• 50 anos da Abem

      Ferreira,José Roberto (Associação Brasileira de Educação Médica, 2012-09-01)
    • 50 anos de Abem e seu compromisso com a residência médica

      Hamamoto Filho,Pedro Tadao; Danila,Arthur Hirschfeld; Farret,Túlio Cícero Franco; Menegotto,Diego Millán; Silva,Thiago Henrique dos Santos (Associação Brasileira de Educação Médica, 2013-03-01)
    • 6 Práticas Educativas em Saúde: Integrando Sexualidade e Gênero na Graduação em Medicina

      Rufino,Andréa Cronemberger; Madeiro,Alberto Pereira (Associação Brasileira de Educação Médica, 2017-01-01)
      RESUMO A promoção da saúde sexual está na pauta do exercício cotidiano da medicina. Nesse sentido, o debate sobre a inclusão da sexualidade nos currículos das escolas médicas permanece um tema atual em publicações mundiais sobre o ensino médico. Este relato visa divulgar uma experiência de educação em saúde que integra as temáticas sexualidade e gênero na formação médica. A experiência foi realizada por meio de dois cursos de extensão ofertados a estudantes de graduação em Medicina no Piauí. Os cursos, denominados Teórico-Prático em Sexualidade e Sexualidades no Cinema (Cinesex), ofereceram 105 vagas em duas modalidades metodológicas distintas com carga horária de 40 horas, distribuída em dez módulos. Os objetivos de ambos os cursos incluíram melhorar o conhecimento dos estudantes sobre a dimensão biopsicossocial da sexualidade, estimular a mudança de atitudes diante de temas sexuais e de gênero, e facilitar a aquisição de habilidades para a assistência em saúde sexual. O curso Cinesex promoveu a exposição de filmes com temática sexual e/ou de gênero para um grupo de 80 estudantes, com foco central na prática pedagógica de sensibilização e mobilização de sentimentos, opiniões e vivências sobre sexualidade e gênero. O debate que se seguiu após a exposição permitiu a reflexão sobre atitudes e habilidades na assistência em saúde sexual. O curso Teórico-Prático em Sexualidade foi oferecido a um grupo de 25 estudantes e utilizou a prática de sensibilização, acrescida da oferta de bibliografia específica aos temas de cada módulo para favorecer o aprofundamento das discussões. A aquisição de habilidades na realização de uma anamnese sexual foi treinada ao longo dos módulos com este grupo mais restrito de estudantes. As práticas pedagógicas de ambos os cursos foram centradas na sensibilização dos estudantes para os temas sexuais e de gênero por meio de recursos audiovisuais, debate de marcos teóricos e discussão de casos clínicos. A participação discente evidenciou mitos e preconceitos relacionados à sexualidade e dificuldades para conversar sobre o tema. As práticas pedagógicas centradas nos estudantes propiciaram um ambiente favorável ao acolhimento, à desconstrução de dúvidas e à aquisição de conhecimentos e habilidades para a assistência.
    • “Além da Mama”: o Cenário do Outubro Rosa no Aprendizado da Formação Médica

