PAÍS

      Oliveira,Jane Araújo (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Resumo: As reformulações propostas para o ensino médico nos últimos anos introduziram poucas modificações na qualidade do profissional que se forma. Sugere-se que as novas propostas se encontrem sempre vinculadas a discussões sobre o tipo e o caráter ideológico na prática médica e que é necessário uma discussão mais centrada no próprio método clínico, definição de doença, doente e tratamento para enriquecer a questão do ensino e apontar, com mais clareza, algumas diretrizes. Afirma o autor, ainda, que a questão sobre o relacionamento saber - prática médica está presente nas reflexões dos profissionais, mas que é necessário ampliar os debates na Universidade para que esta exerça o seu papel de reflexão e cn1ica sobre o conhecimento e a prática decorrente.
    • MEDICINA GERAL COMUNITÁRIA: NOVOS RUMOS?

      Bordin,Ronaldo; Silva,Jacqueline Oliveira (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
      Os autores analisam os novos rumos do movimento dos médicos gerais comunitários.
    • O SISTEMA DE CRÉDITOS E A MATRÍCULA POR DISCIPLINA: ATORES DESINTEGRADORES DO ENSINO MÉDICO

      Lisboa,Antônio Márcio Junqueira (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
    • CIRURGIA GERAL (Bases da Cirurgia)

      Silva,Alcino Lázaro da (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
    • Editorial

      Barbosa Prof.,Frederico Simões (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-04-01)
    • INTERNATO EM CLÍNICA MÉDICA - O PRONTO ATENDIMENTO COMO ATIVIDADE

      Bianchini,Elizabeth Xavier; Cavalheiro,Paulo Tadeu Romagna (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Resumo: Os autores analisam os relatórios dos plantões realizados pelos alunos internos de Clínica Médica no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Hospital Universitário da Santa Maria (HUSM), no período de janeiro de 1984 a dezembro de 1985. Os capítulos da Classificação Internacional de Doenças com maior incidência, nos 13.328 diagnósticos, foram "Doenças do aparelho respiratório" (2.055 casos, 15,4%), "Sintomas, sinais e afecções mal definidas" (1.951 casos, 14,64%), "Lesões e envenenamentos" (1.701 casos, 12,76%), Doenças do aparelho circulatório" (1.247 casos, 9,36%). Infecções respiratórias agudas (1.120 casos, 8,40%), hipertensão (508 casos, 4,35%) e distúrbios mentais não psicóticos (522 casos, 3,92%j foram as doenças predominantes. Cada interno realizou, em média, 13,87 horas de plantão semanalmente. A maioria dos atendimentos não caracterizaram situações de urgência; muitos diagnósticos foram indefinidos· salientam que os doutorandos necessitam adequado preparo em Medicina de Urgência e que o SPA do HUSM necessita se adequar a sua realidade.
    • MEDICINA DO EXERCÍCIO: O QUE É ENSINADO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO MÉDICA NO BRASIL

      Nóbrega,Antonio Cláudio Lucas da; Araújo,Cláudio Gil Soares de (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Resumo: A aquisição de hábitos saudáveis de vida constitui a mais eficiente forma de combate às doenças do aparelho cardiovascular, as quais se tornaram a principal causa de morte nos grandes centros urbanos. A prática da atividade física regular é uma das medidas mais importantes no aumento da qualidade e quantidade de vida, devendo o médico estar capacitado a prescrever exercício físico corretamente. Com o objetivo de avaliar a situação nacional do ensino de graduação da Medicina do Exercício, foram enviados questionários às Direções de todas as Escolas Médicas de graduação do Brasil. Os resultados mostraram que é deficiente a abordagem sobre exercício físico tanto do ponto de vista de mecanismos básicos quanto da aplicação clínica, levando a formação de médicos que desconhecem a relevância médico-social da atividade física e que carecem de informações para uma segura e eficiente prescrição de exercícios físicos. As possíveis causas e consequências de tal situação são discutidas.
    • O ENSINO DE FARMACOLOGIA MÉDICA DIRECIONADO À REALIDADE: EXEMPLO DE UMA EXPERIÊNCIA PIONEIRA

      Fuchs,Flávio Danni; Wannmacher,Lenita; Victor,Marcelo (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Resumo Os autores preconizam o ensino de Farmacologia Médica voltado à realidade de prescrição em nosso meio, relatando experiências pedagógicas fundamentadas na solução de problemas. Dentre elas, que incluem solução de casos clínico-farmacológicos simulados, seminários de análise crítica da literatura original em Farmacologia aplicada e aulas expositivas, salienta-se a atividade prática da disciplina: preenchimento de fichas de avaliação da prescrição medicamentosa de pacientes internados no hospital-escola. No presente trabalho descrevem-se a metodologia dessa atividade e os resultados obtidos.
    • ESTÁGIO DE SAÚDE ESCOLAR: UM PROGRAMA DE ENSINO PARA RESIDENTES DE PEDIATRIA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE OE SÃO PAULO.