      Couto,Vanessa Brito Miguel; Sampaio,Bernardo Pires; Santos,Candice Messias Barbosa; Almeida,Igor Santos de; Santos,Nicolle Guimarães Souza; Santos,Daniel Cézar; Coelho,Fátima Luísa Penha; Menezes,Tallita Anny Matos de; Correia,Gustavo Soares; Medeiros,Scarlet Cardoso; et al. (Associação Brasileira de Educação Médica, 2017-01-01)
      RESUMO O câncer de mama pode ser considerado, atualmente, um problema de saúde pública devido a sua crescente incidência e índices de letalidade. Diante disso, o movimento Outubro Rosa visa chamar a atenção da população a respeito dessas neoplasia em mulheres de todo o mundo, de modo que suas ações têm por objetivo comum realizar o diagnóstico precoce no intuito de diminuir a mortalidade em decorrência dessa neoplasia. Dessa forma, o presente artigo objetiva relatar a experiência de acadêmicos do curso de Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz, no Módulo de Práticas de Integração Ensino, Serviço e Comunidade III (Piesc III), numa ação conjunta com a Equipe de Saúde da Família (ESF) de Iguape, em Ilhéus (BA), no contexto do movimento Outubro Rosa, objetivando também compartilhar considerações sobre a formação médica levantadas pelo grupo acerca da vivência descrita. No período, realizou-se abordagem inicial na sala de espera, anamnese dirigida e foi feito o exame físico das mamas das pacientes que compareceram à Unidade de Saúde da Família. A experiência não consistiu apenas em identificar pacientes com suspeita de câncer de mama e quantificar os dados, mas numa oportunidade de exercício da Educação e Comunicação em Saúde e de desenvolvimento da relação médico-paciente. Ainda permitiu aos acadêmicos reconhecer e entender melhor as dificuldades das usuárias em relação à prevenção e promoção da saúde das mamas, sendo que se observou que diversas mulheres não estavam familiarizadas com os temas abordados. O estudante de Medicina precisa compreender que o conhecimento teórico-prático se reconstrói em cada paciente com contexto histórico específico e com diferentes visões e interpretações dos conceitos de saúde e doença. Além disso, o profissional médico deve exercitar, desde a graduação, habilidades que extrapolam o ortodoxo trabalho médico, assumindo também uma postura de multiplicador de cidadania, um agente propagador de direitos e deveres.
    • “Café com Educação Médica” – Breve Relato de uma Experiência para o Desenvolvimento da Docência

      Hamamoto Filho,Pedro Tadao; Romanholi,Renata Maria Zanardo; Hokama,Newton Key; Palhares Neto,Aristides Augusto; Prearo,Alice Yamashita; Ferreira,Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra; Zornoff,Denise de Cássia Moreira; Smaira,Sumaia Inaty; Borges,Vera Therezinha Medeiros; Caramori,Jacqueline Costa Teixeira (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-12-01)
      RESUMO O desenvolvimento docente é uma necessidade nas escolas para adequar o ensino médico às intensas e contínuas transformações do mundo e da sociedade contemporânea. Iniciativas de desenvolvimento docente precisam avançar para além de cursos de capacitação, evoluindo para comunidades de prática. Com o intuito de incorporar princípios da educação médica ao cotidiano do professor, em diversos níveis, desde o planejamento até a avaliação dos processos de ensino, entendemos que ambientes informais também podem constituir espaços para o desenvolvimento da docência. Assim, a Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual Paulista, criou o “café com educação médica”, uma reunião matinal quinzenal para discussão de aportes teóricos para subsidiar as ações de pesquisa e prática do Núcleo de Apoio Pedagógico. A reunião tem configuração semelhante à dos clubes de revista tradicionais no ensino de graduação e residência médica, mas com particularidades voltadas à educação em saúde. O êxito da experiência se deve à possibilidade de ocorrer desenvolvimento docente em contexto acolhedor e informal. Tendo em vista os relatos de transformação da prática docente motivados por iniciativas semelhantes ao redor do mundo e observando como nossa experiência tem sido oportuna, encorajamos as escolas médicas brasileiras a compartilharem também seus clubes de revista em educação médica e os resultados com eles obtidos.
    • A Análise de Trajetórias Assistenciais como Metodologia de Integração Ensino-Serviço na Saúde