      Mascaretti,Luiza A. S.; Primo,Ednéia; Freschi,Solange Arlete; Leone,Cláudio (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Sumário: Um programa de ensino de Saúde Escolar, vem sendo desenvolvido junto à residentes de 1º ano de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com uma população de escolares, num trabalho de desenvolvimento comunitário. Os autores apresentam um breve histórico do programa, o programa de ensino propriamente dito, suas principais dificuldades e finalizam tecendo considerações em relação aos aspectos positivos do mesmo tanto em relação aos residentes quanto à população de escolares.
    • PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA MÉDICA - ESTUDO DE CASO: RIBEIRÃO PRETO (1970-1987)

      Amorim,Dalmo de Souza (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Resumo: O presente artigo contém a apresentação de atividades na pós-graduação na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto desde a implantação dos programas. O objetivo desde logo definido era a formação de docentes e pesquisadores para as áreas Biomédicas e Médicas, capazes de suprimir as necessidades de expansão do ensino superior no país e permitir a nucleação de grupos de pesquisa diferenciados. Ainda que ressaltando o êxito e a consolidação dos programas, o autor examina as possibilidades de reorientação à luz da experiência já vivenciada e das condições atuais do ensino superior brasileiro.
    • A UTILIZAÇÃO DA ESTATÍSTICA NA ÁREA MÉDICA

      Braga,Christina Marília da Silva (Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01)
      Resumo: No presente estudo são comentados trabalhos que se ocupam com o uso da Estatística em artigos publicados em periódicos médicos nacionais e estrangeiros.
    • Editorial

      Associação Brasileira de Educação Médica, 1988-08-01
    • CURSO DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU CARACTERÍSTICAS E ASPECTOS EVOLUTIVOS (1963-1988)

      Montelli,Augusto Cezar; Magaldi,Cecília (Associação Brasileira de Educação Médica, 1989-12-01)
      Resumo: Neste trabalho os autores fazem uma avaliação sumária dos aspectos mais relevantes do Curso da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP, que completou vinte e cinco anos, em 1988. Foram analisadas as características do ensino nessa instituição, em relação a: corpo discente, corpo docente e currículo, em três momentos distintos de seu desenvolvimento (1968, 1978 e 1988). Evidenciou-se elevação progressiva do número de estudantes do sexo feminino de 1963 a 1983. Registrou-se considerável ampliação do corpo docente no período, atingindo 189 em 1988, dos quais 89% em regime de dedicação integral à docência e pesquisa. Observou-se um acréscimo de 100% no número de disciplinas, de 1968 para 1978, sobretudo no 4° e 5º anos do curso, relacionadas ao surgimento de especialidades e/ou sub-especialidades, notadamente em 1988. A análise global indica a necessidade de reformulação de currículo e curso.
    • O DESAFIO DA EDUCACÃO MÉDICA NA PASSAGEM DO MILÊNIO

      Siqueira,Benedictus Philadelpho de (Associação Brasileira de Educação Médica, 1989-12-01)
    • CAPACIDADE DE FORMAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: ABORDAGEM QUANTITATIVA. O CASO DA PEDIATRIA

      Azevedo,Antonio Carlos de; Bevilacqua,Ruy G.; Sampaio,Sílvia de AI. Prado (Associação Brasileira de Educação Médica, 1989-12-01)
      Resumo: Os autores apresentam uma metodologia quantitativa de avaliação objetiva da capacidade de formação de programas de Residência Médica. Tecem breves comentários a respeito da história desse tipo de recurso de treinamento médico, e sua importância atual. Como parte de uma série de estudos a respeito dos programas de Residência Médica do Estado de São Paulo, Brasil, o apresentado tem por objetivo permitir a alocação de recursos entre diferentes instituições, assim como localizar em determinada instituição aqueles fatores que devem ser incrementados com a finalidade de ampliar sua capacidade de formação. O método envolve o estabelecimento de uma relação de 30 indicadores, sendo três na área de aspectos físicos, 14 na de aspectos funcionais, 7 na área de Recursos Humanos e 6 na de atividades didáticas complementares. Os indicadores foram submetidos a três painéis de 30 peritos (especialidades clínicas, especialidades cirúrgicas e outro referente a meios de apoio diagnóstico e terapêutica e outros), que por intermédio de um processo Delphi em três turnos estabeleceram pontuação ("pesos") para cada indicador. Paralelamente, por meio de um questionário encaminhado aos coordenadores dos programas e de entrevistas com os responsáveis foram estabelecidos os valores para cada um dos componentes dos indicadores em cada Programa. A seguir, tais valores foram transformados em seu correspondente como variável padrão ("Z"), com o intuito de eliminar a grande variação nos valores absolutos das diferentes variáveis. Os valores padronizados das distintas variáveis foram multiplicados pelos pesos descritos anteriormente e as­sim encontrados índices de capacidade de formação para cada indicador; para as diferentes áreas de análise e, um indicador de capacidade de formação para a instituição em questão. Exemplificando com o caso dos 12 programas de Residência Médica em Pediatria do Estado de São Paulo, os autores demonstram como os indicadores en­contrados podem facilitar a comparação entre a capacidade de formação dos distintos programas e ainda permitir a identificação de áreas e setores cujo incremento poderiam resultar na ampliação de tal capacidade.
    • CURSO DE PEDIATRIA PREVENTIVA E SOCIAL II PARA O 5° ANO DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE 15 ANOS

      Mascaretti,Luiza Arthemia Suman (Associação Brasileira de Educação Médica, 1989-12-01)
      Sumário: Um estudo retrospectivo foi feito relativo às atividades desenvolvidas junto aos quintanistas da FMUSP nos últimos anos cursando a disciplina de Pediatria Pre­ventiva e Social II. A autora relata os objetivos do curso, a metodologia e avaliação do mesmo ressaltando a importância que este tem tido na formação dos alunos, ou seja, ajudando-os a criar responsabilidade diante dos clientes e exercerem Puericultura em nível de 1a linha (atenção primária em saúde).