      Argenton,Isabel Schuster; Pilecco,Romualdo de Lima; Dolinski,Carolina; Medeiros,Cássia Regina Gotler (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-12-01)
      RESUMO A integração ensino-serviço é considerada pelo Ministério da Saúde (MS) uma importante estratégia para a formação de profissionais que atendam aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Este artigo descreve um relato de experiência acerca da promoção de integração entre estudantes de Medicina e uma equipe Estratégia Saúde da Família (ESF). A partir das Visitas Domiciliares (VD) às famílias acompanhadas pelos estudantes, elaborou-se o desenho de trajetórias assistenciais que posteriormente foram discutidas com os profissionais da ESF. As trajetórias evidenciaram o agravo de doenças crônicas, o mix público-privado na utilização dos serviços de saúde e a busca de atendimento apenas quando surgem os sintomas. A equipe de saúde confirmou as dificuldades relatadas pelos usuários em relação ao atendimento especializado, ao acesso a procedimentos cirúrgicos e à realização de alguns exames. Por outro lado, os profissionais também relataram cuidados que não apareceram nas trajetórias informadas pelo usuário, como a realização de consultas médicas na ESF e atendimento realizado pela equipe de enfermagem. Observou-se que muitos usuários percebem a atenção primária (AP) como uma extensão do atendimento emergencial, não compreendendo as atribuições desse nível de atenção. Esta situação, somada à dificuldade da equipe na realização da promoção em saúde e de VD, contribui para a frustração dos trabalhadores da ESF. Esta análise permitiu aos estudantes identificar tanto as dificuldades do usuário no acesso à saúde como as da equipe para promover a integralidade do cuidado. Além disso, verificou-se certo distanciamento entre o preconizado pelas políticas públicas e os processos de trabalho, apesar dos esforços dos trabalhadores para atender às necessidades dos usuários, evidenciando também as falhas na gestão e na rede de atenção à saúde. Constatou-se a importância desta metodologia para a formação interprofissional em saúde, visto que promove a análise de situações encontradas no cotidiano de uma equipe de saúde.
    • A angústia na formação do estudante de medicina

      Quintana,Alberto Manuel; Rodrigues,Arnaldo Teixeira; Arpini,Dorian Mônica; Bassi,Luis Augusto; Cecim,Patrícia da Silva; Santos,Maúcha Sifuentes dos (Associação Brasileira de Educação Médica, 2008-03-01)
      Este trabalho objetivou conhecer as situações que se apresentam ao estudante de Medicina como angustiantes durante a sua formação e os fatores que ele identifica como originários desse sentimento. Foi empregada uma abordagem etnográfica, utilizando-se entrevistas semi-estruturadas, observação e grupos de discussão. Os dados foram analisados por meio de Análise de Conteúdo. Os alunos identificaram a dissociação entre o ciclo básico e o profissionalizante como responsável pela angústia suscitada em face do primeiro contato com o paciente, além de apresentarem estresse psicológico por terem que trabalhar com a dor e o sofrimento. Os discentes identificaram, também, como fator estressante o fato de que sua aprendizagem implica a utilização de outro ser humano. Além disso, em algumas situações, a dificuldade de relacionamento com os professores é apontada como geradora de angústia.
    • A Aprendizagem Baseada em Casos da Atenção Primária à Saúde nas Escolas Médicas Brasileiras

      Chini,Helena; Osis,Maria José Duarte; Amaral,Eliana (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-06-01)
      RESUMO Este estudo visou conhecer a inserção dos estudantes na comunidade das escolas médicas brasileiras e como essas escolas estão realizando a integração curricular dos conteúdos básicos ao clínico por meio de casos clínicos vivenciados da atenção primária à saúde. Um questionário estruturado, com 26 itens, pré-testado, foi enviado inicialmente por e-mail aos coordenadores de 160 cursos de Medicina reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC), com pelo menos uma turma de egressos. As escolas e os coordenadores foram identificados com base na lista de escolas filiadas à Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), no período de maio a outubro de 2013. O questionário foi respondido por 108 coordenadores das escolas médicas associadas. As respostas foram obtidas por e-mail, entrevista gravada por telefone (telepesquisa) e impressos (face a face), de maio a outubro de 2013, após assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Os dados foram tabulados e analisados por meio de estatística descritiva, com distribuição percentual das variáveis categóricas, utilizando o programa estatístico Epi-InfoTM, versão 7.1.4.Para 88% dos coordenadores entrevistados, a escola prevê a integração curricular entre ciências básicas e clínicas; 58,3% apresentam integração curricular por meio da metodologia da problematização com casos clínicos da atenção primária à saúde;para 43,5% dos entrevistados, os conteúdos estão parcialmente integrados. Todas as escolas seguem as DCN 2001 e 38,9% delas receberam auxílio de políticas indutoras do governo federal. O currículo está norteado pelos agravos mais prevalentes para 63,9% das escolas, e 75,9% consideram os objetivos de aprendizagem relevantes para a população. Um total de86,1% prevê o trabalho com equipe multiprofissional, e 56,5% das escolas integram o médico de família com as demais especialidades. Para 71,3%, as atividades na comunidade aumentam a responsabilidade social dos egressos, e 37% acreditam que essas atividades possam auxiliar na melhor distribuição dos futuros profissionais. De acordo com os coordenadores, a maioria das escolas médicas apresenta integração de conteúdos básico-clínicos, e 67,6% opinaram que as estratégias utilizadas para integração em suas escolas são bem-sucedidas.
    • A Arte no Ensino da Cardiologia: Relato da Experiência do Uso de Massas Moldáveis no Aprendizado da Anatomia Normal e Patológica do Coração

      Amorim Junior,Raimundo Francisco de; Severi,Rossana; Moser,Lucia Didier; Mattos,Sandra da Silva (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-12-01)
      RESUMO INTRODUÇÃO A anatomia e a fisiologia do coração humano há muito tempo despertam curiosidade, dada a complexidade da morfologia cardíaca, a sua importância para a manutenção da vida e seu grande valor simbólico. O entendimento da fisiologia cardíaca e sua representação nas diversas modalidades artísticas têm ajudado até hoje na formação de profissionais de saúde que trabalham com cardiologia e também na comunicação com familiares. Este artigo apresenta a experiência de um especializando em um serviço de referência no ensino de cardiologia pediátrica, na construção de modelos de corações normais e patológicos em massa de modelar e massa de biscuit, e as implicações no processo de ensino-aprendizagem do grupo de preceptores e residentes da instituição. RELATO DE EXPERIÊNCIA Um residente do primeiro ano de cardiologia pediátrica, sem treinamento ou experiência prévia com artes plásticas, foi estimulado pela preceptoria do programa a moldar corações normais e com cardiopatias congênitas para fins de aprendizado da anatomia interna e externa do órgão. Os materiais utilizados foram massa de modelar e massa de biscuit. RESULTADOS Dez peças foram produzidas ao longo de um ano de especialização, com melhora progressiva nos aspectos artísticos e anatômicos. Entre os modelos patológicos, foram produzidas peças representativas de tetralogia de Fallot, transposição dos grandes vasos, persistência do canal arterial e comunicação interventricular. CONCLUSÃO A experiência proporcionou três efeitos positivos constatados pela equipe: maior entendimento da anatomia cardíaca normal e patológica por parte do especializando envolvido, o qual se refletiu, por exemplo, em melhor compreensão de imagens médicas, como ecocardiografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética cardíacas, maior aproximação dos residentes do programa com as artes plásticas em uma especialidade que sempre teve uma relação muito estreita com o desenho e a escultura, e produção de modelos em três dimensões de estruturas normais e patológicas que podem ser usadas em aulas e encontros científicos para discussão da disciplina.
    • A Associação Brasileira de Educação Médica – ABEM, hoje.

      Brenelli,Sigisfredo Luis (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-12-01)
    • A atenção primária na formação médica: a experiência de uma turma de medicina

      Souza,Clarissa França Tavares de; Oliveira,Diandra Lourena Lopes de; Monteiro,Gabriella da Silva; Barboza,Haiana Madeiro de Melo; Ricardo,Gustavo Piech; Lacerda Neto,Manuel Cavalcante de; Assis,Tereza Angélica Lopes de; Moura,Alexandre Costa (Associação Brasileira de Educação Médica, 2013-09-01)
      A partir da criação do Sistema Único de Saúde (SUS) e da implantação do Programa Saúde da Família (PSF), exige-se que os novos profissionais da saúde pública desenvolvam, desde os cursos de graduação, visão integral do paciente e olhar crítico para a realidade da comunidade e para sua própria atuação no PSF. Com esse objetivo, a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (Famed-Ufal), em 2005, introduziu modificações curriculares que permitem aos estudantes uma vivência mais ampla no contexto da Atenção Primária à Saúde (APS). Este relato discorre, por meio da análise qualitativa de diários de campo, sobre as experiências de 22 acadêmicos de Medicina do segundo período durante as aulas práticas em uma comunidade coberta pelo PSF. Oitenta e seis por cento dos alunos observaram algum tipo de dificuldade enfrentada pela Unidade de Saúde; 95% destacaram a correspondência entre aulas práticas e o processo de aprendizagem; e 59% apontaram a importância da relação médico-paciente. Desta forma, o contato inicial do estudante de Medicina com os serviços de APS deve ser vivenciado de forma ativa e crítica, com estímulos para que investigue aspectos desconhecidos para ele até então.
    • A Avaliação Crítica da Literatura Médica como Instrumento de Complementação Educacional no Internato de Medicina

      Silva,Francisco Eduardo (Associação Brasileira de Educação Médica, 2018-01-01)
      RESUMO Este artigo aborda a literatura científica como um instrumento de auxílio na busca do conhecimento pelo interno de Medicina, associada a uma avaliação crítica de publicações de artigos médicos. A produção científica no mundo tem se tornado um grande aliado do ensino médico e pode ser intensificada no internato de Medicina. A saúde baseada em evidência, que engloba a melhor literatura científica, associada à experiência clínica e à vontade do paciente, tem despertado a necessidade do profissional de saúde de se atualizar por meio da literatura médica. Entretanto, muitos artigos científicos estão sendo produzidos e publicados sem terem sua qualidade avaliada. Saber escolher uma literatura por meio do conhecimento de sua crítica auxilia o profissional de saúde a otimizar seu tempo. Na graduação, o estudante tem espaço para aprender a identificar fatores relevantes para definir qual o melhor artigo e, juntamente com o aprendizado clínico, entender e discutir a melhor conduta para o paciente. A pergunta é o ponto de partida do estudante de graduação, seguida pela busca da melhor terapia, dos melhores exames diagnósticos, qualidade de vida do paciente e prognóstico de alguma doença. Esse universo impulsiona o aluno de graduação a se interessar pela leitura de um artigo relacionado a sua dúvida. A facilidade de realizar buscas nos bancos de dados eletrônicos auxilia na escolha da melhor literatura e traz ao leitor o que está sendo produzido no mundo científico. O aprendizado de como avaliar criticamente a literatura científica tem se tornado um grande parceiro do aluno da graduação de Medicina na busca de novos conhecimentos com evidência científica de alta qualidade. A importância da avaliação crítica da literatura reside em despertar nos estudantes o interesse pela pesquisa clínica associada ao conhecimento de novas tecnologias produzidas mundialmente. Sua aplicação consciente possibilita melhor qualidade na assistência clínica.
    • A avaliação do desenvolvimento infantil: um desafio interdisciplinar

      Alvim,Cristina Gonçalves; Guimarães,Fabiano Gonçalves; Meinberg,Niriana Lara Santos; Aguiar,Larissa Tavares; Caetano,Lívia Cristina Guimarães; Carrusca,Loyane Cabral; Caetano,Luciana Machado; Labanca,Ludimila; Fonseca,Nathália de Magalhães; Paulo,Rafael Antônio Madeira; et al. (Associação Brasileira de Educação Médica, 2012-03-01)
      OBJETIVO: Avaliar o desenvolvimento de crianças de 2 meses a 2 anos de idade por meio da Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI), no contexto do Programa de Educação pelo Trabalho em Saúde (PET-Saúde). MÉTODO: Estudo transversal realizado com 122 crianças, com idades entre 2 meses e 2 anos, da área de abrangência do Centro de Saúde São Bernardo (CSSB) - Belo Horizonte (MG), em 2009. Os dados relativos ao desenvolvimento foram obtidos através da aplicação de dois questionários: AIDPI e Caderneta de Saúde da Criança (CSC). Foram comparadas as classificações do desenvolvimento pela AIDPI e pela CSC, a associação entre atraso do desenvolvimento e as variáveis estudadas. RESULTADOS: As características com maior frequência na população estudada foram a baixa escolaridade das mães (62,1%), seguida de parentes com deficiência mental (71,3%) e problemas na gestação (71,3%). A AIDPI evidenciou que 61,5% da população estudada encontra-se normal com fator de risco, 16,4% normal sem fator de risco, 11,5% com possível atraso e 10,7% com provável atraso do desenvolvimento infantil. A concordância observada entre a classificação da AIDPI e da CSC foi de 0,34, coeficiente Kappa igual a - 0,12 (p = 0,98). Não houve associação estatisticamente significativa entre as variáveis analisadas (frequenta creches; convívio com problemas emocionais; escolaridade da mãe; idade gestacional; e peso ao nascer) e atraso possível/provável do desenvolvimento identificado pela AIDPI. CONCLUSÃO: O PET-Saúde, como proposta de integração da educação pelo trabalho, permitiu uma oportunidade de convivência e troca de experiências entre alunos e profissionais de diferentes áreas de atuação, trabalhando em um projeto comum.
    • A Avaliação Global da Pessoa Idosa como Instrumento de Educação Médica: Relato de Experiência

      Pereira,Rodrigo Pastor Alves; Savassi,Leonardo Cançado Monteiro; Santos,Álisson Oliveira dos; Barbosa,Estevão Ferreira; Salomão,Camila Abrão Borges; Ciarlariello,Vinícius Boaratti; Mendes,Luiz Felipe Miranda (Associação Brasileira de Educação Médica, 2016-06-01)
      RESUMO O programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) fomentou a integração ensino-serviço por meio da inserção de alunos de graduação nos cenários de prática, permitindo o desenvolvimento de competências no mundo do trabalho. Este relato analisa a experiência de estudantes de Medicina no “Projeto de Avaliação da Pessoa Idosa”, desenvolvido ao longo do PET-Saúde em dois semestres do curso de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto. A análise situacional de saúde revelou a necessidade de um acompanhamento individualizado ao idoso. Estudantes do segundo e terceiro ano de Medicina foram capacitados a desenvolver a avaliação global de idosos, realizando avaliações domiciliárias de saúde que alcançaram 20% dos idosos da comunidade. As alterações mais prevalentes na população idosa foram avaliadas e analisadas por estatística descritiva, e as conclusões foram encaminhadas à equipe de saúde. O projeto foi relevante para os idosos, com a identificação de fatores de risco de perda de capacidade funcional, para os médicos das equipes de Saúde da Família, devido à identificação de problemas não relatados nas consultas, para os agentes comunitários de saúde, que estreitaram o relacionamento com a população idosa, e para os estudantes, que ampliaram os conhecimentos, entendendo o trabalho em equipe e desenvolvendo competências na área de saúde do idoso.
    • A avaliação institucional no curso de Medicina da Universidade de Londrina: uma experiência inovadora

      Perim,Gianna Lepre; Sakai,Marcia; Almeida,Márcio; Marchese,Maurício; Matsuo,Tiemi (Associação Brasileira de Educação Médica, 2008-06-01)
      O curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina (UEL) desenvolveu sua proposta de avaliação institucional, contextualizada no panorama nacional e na realidade regional, e a partir de 2003 implantou o Sistema Integrado de Avaliação do Curso de Medicina (SIAMed)¹, cujos princípios se encontram em consonância com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior proposto pelo MEC/Inep. O SIAMed¹ engloba o conjunto das dimensões que compõem o curso, envolve todos os que participam do processo deformação do médico e é composto por três fases de desenvolvimento: avaliação interna, avaliação externa e reavaliação. Os resultados possibilitaram identificar as potencialidades efragilidades do curso, as quais foram amplamente discutidas e aprovadas pela comunidade interna. Posteriormente, foram traduzidas em propostas de ação que passaram a integrar os Planos de Ação da Comissão Executiva e das Comissões de Apoio do Colegiado para o biênio subseqüente (2006-2008), fortalecendo o processo de mudança vivenciado pelo curso.
    • A avaliação no contexto da formação médica brasileira

      Mourão,Maria das Graças Mota; Caldeira,Antônio Prates; Raposo,José J. B.Vasconcelos (Associação Brasileira de Educação Médica, 2009-09-01)
      Este artigo tem por objetivo aprofundar a discussão acerca da avaliação no ensino superior no contexto atual das escolas médicas brasileiras, com vistas a estimular a reflexão e a discussão de todos aqueles que de uma forma ou de outra estejam envolvidos no processo educativo. Entendemos que pesquisas a respeito da temática nos permitem repensar práticas e construir propostas mais participativas, voltadas aos processos, considerando a própria experiência, as diversidades e a complexidade da instituição. Discute-se, portanto, o processo autoavaliativo, ético e responsável, para que a instituição de ensino médico possa fazer uma reflexão crítica e participativa sobre suas ações, conhecer seu efetivo papel no engajamento com a comunidade e sua verdadeira contribuição para o seu desenvolvimento. Pretende-se explicitar a avaliação como força transformadora, que considera a relação mútua existente entre os aspectos qualitativos e quantitativos, a natureza da relação pedagógica e os objetivos que se propõe a alcançar, tendo em vista a complexidade e o dinamismo do processo de ensino.
    • A bioética e o trabalho na estratégia saúde da família: uma proposta de educação

      Vidal,Selma Vaz; Gomes,Andréia Patrícia; Maia,Polyana Mendes; Gonçalves,Lucas Lacerda; Rennó,Lucas; Motta,Luís Cláudio Souza; Siqueira-Batista,Rodrigo (Associação Brasileira de Educação Médica, 2014-09-01)
      A Estratégia Saúde da Família (ESF) tem representado, na atualidade, um importante modo de reorientação da Atenção Primária à Saúde (APS) no Brasil, pautando-se na territorialização e na reorganização das ações de saúde junto às comunidades, a partir do trabalho de distintos profissionais. Nesse âmbito, a relação de proximidade e de continuidade da ESF com a coletividade tem permitido a emergência de problemas bioéticos de díspares ordens, os quais necessitam ser abordados pelos profissionais da ESF com as ferramentas teóricas adequadas. Com base nessas ponderações, o presente artigo apresenta elementos para a construção de um processo de formação bioética para os trabalhadores da ESF, enfatizando (1) o que abordar - os problemas bioéticos na ESF com base na literatura atual: (a) relações entre profissionais e usuários e suas famílias; (b) relações entre os profissionais da própria equipe; (c) relações entre profissionais e o sistema de saúde; (2) o como abordar - pressupostos pedagógicos e métodos de ensino-aprendizagem; (3) o desenho de uma oficina de formação bioética, de acordo com os pressupostos bioéticos e pedagógicos apresentados. Espera-se que as proposições do manuscrito possam ser úteis para o encaminhamento daquele que é, provavelmente, o grande desafio da bioética na APS/ESF: a incorporação dos conceitos éticos à ação do profissional, de modo a embasar as decisões autônomas dos membros da equipe.
    • A Bioética na Tomada de Decisão na Atenção Primária à Saúde

      Ferreira,Debora Carvalho; Silva Junior,Aluisio Gomes da; Batista,Rodrigo Siqueira (Associação Brasileira de Educação Médica, 2015-09-01)
      RESUMO A prática médica se alicerça no julgamento e na tomada de decisão acerca das ações de cuidado – dirigidas aos usuários, às famílias e às comunidades –, o que implica a composição das dimensões técnica e ética da prática clínica. Partindo do pressuposto da importância do processo decisório e do julgamento na prática médica, busca-se discutir essa dimensão no cotidiano do médico de família e comunidade em seu trabalho assistencial na Atenção Primária à Saúde. Para isto, apresenta-se uma situação clínica fictícia e com base nela são feitas considerações sobre raciocínios éticos no âmbito da bioética, em busca da resolução do problema. Chama-se a atenção para a importância de estimular tais raciocínios na práxis desses profissionais.
    • A Busca pela Residência Médica em Acupuntura na EPM-Unifesp

      Bissoto,João Roberto; Gallian,Dante Marcello Claramonte (Associação Brasileira de Educação Médica, 2019-07-01)
      RESUMO Este estudo nasceu da observação do considerável aumento das práticas integrativas em saúde e sua inserção no Sistema Único de Saúde do Brasil por meio da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPIC) de 2006. Surge, então, o questionamento dos motivos que levaram a esse aumento. O presente estudo analisou os porquês da busca de médicos recém-formados pela especialização em acupuntura na Universidade Federal de São Paulo, programa de residência médica recente na profissão. Os autores optaram pela metodologia da História Oral de Vida, tendo em vista seu potencial humanizador ao lidar com relatos de colegas e ainda pela rememoração do que foi vivido pelo entrevistado. A análise dos dados foi feita segundo o método de imersão e cristalização, baseado na fenomenologia hermenêutica, por meio do qual surgiram temáticas comuns nas narrativas dos entrevistados, as quais puderam ser analisadas com apoio na literatura vigente. Com base nas narrativas colhidas e analisadas, observou-se que um grande influenciador dos médicos na escolha da acupuntura é o descontentamento com a prática do modelo biomédico, que separa o paciente de sua totalidade, compartimentando o ser em múltiplas especialidades, o que transforma o paciente em pedaços sem avaliar sua existência como pessoa e sua saúde como um todo. Todos os narradores afirmaram considerar a acupuntura uma prática mais humana de fazer saúde, o que satisfaz o anseio de tratar o paciente, não apenas suas partes ou seus sintomas isolados, sendo esse fator fundamental para compreendermos o crescimento dessas práticas. Uma análise mais profunda das narrativas permitiu observar que na história de vida desses jovens médicos existem vivências que possibilitaram que eles estivessem dispostos a desenvolver sua humanidade de forma mais intensa. Outra característica notória que surgiu nas narrativas foi o fato de nenhum dos entrevistados ter tido contato com a acupuntura durante a graduação em Medicina, o que demonstra a incipiente inserção dessa prática no meio acadêmico, mesmo em se tratando de uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina desde a década de 1990.
    • A composição do curriculum vitae entre estudantes de medicina e seus condicionantes

      Carvalho,Maria Bernadete de; Ribeiro,Maria Mônica Freitas; Silva,Luciana Diniz; Shimomura,Flávio Martins (Associação Brasileira de Educação Médica, 2013-12-01)
      Nesta pesquisa, investigam-se as escolhas de atividades formadoras feitas por estudantes de Medicina e seus motivos, com o fim de apreender a lógica dessas escolhas no contexto institucional em que se apresentam e no contexto social mais amplo das sociedades capitalistas atuais, onde se afirmam novos padrões de autorrealização, conforme as pesquisas de A. Ehrenberg. Assim, não só escutamos os estudantes, como também estivemos atentos às práticas e aos valores vigentes na faculdade estudada e a outros procedimentos indicados pelos entrevistados, entre eles a seleção para a residência médica. Parte-se de dados colhidos por meio de entrevistas semiestruturadas com 12 alunos e mediante um questionário respondido por 156 dos 160 alunos que cursavam o oitavo período da Faculdade de Medicina estudada. A análise dos dados apoia-se em pesquisas similares e em estudos sobre as transformações atuais nos padrões de comportamento dos indivíduos na sociedade.